ANÁLISE

Trump, Bolsonaro e Globo: O que está por trás da mudança da Lei da TV paga?

Fotos: Reprodução/Divulgação

Os presidentes Donald Trump, dos Estados Unidos, e Jair Bolsonaro, do Brasil, com o empresário Ren Zhengfei, da Huawei

Donald Trump, Jair Bolsonaro e Ren Zhengfei, fundador da Huawei: interesses globais em jogo no Brasil

DANIEL CASTRO - Publicado em 31/08/2019, às 05h47

Na próxima semana, o Senado deve votar mudanças importantes na legislação de TV por assinatura e de telecomunicações. A principal delas é uma demanda do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, encampada pelo brasileiro Jair Bolsonaro, com forte impacto nos interesses da Globo, Claro, Oi e da norte-americana AT&T.

O Projeto de Lei 3.832/2019 altera os artigos 5º e 6º da Lei 12.485/2011, chamada de Lei da TV Paga, eliminando impedimentos à propriedade cruzada nas empresas de distribuição e produção de conteúdo. Hoje, a produtora de conteúdo Globo não pode ser dona da distribuidora Sky, e vice-versa.

A mudança tem endereço certo: permitir que a gigante AT&T conclua sua fusão com a Time Warner no Brasil, juntando no mesmo grupo a operadora Sky e as programadoras HBO e Turner, parte de uma operação global de US$ 85 bilhões.

A outra mudança importante é na ultrapassada legislação que rege as companhias telefônicas. O PLC 79/2016 muda a relação das teles com o governo, as desobrigando de uma série de encargos. Isso permitirá que as teles deixem de gastar com orelhão e invistam em banda larga de qualidade.

A alteração também tem endereço certo: permitir que a AT&T compre a Oi, maior operadora de telefonia fixa do Brasil, presente em quase todo o território nacional.

Se comprar a Oi, a gigante norte-americana das telecomunicações e entretenimento irá atender ao desejo de Donald Trump de bloquear a expansão das empresas de tecnologia chinesas, principalmente a Huwaei, hoje grande fornecedora de equipamentos justamente para a Oi.

Mesmo sem ter o controle da Oi, a AT&T já é uma grande ameaça à Globo e à Claro, maior operadora de TV por assinatura do país. Com Sky, Turner e HBO, será um forte concorrente para as duas companhias. Poderá fazer frente ao poderio da Globo sobre os direitos de transmissão de futebol no país, o que também interessa à Record e ao SBT.

A Claro atua fortemente nos bastidores para barrar a compra da Oi pela AT&T. Prefere que a companhia seja fatiada entre ela, Vivo e Tim, que já estão no mercado.

Globo muda de opinião

A propriedade cruzada nas empresas de telecomunicações e entretenimento foi uma bandeira da Globo durante a tramitação da Lei 12.485. Seu objetivo era impedir que as telefônicas globais, muito mais fortes financeiramente, pudessem ameaçar seus negócios na televisão por assinatura, a partir de então concentrados na Globosat, maior programadora nacional.

Para se proteger das teles, a Globo teve de abrir mão de participações acionárias nas operadoras Net (hoje Claro) e Sky. Mas a emissora mudou de ideia. Agora, ela também é a favor do fim da limitação à propriedade cruzada.

As discussões no Senado nesta semana foram acompanhadas de perto por representantes de Google e Facebook. As gigantes de tecnologia querem que a lei deixe claro que internet não é TV por assinatura. Em outras palavras, que plataformas como YouTube e Netflix não devem ser enquadradas como SeAC (Serviço de Acesso Condicionado) e passem a ter as mesmas obrigações que as operadoras de TV paga, como distribuir canais públicos e preencher cotas de conteúdo nacional.

A tendência, para alívio das gigantes de tecnologia, é que a internet continue como está, livre. Esse também é o interesse das programadoras e emissoras de TV, ansiosas para venderem seus canais diretamente ao telespectador, sem o pedágio da operadora de TV por assinatura. A Globo, por exemplo, está pronta para oferecer pacotes de canais Globosat em aplicativos.

Essa distinção entre TV por assinatura e internet perpetua uma anomalia entre empresas semelhantes: a Netflix, por exemplo, tem menos obrigações do que a Claro, apesar de oferecerem o mesmo serviço. O atual modelo de negócio da TV por assinatura, há alguns anos assombrado pelo crescimento do streaming, nunca esteve tão ameaçado quanto agora.

Tudo sobre

Globo Jair Bolsonaro
Daniel Castro
DANIEL CASTRO transformou a coluna de Televisão da Folha de S.Paulo na mais relevante do país durante sua passagem pelo jornal, entre 1991 e 2009. Trabalhou no Notícias Populares (1995-96) e R7 (2009-13). E-mail: dcastro@noticiasdatv.com

Leia também

Comentários

Carregando… Carregando...