Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

FENÔMENO DA NETFLIX

45,6 bilhões de wons em reais? Saiba o valor do prêmio de Round 6 no Brasil

REPRODUÇÃO/NETFLIX

Montagem de fotos com o ator Jung-jae Lee (à esquerda) caracterizado como o personagem Seong Gi-hun, o jogador 456, e o cofre de dinheiro da série Round 6, da Netflix

Seong Gi-hun (Jung-jae Lee), o jogador 456, e o cofre de dinheiro do prêmio em Round 6, da Netflix

KELLY MIYASHIRO

kelly@noticiasdatv.com

Publicado em 5/10/2021 - 17h00

Quanto vale 45,6 bilhões de wons em reais? O prêmio da série Round 6, da Netflix, é na moeda sul-coreana, mas equivaleria a R$ 208.845.119,58 no Brasil, segundo a própria gigante do streaming. Na cotação desta terça-feira (5), cada um real custa 216 wons sul-coreanos.

No começo da série, o recrutador de jogadores interpretado por Gong Yoo apostava 100 mil wones para quem ganhasse dele no jogo ddakji (que é basicamente bater origamis no chão como se fossem tazos).

Só que se o vendedor vencesse, ele poderia bater na cara do perdedor em troca do perdão da dívida. Cada tapa no rosto que o protagonista, Seong Gi-hun (Jung-jae Lee), levou antes de entrar no jogo mortal custou R$ 457,99.

A Netflix divulgou recentemente a conversão dos outros valores que aparecem na produção que virou fenômeno nas redes sociais. Segundo a conta do streaming, a dívida feita com agiotas e bancos pelo jogador 456 totalizaria R$ 732.789,89 no Brasil.

Procurado pela polícia, o personagem Sang-Woo/jogador 218 (Park Hae-soo) deve 6 bilhões de wons por ter roubado os clientes da empresa de investimentos em que trabalhava, aplicar enormes quantias em negócios furados e perder tudo. Se fosse brasileiro e devesse em reais, o prejuízo do vizinho de bairro de Gi-hun seria de R$ 27.479.621,00. 

Cada jogador morto durante a competição sangrenta fazia o prêmio acumular cem milhões de wons, então R$ 457.993,68 eram adicionados ao cofre de porquinho para "compensar" cada fatalidade e aumentar o faturamento do futuro campeão. 

O que é Round 6, da Netflix?

Na série, pessoas que precisam desesperadamente de dinheiro recebem um convite misterioso para participarem de uma competição ainda mais enigmática. Os 456 convidados que aceitam são dopados e levados até um lugar secreto, no meio de uma ilha.

Os participantes competem em uma série de jogos infantis tradicionais. Entretanto, quem perde é morto a sangue-frio. Durante a trama, os jogadores entram em conflito e colocam as vidas em risco em busca do prêmio de 45,6 bilhões de wons. 

Em entrevista à revista Variety, o criador, roteirista e diretor da série, Hwang Dong-hyuk, revelou que escreveu a atração como uma metáfora para o modo como as pessoas competem em sociedade: 

Eu quis escrever uma história que fosse uma alegoria ou fábula sobre a sociedade capitalista moderna, algo que retratasse uma competição extrema de alguma forma semelhante com a competição da vida. Mas eu quis usar os tipos de personagens que todos nós já conhecemos na vida real.

A primeira temporada de Squid Game/Ojing-eo Geim (nome original da produção que significa Jogo da Lula, em tradução literal) tem nove episódios, com média de 50 minutos de duração. O elenco conta com nomes como John D. Michaels, Hae-soo Park e Geoffrey Giuliano. Há opção de áudio dublado em português.

Fenômeno na Netflix, Round 6 ocupa a lista de Top 10 atrações mais vistas da plataforma, mas ainda não tem uma segunda temporada confirmada. Assista ao trailer abaixo.


Leia também

Enquete

Você gostou do primeiro mês de Um Lugar ao Sol?

Web Stories

+
Teste de fidelidade? A Fazenda 13 coloca relacionamento de peões em xequeTraída, enganada e desprezada: 7 vezes em que Bárbara quebrou a cara em Um Lugar ao SolMansão nova, presença VIP e publis: Saiba tudo sobre a carreira de Deolane BezerraÚltima temporada de La Casa de Papel: Após o fim, série já tem spin-off confirmadoFicção virou realidade: Casa de Esqueceram de Mim é aberta ao público; veja fotos

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas