Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

Impotentes

De Constantine a Punho de Ferro: os cinco maiores flops das séries de heróis

Divulgação/NBC/Netflix

Matt Ryan em Constantine e Finn Jones em Punho de Ferro; séries canceladas, mas heróis ainda vivos - Divulgação/NBC/Netflix

Matt Ryan em Constantine e Finn Jones em Punho de Ferro; séries canceladas, mas heróis ainda vivos

JOÃO DA PAZ

Publicado em 17/10/2018 - 5h54

A Netflix até tentou dar uma sobrevida a Punho de Ferro, mas a série do playboy lutador de kung fu flopou na segunda temporada. A trama mirabolante não agradou ao público e reforça a lista dos maiores fracassos de atrações com super-heróis baseadas em história em quadrinhos. Nova nesse grupo, Punho de Ferro é a integrante de maior peso.

Ela se junta a Constantine, Powerless, Birds of Prey e Inumanos entre as produções que estrearam com uma enorme expectativa, mas naufragaram. Confira porque essas cinco séries simplesmente não aconteceram:

divulgação/the wb

Ashley Scott, Dina Meyer e Rachel Skarsten eram as protagonistas da série Birds of Prey

Birds of Prey
Antes de a rede The CW emplacar hits como Flash e Arrow, sua antecessora, a The WB, apostou alto em 2002 em uma série que prometia vingar. Mas ficou só na promessa. Ambientada em Gotham City, mas sem o Batman como justiceiro nas ruas, Birds of Prey (2002-2003) contou com três heroínas como protagonistas: a Canário Negro e a ex-Batgirl, além da filha do Homem-Morcego com a Mulher-Gato.

A série estreou com 7,6 milhões de telespectadores (número impressionante para a WB). Porém, a audiência caiu drasticamente a cada episódio, e Birds of Prey terminou no 13º capítulo. O público fugiu das atuações medonhas, efeitos visuais sofríveis (diferente dos vistos em Flash e Supergirl) e da trama para lá de cafona. No Brasil, o SBT deu à produção o duvidoso título de Mulher-Gato, que sequer aparecia.

divulgação/NBC

Personagem da DC, Constantine (Matt Ryan) deu às caras em Arrow e Legends of Tomorrow

Constantine
Sucesso nos quadrinhos, Constantine (2014-2015) foi um fiasco na TV tal qual no cinema. A série falhou em vários aspectos e, devido à audiência baixa, foi cancelada. O drama escorregou por não replicar os principais elementos da HQ, como a forte veia política e social.

O fato de ser exibida pela NBC, uma TV aberta, impediu que a trama explorasse a fundo todas as histórias macabras. Em um canal pago ou no streaming, o personagem teria mais liberdade para funcionar.

Constantine foi bem interpretado por Matt Ryan (melhor do que Keanu Reeves, que viveu o personagem no cinema). Ryan deu vida a um ex-vigarista, que virou detetive exorcista e buscava fazer o bem ao salvar pessoas possuídas por demônios. O bom tralhalho levou Ryan a reviver Constantine em Arrow e Legends of Tomorrow. Há rumores de que ele pode também aparecer em Lucifer.

divulgação/abc

Iwan Rheon deixou Game of Thrones para flopar em Inumanos; ele foi vilão nas duas séries

Inumanos
Com um primeiro episódio produzido com alta qualidade, exibido em cinemas Imax (imagens melhores e maiores do que o modelo convencional) nos Estados Unidos, Inumanos (2017) fez barulho em sua estreia. Ajudou o fato de ter no elenco um ex-Game of Thrones, Iwan Rheon, o vil Ramsay Bolton na trama fantasiosa da HBO.

Familiar aos fãs de HQs, Inumanos narrou na TV as aventuras de uma raça de alienígenas. A produção, ligada a Agents of Shield, registrou uma audiência pífia (2,6 milhões de telespectadores por episódio) e foi a série de 2017 com a menor avaliação no site Metacritic: nota 27 de 100. Os críticos ressaltaram como pontos negativos os efeitos especiais de doer e a história sem sentido.

divulgação/nbc

Estrela teen, Vanessa Hudgens não evitou que a comédia Powerless perdesse os poderes

Powerless
Primeira série de comédia da DC Comics, Powerless (2007) tinha uma estrela teen como protagonista. Vanessa Hudgens, a Gabriella do fenômeno High School Musical, encabeçou o elenco. Contudo, ela não conseguiu fazer a produção decolar. Powerless apresentou um mundo caótico no qual os habitantes sofriam com os danos colaterais e destruições causados nos combates de heróis e vilões.

Vanessa foi a única que saiu ilesa desse mico. Os atores que deram apoio a ela atuaram pessimamente, e a trama, embora tenha origem em uma premissa curiosa, foi muito mal aproveitada. Originalmente programada para ter 12 episódios, a rede NBC tirou Powerless do ar após o nono capítulo, deixando os corajosos telespectadores à deriva.

divulgação/netflix

Finn Jones na pele de Punho de Ferro na série homônima; punho irá brilhar em outras atrações

Punho de Ferro
O herói pode até ter um punho de ferro, mas o criador é pé-frio. Roteirista com passagens bem-sucedidas em Six Feet Under (2001-2005) e Dexter (2006-2013), Scott Buck quebrou a cara em suas investidas no mundo dos heróis. Além de desenvolver Punho de Ferro (2017-2018), ele adaptou Inumanos para a TV.

As críticas da primeira temporada de Punho de Ferro foram implacáveis. Tudo porque a origem maluca do herói (filho de um empresário bilionário que entrou em um portal e passou a ser criado por monges em uma cidade mística) não foi bem apresentada na série. Isso afugentou o público, que não voltou para uma segunda temporada, com mais lutas e ação.

Mesmo com o fim da produção, o personagem ainda existirá no universo da Marvel, nas séries da Netflix e em eventuais produções do novo serviço de streaming da Disney. Provavelmente, continuará sendo alvo de piadas de seus colegas heróis.

Leia também

Enquete

Você gostou dos primeiros capítulos de Verdades Secretas 2?

Web Stories

+
Mitomaníaco, sem noção ou exibido? 5 vezes que Gui Araujo falou demais em A FazendaDe vendedor de pastéis a diretor de cinema: Por onde anda o elenco de Malhação 2008?Como aconteceu acidente com Alec Baldwin que matou fotógrafa no set de novo filmeCinco casais que se formaram no Casamento às Cegas Brasil e você não sabiaElenco de Verdades Secretas 2: Conheça os novos personagens da novela

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas