Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

THE L WORD

Atriz de série lésbica reclama de desfecho de personagem abusada: 'Enojada'

Reprodução/Globoplay

A atriz Mia Kirshner como a Jenny da versão original de The L Word

Mia Kirshner como a Jenny da versão original de The L Word: atriz detonou revival do drama lésbico

LUCIANO GUARALDO

Publicado em 17/12/2019 - 13h32

A série The L Word (2004-2009) fez história por colocar, pela primeira vez na TV americana, mulheres lésbicas como protagonistas. Dez anos depois do fim, a história continua com The L Word: Generation Q, que estreou no dia 8 nos Estados Unidos. Mas a atriz Mia Kirshner não gostou nada do desfecho que o revival deu para sua personagem, Jenny Schecter. "Estou enojada", criticou ela em seu perfil no Twitter.

É que na sexta (e última) temporada da L Word original, Jenny apareceu morta, e a criadora Ilene Chaiken prometeu que cada episódio mostraria os motivos de um personagem para assassiná-la. No fim, a verdade viria à tona. Só que a revelação do culpado nunca aconteceu... Pelo menos, até agora.

[Atenção: o texto a seguir contém spoilers de The L Word: Generation Q]

Generation Q conta com o retorno de três das personagens originais: Bette (Jennifer Beals), Shane (Katherine Moennig) e Alice (Leisha Hailey). Logo na estreia, elas comentam que Jenny não foi assassinada; ela tirou a própria vida.

Como a personagem sofreu muito durante as seis temporadas de L Word, chegando a revelar que foi abusada sexualmente quando era criança, Mia Kirshner considerou que transformá-la em suicida é um desserviço não apenas para a história, mas para outras mulheres que sobreviveram a esse tipo de ataque.

"Não. Jenny não está morta. Não é essa a história que precisamos contar sobre uma sobrevivente de violência sexual. Não é uma história que pode ser simplesmente amarrada com um laço. Então, não, ela não está morta", escreveu a atriz.

Na sequência, ela começou a responder fãs que também criticavam a decisão de Ilene Chaiken de fazer de Jenny uma suicida. "Eu fiquei sabendo do 'suicídio' dela hoje e estou enojada que foi dessa maneira que os roteiristas quiseram diminuir a história de uma sobrevivente de abuso sexual. Ela não está morta", ressaltou.

Uma seguidora, Bre Rios, agradeceu a atriz por falar sobre o assunto. "A Jenny passou por muita coisa durante a série, ela teve o desenvolvimento de personagem mais sincero que já vi. É uma vergonha que eles estejam tentando encerrar a história dela desse jeito e empurrá-la para o lado", escreveu a fã. "Eu acabei de descobrir o que fizeram com a história dela, e não posso ficar calada diante disso", retrucou Mia.

As seis temporadas da L Word original estão disponíveis no Globoplay. Generation Q ainda não tem previsão de estreia no Brasil. Confira o trailer (em inglês) do revival:

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você achou dos participantes do BBB21?

Adorei, prometem barraco e diversão nos próximos meses
9.31%
Não sei ainda, preciso vê-los na casa para formar opinião
39.29%
Pior que A Fazenda, tem 'famoso' ali que eu nunca ouvi falar
19.98%
Não vejo BBB, prefiro ler minha coleção de livros
31.42%