Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

FICÇÃO OU REALIDADE?

Terry, Will e Chris: Conheça personagens que sofreram racismo policial nas séries

REPRODUÇÃO/NBC e THE CW

Montagem com imagens de Terry Crews em Brooklyn 99; Will Smith em Um Maluco no Pedaço e Tyler James Williams em Todo Mundo Odeia o Chris

Terry Crews, Will Smith e Tyler J. Williams como o sargento Jeffords, Will Smith e Chris Rock

PAOLA ZANON

paola@noticiasdatv.com

Publicado em 7/6/2020 - 5h22

No último dia 25, o policial Derek Chauvin usou uma técnica de imobilização com o joelho no pescoço contra George Floyd, um homem negro, e o sufocou até a morte na cidade de Minneapolis, nos EUA. Algumas séries norte-americanas, como Brooklyn 99 e Dear White People, já mostraram personagens pretos sendo vítimas de racismo policial. Mas diferentemente da realidade, na ficção nenhum deles chegou a morrer.

Segundo as emissoras norte-americanas CNN e NBC, apesar de não recomendada, a manobra de imobilização é comum na cidade e, desde 2012, foi usada 428 vezes, a maioria delas em pessoas negras. "Não consigo respirar" foi a frase dita pelo civil antes de perder a consciência. O caso teve repercussão mundial e provocou protestos antirracistas em diversas cidades do país. 

Personagens como Will Smith (Will Smith) e Carlton Banks (Alfonso Ribeiro), de Um Maluco no Pedaço (1990-1996); Chris Rock (Tyler James Williams), de Todo Mundo Odeia O Chris (2005-2009), Terry Jeffords (Terry Crews), de Brooklyn Nine-Nine, assim como George Floyd, também foram abordados pela polícia, e as séries deixaram claro que o motivo era apenas a cor da pele deles. 

Confira abaixo, cinco séries norte-americanas que retrataram vezes em que os personagens negros já sofreram racismo por parte da polícia:

reprodução/nbc

Carlton (Alfonso Ribeiro) é parado pela polícia na estrada enquanto dirige uma Mercedes-Benz


Will e Carlton, de Um Maluco no Pedaço

Na primeira temporada de Um Maluco no Pedaço, Will e Carlton fizeram uma viagem com um carro de luxo de Henry Furth (John Petlock), sócio de tio Phill (James Avery). Perdidos em uma rua, foram parados pela polícia por estarem dirigindo lentamente uma Mercedes-Benz, tratados como se tivessem roubado o veículo e acabaram em uma cela.

Depois de serem salvos por Furth, um homem branco, os primos debateram o racismo das autoridades, e embora Carlton achasse que os oficiais estavam fazendo apenas o dever deles, Will deixou claro que a questão principal era a cor da pele.

reprodução/the cw

Chris (Tyler James Williams) sofre com o descaso de um policial ao relatar o roubo que sofreu


Chris Rock, de Todo Mundo Odeia o Chris

Mesmo que seja relatada em tom humorístico, a série Todo Mundo Odeia o Chris mostrou bem o racismo vivido por ele e sua família. A diferença da abordagem feita pela polícia a pessoas negras e brancas é mostrada em diversos episódios, além do fato de que o narrador deixa claro, ainda que de modo escrachado, como um preto é tratado por oficiais nos anos 1980.

No episódio do assassino da tesoura, a polícia chega a invadir a casa da família Rock e a apontar uma arma para a cabeça de Jullius (Terry Crews). Em outro capítulo, Chris narra o descaso de um policial diante de um assalto que aconteceu em sua casa, além do fato de mostrar que a única descrição que importa quando um branco relata um roubo é simplesmente "negro".

reprodução/fox

Terry (Terry Crews) é abordado por um policial enquanto pratica corrida na rua da própria casa


Sargento Jeffords, de Brooklyn Nine-Nine

Terry é o sargento da delegacia de polícia onde se passa a série Brooklyn Nine-Nine. Em um episódio, ele saiu para uma caminhada noturna, foi abordado por outro policial, que não o conhecia, e teve de explicar que mora no bairro e estava apenas praticando exercícios.

O oficial o mandou abaixar o tom e sequer o deixou mostrar o distintivo, mesmo ele dizendo que é sargento. No dia seguinte, ele relatou o ocorrido aos colegas de trabalho, que lamentaram que na polícia exista esse tipo de comportamento.

reprodução/netflix

Bash (Dalmar Abuzeid) é impedido de entrar no trem com Gilbert (Lucas J. Zumann) pelo fiscal


Bash Lacroix, de Anne With an E

Em Anne With an E (2017-2020), Sebastian "Bash" Lacroix (Dalmar Abuzeid) era um fazendeiro que foi morar em Avonlea, após conhecer Gilbert Blythe (Lucas Jade Zumann), um garoto branco no navio em que trabalhava. Os dois se tornaram amigos e certo dia, quando Bash sentiu dor de dente, Gilbert quis acompanhá-lo em uma viagem de trem até o dentista.

Ao tentar embarcar, os oficiais barraram a entrada de Bash, mesmo ele tendo pagado pela passagem. Um dos fiscais disse que "gente de cor" só entrava no trem como funcionário. Ele só embarcou porque personagens brancos o defenderam.

reprodução/netflix

Um policial aponta sua arma para Reggie (Marque Richardson) durante uma festa universitária


Reggie Green, de Dear White People

A trama inicial de Dear White People mostrava um grupo de estudantes negros protestando contra uma festa na universidade onde estudam, cujo tema era blackface. A violência policial era mostrada por meio de Reggie Green (Marque Richardson), um ativista radical que discutiu com um estudante branco ao ouvi-lo usando o termo pejorativo "nigga".

A briga foi interrompida com a chegada da polícia, e antes mesmo de poder se explicar, Reggie ficou sob a mira do revólver do agente, que exigiu que ele mostrasse seus documentos. A expressão de pavor no rosto dele evidenciava o sofrimento por ser julgado apenas pela cor de sua pele. 

reprodução/netflix

Korey Wise (Jharrel Jerome) e Kevin Richardson (Asante Blackk) durante o julgamento injusto


Bônus: Olhos Que Condenam (2019)

A série de quatro episódios da Netflix relatou o caso real conhecido como Central Park 5, em que quatro jovens negros e um latino foram condenados sem provas pelo estupro de Trisha Meili, uma mulher branca, no parque central de Nova York em 1989. Na noite do crime, um grupo de 30 pessoas entrou no parque e cometeu uma série de delitos e atos violentos.

Apesar de negarem o crime, os cinco garotos cumpriram pena até 2002, quando foram soltos após testes de DNA confirmarem que eles realmente eram inocentes. 


(Colaboraram DÉBORA LIMA e JOÃO DA PAZ)


Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você achou do Disney+?