Autocensura

Record corta sangue e sexo e faz de Spartacus quase uma série bíblica

Divulgação/Starz

Cena da primeira temporada de Spartacus; a Record está cortando as cenas em que o sangue jorra, como essa - Divulgação/Starz

Cena da primeira temporada de Spartacus; a Record está cortando as cenas em que o sangue jorra, como essa

DANIEL CASTRO - Publicado em 06/01/2014, às 07h50

A Record retalhou Spartacus, série que estreou no domingo (5), depois das 23h. A emissora cortou sem dó duas das principais características do épico: sangue e sexo. Todas as cenas de luta e de sexo foram amenizadas.

O sangue que na versão original jorra farto e veloz, mas em câmera lenta, numa referência aos filmes de Quentin Tarantino, foi praticamente dizimado na Record. A emissora mostrou as batalhas e os golpes, mas cortou as sequências justamente no momento em que o sangue espirrava forte. Com isso, uma das marcas da produção deixou de existir. E o subtítulo "sangue e areia" ("blood and sand") da primeira temporada (2010) perdeu o sentido.

Produção do canal norte-americano Starz, Spartacus junta uma violência gráfica com sexo quase explícito. Basicamente, conta a história do soldado que desertou do exército romano e, condenado à morte numa arena de gladiadores, conseguiu sobreviver, chegando a liderar uma revolução.

Com os cortes, a Record transformou Spartacus quase em série bíblica _aliás, são nítidas algumas referências visuais de José do Egito (2013) à produção norte americana.

Além dos jatos de sangue, a Record cortou do primeiro episódio uma cena em que uma cabeça de um soldado voa ao ser cortada em uma batalha. Diálogos também foram amenizados. Não se ouviram na versão da Record soldados gritando "Vou f... a sua mulher" nem um dos nomes vulgares do órgão sexual feminino. Há mais dor e gritos na versão original.

Para uma série que tem homossexualidade explícita, Spartacus da Record começou mal. Do primeiro episódio, foi cortada uma rápida passagem em que uma escrava beija o seio de outra mulher durante a apresentação dos gladiadores na residência do senador Albinus. Imagina, então, o trabalho da tesoura da Record quando vierem as cenas de sexo entre homens...

Outro lado

Consultada, a Record afirma que não fez cortes em Spartacus. "A emissora esclarece que foi exibida a versão oferecida pela distribuidora para a televisão aberta", disse, via assessoria de imprensa.

A Sato Company, empresa que distribiu Spartacus no Brasil, confirma a versão da emissora. Diz que o canal Starz produziu um corte soft da série, com menos sexo e violência.

Cena de lesbianismo no primeiro episódio de Spartacus, cortada da versão exibida pela Record (Reprodução)

LEIA TAMBÉM:

Distribuidor diz que Spartacus da Record veio cortado dos EUA

Esporte Interativo insinua que Globosat veta concorrentes na TV paga

Amor à Vida: Niko vê Félix com Anjinho e fica enciumado e triste

Em Amor à Vida, Aline manda enterrar viva a espiã de Paloma

Após Emmy, Fernanda Montenegro 'atropela' Heloísa Perissé na Globo

Audiência da TV paga dispara e já é maior do que Record e Band juntas


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

O Vídeo Show tem salvação?

Últimas notícias

Notícias da TV
Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook