Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

Análise | Teledramaturgia

Igreja e romance explicam sucesso de novela das 7 e fiasco das 9

Fotos: Reprodução/TV Globo

Bruna Marquezine e Glória Pires, protagonistas de I Love Paraisópolis e Babilônia, respectivamente - Fotos: Reprodução/TV Globo

Bruna Marquezine e Glória Pires, protagonistas de I Love Paraisópolis e Babilônia, respectivamente

RAPHAEL SCIRE

Publicado em 8/6/2015 - 5h27

Babilônia, a atual trama das nove da Globo, é um fracasso de audiência. Com uma história que cedeu às pressões do público conservador e perdeu sua essência, a trama tem dado menos audiência do que a novela das sete, I Love Paraisópolis, o que, para o autor Gilberto Braga, é uma "humilhação diária".

A avaliação é pertinente: a novela das nove é a produção mais cara da emissora e, portanto, precisa de índices melhores que justifiquem os valores cobrados no intervalo comercial. Tanto Babilônia quanto I Love Paraisópolis apresentam pontos em comum, mas que são tratados de maneira completamente opostas, o que, de certa forma, explica a melhor aceitação do folhetim das sete. São eles:

As atrizes Soraya Ravenle (I Love Paraisópoils) e Arlette Salles (Babilônia) são evangélicas, mas só na novela das sete há uma apresentação real do segmento religioso

Evangélicos

A novela das sete trata com normalidade e sem esteriótipos os evangélicos, a exemplo da personagem Eva (Soraya Ravenle), que já apareceu dizendo que vai ao culto e com a Bíblia na mão, mas nem por isso se restringe a usar o nome de Deus a todo instante. Já em Babilônia, a família Pimenta recorre ao "Altíssimo" em toda fala, e o texto faz questão de destacar um quê de moralismo e demagogia. Ainda que Maria José (Laila Garin) e Laís (Luisa Arraes) sejam mostradas com retidão de caráter, os personagens Aderbal (Marcos Palmeira) e Consuelo (Arlete Salles) parecem mais uma chacota do que um retrato desse público. É uma resposta camuflada dos autores à bancada evangélica do Congresso, que chegou a pedir o boicote da trama por mostrar um beijo gay no primeiro capítulo.  

Moradores de comunidades são interpretados de uma forma mais alegre e colorida em I Love Paraisópolis, com Tatá Werneck (à esq.), do que em Babilônia, com Camila Pitanga 

Ricos e pobres

Ambas as tramas são ambientadas em comunidades carentes, mas em Paraisópolis a favela é algo que idealizada, colorida. Já em Babilônia, é extremamente real, com dramas mais pesados _como pede uma novela das nove. Além disso, a dicotomia pobres versus ricos, na novela das nove, é carregada e mostra que os menos favorecidos são algo que idiotas, problema também enfrentado em O Dono do Mundo (1992), do mesmo Gilberto Braga. Paraisópolis, por sua vez, escapou dessa armadilha ao mostrar com sutileza que existe gente de tudo quanto é jeito, em tudo quanto é lugar. 

O casal Bruna Marquezine e Mauricio Destri (à esq.) caiu no gosto do público por ter uma relação típica de novela, diferente do que ocorre com Thiago Fragoso e Camila Pitanga

Química do casal

Romance é característica essencial e indiscutível em novela. Bruna Marquezine (Mari) e Mauricio Destri (Benjamin) já conseguiram a tal química que toda produção folhetinesca sonha em ter com seu casal principal. Só com o olhar, os dois já se comunicam e conquistaram a torcida do público. Exatamente o oposto do casal central de Babilônia, Vinicius (Thiago Fragoso) e Regina (Camila Pitanga), que ainda lutam para caírem no gosto popular.

O ator Eduardo Dussek é peça principal da boa história coadjuvante de I Love Paraisópolis; já em Babilônia, Sharon Menezes não convence na paquera com Bento (Dudu Azevedo)

Tramas paralelas

Trama paralela tem a função de ajudar a sustentar a história principal ao longo dos meses em que a novela está no ar, mas em Babilônia elas parecem andar em círculos e nada acrescentam à narrativa. É o caso do casal Paula (Sheron Menezes) e Bento (Dudu Azevedo) e de Valeska (Juliana Alves) e Norberto (Marcos Veras), constantemente em um chove não molha. Em Paraisópolis, personagens secundários ganharam tramas interessantes, como Izabelita (Nicette Bruno), que sofre de Alzheimer, e Armandinho (Eduardo Dussek), um rico falido que faz de tudo para manter a pose. 

Babu Santana é um bandido engraçado em I Love Paraisópolis e Marcos Veras, um chef em Babilônia; comédia na novela da sete condiz com os folhetins clássicos do horário

Humor

Em que pese o fato de uma novela das sete ser bem mais leve do que uma das nove e o humor ser característica central de sua narrativa, o que sobra de graça em Paraisópolis parece faltar em Babilônia. O núcleo cômico desta é chato, não empolga e não faz graça, pelo contrário, constrange. Ajustes foram promovidos, mas o resultado final está longe do ideal.


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você achou dos participantes do BBB21?