VOLTOU ATRÁS

Disney não consegue vender Fox Sports, e Cade decide reavaliar fusão bilionária

Reprodução/Fox Sports

Benjamin Back no programa Aqui com Benja, do Fox Sports

Benjamin Back no programa Aqui com Benja, do Fox Sports: canal esportivo pode melar fusão

REDAÇÃO - Publicado em 13/11/2019, às 18h22

O Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) anunciou nesta quarta-feira (13) que vai reavaliar a fusão da Disney com a Fox no Brasil. Segundo nota divulgada pelo órgão, a operação será revista porque a empresa do Mickey Mouse não conseguiu vender os canais Fox Sports, uma das condições pré-existentes para a aprovação do negócio de US$ 71,3 bilhões (R$ 300 bilhões).

Segundo o acordo firmado, a Disney precisaria repassar os canais esportivos para outro grupo interessado ainda em 2019. Seria uma maneira de evitar uma concentração excessiva de um conglomerado no setor: a empresa já é dona da ESPN, e por isso não pode controlar também o Fox Sports.

"O objetivo era permitir que a estrutura do mercado permanecesse com a mesma pressão competitiva anterior à fusão, com a continuidade de três opções de canais de esportes para os consumidores no Brasil: SporTV (da GloboSat), ESPN e mais uma nova empresa com os ativos da Fox Sports", diz o comunicado.

Na nota, o Cade ressalta que a Disney até se esforçou para vender os canais, mas não conseguiu cumprir o prazo. "Embora as partes tenham se esforçado para cumprir a determinação, a venda não foi concretizada. Desse modo, conforme previsto na cláusula 14.3 do ACC [Acordo em Controle de Concentrações], o Cade decidiu revisar a operação", informa o órgão.

A companhia norte-americana bilionária, de fato, fez o possível para se livrar dos dois Fox Sports: ela chegou a contratar uma empresa independente, a Pyne Media, que teria a função de ajustar termos de negociação com interessados. A consultoria de Benjamin Pyne, porém, não conseguiu fechar nenhum negócio.

Alexandre Barreto, presidente do Cade, considerou que a reapreciação é a solução que melhor considera as preocupações do mercado e da autarquia para evitar um possível monopólio ou concorrência desleal. "A medida mostra-se equânime e proporcional justamente por oportunizar que se manifestem sobre outras opções viáveis", disse Barreto.

A fusão Disney e Fox

No negócio de US$ 71,3 bilhões, fechado em julho do ano passado, a Disney comprou os direitos de todas as operações da Fox no mundo, menos nos Estados Unidos. Por lá, a Fox vai continuar com seus principais canais em operação. 

No Brasil e nos demais países, os canais da empresa de Rupert Murdoch seriam descontinuados e substituídos por marcas pertencentes à Disney que operam no mesmo tipo de negócio.

Além da compra da Fox, a Disney levou sucessos produzidos ou distribuídos pela concorrente, como a série de animação Os Simpsons, e filmes, como os premiados X-Men e Quarteto Fantástico --que poderão se juntar ao Universo Cinematográfico da Marvel, do qual já fazem parte nas histórias em quadrinhos.

Tudo sobre

Disney Fox Sports

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

O que você mais quer ver no BBB20?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook