Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

Little America

Em série visceral, Apple mostra para o mundo o outro lado do sonho americano

Reprodução/Apple TV+

O ator nigeriano Uchenna Echeazu em Little America, série da Apple sobre a vida de imigrantes nos EUA

O ator nigeriano Uchenna Echeazu em Little America, série da Apple sobre a vida de imigrantes nos EUA

JOÃO DA PAZ

Publicado em 13/2/2020 - 4h59

A indústria de entretenimento dos Estados Unidos é uma ferramenta eficaz para mostrar aos estrangeiros as maravilhas do sonho americano, aquele que num piscar de olhos coloca o imigrante dentro de uma cafeteria gourmet em Nova York. Mas esse cenário destoa da realidade, como mostra Little America, nova série visceral da Apple.

Com histórias reais de nigerianos, mexicanos, chineses, entre outros forasteiros que decidiram se arriscar nos EUA, Little America contrapõe a narrativa de filmes e séries hollywoodianos que vendem para o mundo a imagem de uma nação irretocável. A cada episódio, tramas distintas são contadas. E não faltam perrengues.

O terceiro episódio, The Cowboy (O Caubói), ilustra bem o papel de Little America. Fanático por filmes do Velho Oeste americano, o nigeriano Iwegbuna (Uchenna "Conphidance" Echeazu) aterrissa no Estado de Oklahoma para estudar Economia. De pele negra e no interior dos EUA, ele sofre para achar seu espaço. Como tentativa de se enturmar com a população rural, o universitário compra roupas de caubói (chapéu, bota e tudo mais) e realiza um sonho de infância.

Mas a adaptação não é nada fácil, e Iwegbuna mata a saudade de casa ouvindo fitas cassetes que seus familiares mandam da Nigéria. Nelas, os parentes relatam como está a vida por lá. Todos falam um dialeto local, um cuidado que Little America tem, que é reproduzir o idioma nativo dos personagens. 

Iwegbuna vive sozinho e enfrenta adversidades, que vão da alimentação ao convívio com colegas de faculdade. Com o passar do tempo, cai a ficha de que o cotidiano dele nada tem a ver com o apresentado nos filmes. Afinal, a realidade é cruel.

Em The Jaguar (A Jaguar, segundo episódio), uma família mexicana vive ilegalmente em uma garagem precária, sem acesso sequer a uma geladeira. A mãe é empregada doméstica, o filho mais trabalha do que dorme e a filha, Marisol (Jearnest Corchado), vai jogar squash apenas para ganhar um tênis novo.

Eles vivem com medo de serem pegos pela polícia e acabarem deportados, exatamente o que acontece com uma família indiana em The Manager (O Gerente, primeiro episódio). Pai e mãe são obrigados a voltarem para a Índia e deixam o seu filho de 12 anos, Kabir (Suraj Sharma), sozinho nos EUA. O garoto assume a responsabilidade de gerenciar o motel dos pais e, assim, perde toda a adolescência e juventude.

Divulgação/Apple TV +

A ugandesa Beatrice (Kemiyondo Coutinho) vende cookies em episódio da série Little America

Little America tem histórias de superação, como a encenada no quinto episódio, chamado de The Baker (A Cozinheira). Em Louisville, no Estado de Kentucky, interior dos EUA, a ugandesa Beatrice (Kemiyondo Coutinho) tem de se virar após perder o emprego de garçonete. Mãe de um menino pequeno, ela encontra uma solução: vender cookies na rua. Após contratempos, como ser multada pela polícia, ela aluga um ponto e seus produtos viram um sucesso.

Também há capítulos engraçados, como o da francesa que não consegue fechar a boca em um retiro espiritual no qual é proibido falar, visto em The Silence (O Silêncio, quarto episódio). Ou o divertido cotidiano de Faraz (Shaun Toub), um iraniano idealista que mudou para os EUA para dar uma vida melhor ao filho.

Desenrolado, ele almeja construir uma casa grande, com muitas janelas, em The Rock (A Pedra, sétimo episódio). A ideia é sair de um apartamento cheio de infiltrações em Nova York, no qual um rato "mora", transitando de lá para cá, e vira quase um bicho de estimação.

Seja com bom humor ou com dramas fortes, Little America cumpre a missão de informar ao mundo que o sonho americano até pode ser alcançado, mas será complicado. O fim de cada episódio revela como estão aquelas pessoas reais que viraram personagens --o que dá um alento, pois a maioria deu a volta por cima.

Já renovada para a segunda temporada, Little America pode ser vista no Apple TV+, o streaming da Apple. O primeiro ano da série é composto por oito episódios. 

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você achou do Disney+?