Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

Dia Internacional da Mulher

Atração da Globo trata mulheres como 'burras', dizem feministas

João Cotta/TV Globo

Thalita Rebouças, Christine Fernandes, Fernanda Gentil e Glenda Kozlowski, do Bolsa Redonda - João Cotta/TV Globo

Thalita Rebouças, Christine Fernandes, Fernanda Gentil e Glenda Kozlowski, do Bolsa Redonda

PAULO PACHECO

Publicado em 6/3/2014 - 13h56
Atualizado em 8/3/2014 - 7h02

Criado para mostrar que mulher também entende futebol, o quadro Bolsa Redonda, exibido dentro do Esporte Espetacular, da Globo, tem recebido críticas de homens e mulheres fãs do esporte. Para feministas, a mesa-redonda tem elementos machistas e trata as mulheres como "burras".

Veiculado quinzenalmente desde 10 de novembro de 2013, Bolsa Redonda faz uma releitura das tradicionais mesas-redondas esportivas, porém com quatro mulheres. Integram o elenco as jornalistas Glenda Kozlowski e Fernanda Gentil, a atriz Christine Fernandes e a escritora Thalita Rebouças, que assumidamente não entende nada de futebol.

Algumas atuações chegam a ser constrangedoras. Na edição de 16 de fevereiro, Thalita comentou que leu sobre a contratação de um volante de base pelo Flamengo. Além de comparar a posição do jogador com um volante de carro, a escritora fez piada remetendo ao universo feminino: "Esse negócio de base é um jogador metrossexual que usa base para tapar os poros?", brincou. Depois, Fernanda Gentil explicou que volante de base é um atleta jovem, das categorias de base do clube.

Na opinião da professora da UFC (Universidade Federal do Ceará) Lola Aronovich, a participante que faz perguntas óbvias para homens mantém o senso comum (e machista) de que as mulheres não sabem nada de futebol.

"A ideia de ter uma mulher que não entende nada de futebol parece atender a dois propósitos: o de tentar atrair telespectadores também ignorantes no assunto e o de fazer que espectadores riam da 'burrice' feminina", afirma Lola Aronovich, autora do blog feminista Escreva Lola Escreva.

"O quadro utiliza-se de muitos clichês de gênero e, apesar de ter uma proposta que defende ser inclusiva da mulher no meio esportivo, acaba se tornando mais uma forma de chacota e discriminação a elas", afirma Mariane da Silva Pisani, doutoranda em Antropologia Social pela USP (Universidade de São Paulo) e integrante do Instituto de Estudos de Gênero da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina).

Estereótipos

O estereótipo feminino aparece logo na abertura. O nome Bolsa Redonda remete a um acessório feminino. Na vinheta, mulheres aparecem de salto alto carregando sacolas de compras. Em seguida, o cenário verde do Esporte Espetacular dá lugar a um ambiente cor-de-rosa.

"O nome do quadro já é uma estupidez, Bolsa Redonda. Não faz nenhum sentido. A abertura com figuras de salto alto e sacolas de compras remete a qualquer coisa, menos a esportes. Lembra a abertura de programas como Mulheres Ricas [da Band] ou de qualquer programa que se guia por estereótipos como moda, maquiagem, cabelo, consumismo, futilidades, fofocas", opina Lola Aronovich.

"Mesmo que as mulheres passem a compreender de fato o esporte, espera-se que elas continuem se colocando no seu lugar de mulher, sendo bonitas, femininas, um tanto burrinhas e ingênuas e que estejam em campo para dar um "colorido diferente, com luzes cor-de-rosa, batom, salto alto e bolsa", analisa Mariane da Silva Pisani.

No último domingo (2), durante uma homenagem ao ex-jogador Zico, o quadro foi bombardeado por críticas de homens e mulheres nas redes sociais. No papo, elas perguntaram ao ex-camisa 10 do Flamengo e da seleção brasileira sobre casamento, marias-chuteiras (mulheres que se relacionam com jogadores) e "romantismo" no futebol.

"Eu me sinto ofendida por um programa desse. Isso não me representa", escreveu Michelle Gomes no Twitter.

"Acho legal esse Bolsa Redonda da Globo que trata as mulheres como retardadas", ironizou Fernando de Santis.

Outro lado

A Globo defende que "a irreverência do quadro Bolsa Redonda nada tem a ver com machismo. Ao contrário, estimula e aumenta a interação da mulher com o esporte de uma maneira geral".

Segundo a emissora, mostrar mulheres que não entendem futebol faz parte do formato do quadro. "No Bolsa Redonda, temos quatro mulheres diferentes com liberdade de opinião, três que entendem muito de futebol e uma que não entende absolutamente nada. Essa interação reflete o público feminino", diz.

LEIA TAMBÉM:

Lívia Andrade vira a Sabrina Sato do SBT (e anda pelada em casa)

Atração da Globo trata mulheres como 'burras', dizem feministas

Paris Hilton esnaba Caio Castro e Gagliasso em 'eleição' de galãs

Lobão se irrita com CQC, xinga repórter e ameaça processar a Band

Record define o nome do programa de Sabrina Sato. Saiba qual é

Em Família: Juliana ameaça vender apartamento para comprar Bia

SBT serve telebarraco no almoço para 'brigar' com Zeca Camargo

Marina Ruy Barbosa viverá ninfeta e terá caso com homem mais velho

Comportado, Rafinha Bastos dá mais audiência do que Danilo Gentili

Globo vacila e perde brasileira de Homeland para série americana

Globo transforma dois capítulos de Em Família em cinco e estica JN

Lobão diz a Rafinha Bastos que só pulava Carnaval com cocaína


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

Prêmio NTV Melhores do ano

Enquete

Qual foi o melhor telejornal ou programa jornalístico do ano?

Web Stories

+
Gui Araujo deixa A Fazenda 13 após expor lado prepotente e preconceituoso; relembreDe série na Netflix a aposentadoria: Por onde anda o elenco de O Cravo e a Rosa?Vladimir Brichta contracena com a filha em Quanto Mais Vida, Melhor; veja outros casosConfinado em A Fazenda 13, Dynho não sabe que Mirella pediu divórcio; como fica o caso?Quanto Mais Vida, Melhor enfrentou perrengues mesmo antes de estrear; conheça a trama

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas