Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

MYLLA CHRISTIE

Após 25 anos de carreira, atriz volta a trabalhar como modelo

Divulgação/Vira Comunicação

Mylla Christie em campanha publicitária que fez em 2015; ela voltou a trabalhar como modelo - Divulgação/Vira Comunicação

Mylla Christie em campanha publicitária que fez em 2015; ela voltou a trabalhar como modelo

FERNANDA LOPES

Publicado em 5/5/2016 - 17h40

No ar na reprise de Amor e Intrigas, na Record, a atriz Mylla Christie não entra no estúdio de uma emissora de TV há três anos, quando terminou de gravar uma participação na minissérie bíblica José do Egito. Ex-Globo, ela permaneceu contratada da Record durante sete anos, de 2007 e 2014, mas atuou apenas nessas duas produções. Aos 44 anos, Mylla voltou a exercer a profissão que tinha desde os oito anos: modelo.

Em 2015, ela posou para duas campanhas publicitárias, de uma marca de sapatos e de uma loja de móveis. Ela afirma que prefere dedicar seu tempo a trabalhos esporádicos e à família. Bem casada com o empresário e investidor financeiro Paulo Luis Sartori, Mylla se tornou mãe de Arthur, hoje com quatro anos. 

"Foi natural, foi ótimo [sair da Record]. A Record é uma boa emissora, mas no meu caso era melhor poder escolher meus trabalhos. Eu tenho 30 anos de carreira, já fiz de tudo, tive muito Ibope. Agora realmente tem que ser uma coisa que me emocione demais para eu fazer. Não sinto falta [da TV]", diz.

A estreia de Mylla como atriz foi aos 20 anos, em Meu Bem, Meu Mal (1990), novela da Globo que também é reprisada atualmente, no canal Viva. Ela lembra com muito mais carinho desse trabalho do que de sua passagem pela Record. Mylla interpretava Jéssica, a filha mimada e ciumenta de Ricardo, personagem de José Mayer. "Meu Bem, Meu Mal foi o máximo, uma novela muito marcante. Aprendi a montar à cavalo com uma professora, a Adriana Esteves também montava bastante comigo nas cenas", recorda.

CEDOC/TV GLOBO

Mylla Christie, José Mayer e Adriana Esteves durante as gravações de Meu Bem, Meu Mal

Mylla relata também que sofria preconceito nos bastidores da Globo por ser modelo e não ter formação como atriz e que Lima Duarte e José Mayer foram seus maiores guias em sua primeira experiência em novelas. 

"Foi muito difícil para mim. Eu tinha acabado de chegar do Japão, era uma modelo conhecida, fazia muito comercial. Não é que eles chamaram qualquer um, eles chamaram a Mylla Christie, eu já tinha nome. Fiz teste e achei que tinha ido mal. Tanto que, quando ligaram na minha casa [para avisar que tinha passado], minha mãe achou que era trote. Tive muita ajuda do Lima Duarte e do Zé Mayer. Com eles aprendi a decorar texto e a interpretar", conta.

Entre novelas, séries e especiais, Mylla participou de 15 produções na Globo. Teve bastante repercussão com a minissérie Engraçadinha... Seus Amores e Seus Pecados (1995), em que interpretava Silene, a filha da protagonista Engraçadinha (Claudia Raia). Em Senhora do Destino (2004), sua última trama na Globo, a atriz viveu Eleonora, personagem que se assumia gay e adotava uma criança.

Mesmo sem convites para interpretar personagens que a estimulem e sem novos projetos confirmados, Mylla deixa claro que não está procurando emprego. "Hoje eu vivo um momento diferente. Eu não preciso fazer uma coisa só por causa de dinheiro, do contrato. Não é por aí".


 ► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você quer ver no retorno de Amor de Mãe?