Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

Rebelião na cadeia

Humor perde espaço para o drama na volta de Orange Is the New Black

Fotos: Divulgação/Netflix

A atriz Dascha Polanco (à dir) aponta arma para Michael Torpey na 5ª temporada de Orange - Fotos: Divulgação/Netflix

A atriz Dascha Polanco (à dir) aponta arma para Michael Torpey na 5ª temporada de Orange

JOÃO DA PAZ

Publicado em 8/6/2017 - 5h48

A quinta temporada de Orange Is the New Black sepulta de vez a crise de identidade da série, que passou quatro anos dividida entre a comédia e o drama. O humor está presente, mas apenas como um alívio cômico ao clima pesado de uma rebelião de presas que domina os novos episódios, disponíveis a partir desta sexta-feira (9) na Netflix.

Há menos piadas sobre sexo gay e anedotas de duplo sentido. A trama principal é centrada no motim instaurado após a morte de Poussey Washington (Samira Wiley), sufocada pelo guarda Baxter Bailey (Alan Aisenberg) no final da quarta temporada. A história é retomada no ponto em parou, em que Dayanara Diaz (Dascha Polanco) toma a arma do guarda Thomas Humphrey (Michael Torpey) e dá início ao caos em Litchfield.

São três dias de guerra entre guardas e presas, o que deixa os 13 episódios dinâmicos, com andamento em "tempo real".

O telespectador é levado aos quatro cantos da prisão e testemunha como cada grupo de prisioneiras está reagindo à nova situação. Elas precisam deixar de lado as diferenças, tão expostas durante as quatro temporadas anteriores, e se unir em prol de um bem maior: justiça e melhorias na instituição.

Ou seja, o grupo de negras têm de entrar em acordo com as arianas e com as latinas, sem esquecerem de que quem comanda tudo é Dayanara, por estar com o revólver nas mãos. 

Protagonismo muda: sai a atriz Taylor Schilling (à esq.) e entra Danielle Brooks (dir.)

Nova protagonista
A mudança de rumo de Orange tira a ingênua Piper Chapman (Taylor Schilling) de cena. A loira sem graça é colocada de escanteio juntamente com o humor. Taystee (Danielle Brooks) ganha espaço e ocupa o lugar de personagem de maior destaque.

Taystee é o símbolo da revolta, cheia de caras e bocas, expressando a indignação pela morte de sua melhor amiga. É ela quem dá o tom da rebelião para não haver perda de foco nas demandas. A detenta quer a cabeça do guarda Bailey.

O show de Danielle, no entanto, passará em branco no Emmy deste ano, pois a série estreia após o final do prazo de inscrição para o prêmio, que foi no último dia 31.

Orange Is the New Black concorrerá no Emmy pela quarta temporada e é uma das apostas para tomar o lugar de Game of Thrones, da HBO, grande ausência na cerimônia deste ano. Os indicados ao Oscar da TV serão conhecidos em 13 de julho.

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você achou do Disney+?