Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

MINHA HISTÓRIA

Filme sobre violência doméstica é 'terapia' para roteirista em casamento abusivo

Divulgação/Lifetime

Vlastina Svátková passa maquiagem no rosto em cena do filme tcheco Minha História

A atriz Vlastina Svátková vive a bailarina Elizabeth no drama tcheco Minha História

LUCIANO GUARALDO

luciano@noticiasdatv.com

Publicado em 25/11/2021 - 16h20

Roteirizar e produzir um filme que relata um caso real de violência doméstica pode ser um fardo para qualquer pessoa, mas virou "terapia" para Pavla Krečmerová. Enquanto escrevia o roteiro de Minha História, que o Lifetime exibe nesta quinta (25), a tcheca percebeu, assim como a personagem principal do longa, que também vivia um casamento abusivo.

Minha História conta o drama real de Elizabeth (Vlastina Svátková), uma bailarina bem-sucedida que pausa sua carreira na dança após se apaixonar por um homem charmoso e misterioso. Ao se jogar de cabeça no romance, porém, ela percebe que seu príncipe encantado é pior do que um sapo. Ele a agride com frequência e transforma a vida dela num inferno.

Elizabeth, então, busca forças para fugir do abusador e reconstruir sua vida. Com a ajuda de suas amigas e de um blog em que compartilha sua história, tenta seguir em frente e acreditar que o amor ainda é possível. Essa mensagem edificante levou a roteirista a reavaliar sua vida.

"Fiquei presa na história, porque também estava em uma relação infeliz. Tinha um filho de um ano e meio na época, mas o meu casamento era muito infeliz. Não era uma relação violenta como a de Elizabeth, mas não era boa, tinha muitos insultos, e eu percebi que não queria continuar nela", conta a executiva tcheca em entrevista exclusiva ao Notícias da TV

A produtora Pavla Krečmerová em foto de seu Facebook

A roteirista e produtora tcheca Pavla Krečmerová, do filme Minha História (Reprodução/Facebook)

Ela e o roteirista Libor Adam trabalharam juntos para transformar a história em um filme que trouxesse esperança para outras sobreviventes de violência doméstica. "Escrevemos umas 12 versões diferentes do roteiro, e a cada uma a Elizabeth ficava mais forte. Na última versão, eu já estava divorciada, então ela ficou muito forte (risos). Eu queria dizer a outras pessoas que passaram por isso que existe um jeito de voltar à vida normal", lembra Pavla.

Ao contrário de outras produções que tratam de abusos, Minha História evita cenas explícitas. "A violência está presente, mas atrás de portas fechadas. Você ouve o barulho, tem alguns flashbacks curtos e fora de foco. Então você não a vê nem a sente, mas sabe que ela está ali. Não era o objetivo do longa. Nós queríamos mostrar que é possível amar a si mesma, voltar ao normal e não desistir do amor. Porque o amor é o que move nossa vida", filosofa.

Pavla defende que, mais do que um filme, Minha História é uma mensagem de esperança. "Eu queria dizer aos sobreviventes que está tudo bem admitir que você amava alguém que era ruim para você, que não te tratava bem. Você é uma pessoa forte e que pode se afastar. Mesmo que seu corpo e sua alma tenham sido quebrados, você pode se remontar e acreditar num amanhã melhor. Todo mundo tem o direito de viver em um mundo melhor."

Minha História será exibido nesta quinta-feira (25), às 19h15, no Lifetime. Na sequência, o canal estreia o documentário Aly Raisman: Uma Luz no Fim do Túnel, no qual a atleta que denunciou o médico da seleção de ginástica dos Estados Unidos por abuso sexual conversa e ajuda outros sobreviventes.

Prêmio NTV Melhores do ano


Leia também

Enquete

Qual foi o melhor telejornal ou programa jornalístico do ano?

Web Stories

+
Juan Paiva rouba a cena em Um Lugar ao Sol; conheça a história do atorGui Araujo deixa A Fazenda 13 após expor lado prepotente e preconceituoso; relembreDe série na Netflix a aposentadoria: Por onde anda o elenco de O Cravo e a Rosa?Vladimir Brichta contracena com a filha em Quanto Mais Vida, Melhor; veja outros casosConfinado em A Fazenda 13, Dynho não sabe que Mirella pediu divórcio; como fica o caso?

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas