ADRIANA ARAÚJO

Crise de choro antecipa férias de apresentadora e intriga a Record

Reprodução/Record

A apresentadora Adriana Araújo no cenário do Jornal da Record durante a edição de 21 de abril

Adriana Araújo no Jornal da Record do último dia 21: ela trabalhou no feriado e saiu de férias na manhã seguinte

DANIEL CASTRO - Publicado em 29/04/2020, às 05h25 - Atualizado às 08h46

As férias repentinas de Adriana Araújo, apresentadora do Jornal da Record, estão intrigando os bastidores da rede de Edir Macedo. Após a edição do último dia 21, feriado de Tiradentes, Adriana teve uma crise de choro. No dia seguinte, sua chefia lhe deu férias de 30 dias, e ela foi substituída pela jornalista Janine Borba.

O choro de Adriana é fato, existem testemunhas, mas há duas versões para sua motivação: 1) a jornalista teria reclamado da linha editorial do Jornal da Record e, após discutir com a chefia, teria sido forçada a sair de férias;  2) a apresentadora estaria com problemas pessoais e pediu para se afastar por um tempo.

O Notícias da TV apurou que as duas versões têm algo verdadeiro. A jornalista de 44 anos de fato reclamou da linha que o JR tomou nos últimos tempos. Ela demonstrou incômodo por estar emprestando sua imagem a um telejornal governista. Na última edição que apresentou, predominavam reportagens que se esforçavam para mostrar que cidades e Estados (até o Rio de Janeiro) já se preparavam para a reabertura do comércio, como quer o presidente Jair Bolsonaro.

Logo no começo da pandemia do novo coronavírus, em março, os jornalistas da Record receberam orientações expressas para darem "espaço para médicos que sejam equilibrados e que ajudem a transmitir calma à população". "Não podemos entrar na onda alarmista", sentenciou o diretor de Jornalismo, Thiago Contreira.

A amigos, Adriana também se queixa de estar sendo tolhida na emissora desde que o bispo Edir Macedo passou a apoiar Bolsonaro, durante a campanha de 2018, o que atribui ao fato de ser casada com um profissional do marketing político. Eduardo Ribeiro foi o escolhido para fazer entrevistas com o presidente eleito, e ela ficou em segundo plano.

Segundo a versão de que o choro teve motivação profissional, Adriana reclamou especificamente de uma reportagem sobre a dramática situação do sistema de saúde pública de Manaus, onde corpos de vítimas da Covid-19 estavam sendo guardados em caminhões frigoríficos. A reportagem não foi ao ar no dia 21. Foi "derrubada", no jargão jornalístico.

Na manhã seguinte, Adriana teve uma conversa com Antonio Guerreiro, vice-presidente de Jornalismo da Record, e o resultado foi que ela saiu imediatamente de férias, sem planejamento prévio, apenas três meses após retornar de um descanso de 15 dias. 

Além do estresse no ambiente profissional, a jornalista, de acordo com pessoas próximas, também está enfrentando pressão na esfera pessoal. Sua filha, Giovanna, que nasceu com uma rara síndrome ortopédica, estuda Medicina na Universidade Federal de São Paulo. Numa época em que profissionais de saúde estão morrendo na linha de frente de uma guerra contra um vírus, isso tem tirado o sono da mãe.

Adriana quebrou o silêncio no último domingo (26), com uma postagem no Instagram que não esclareceu muita coisa, mas confirmou as lágrimas pós-Jornal da Record. Nela, publicou uma imagem de 2015 em que estava chorando, extraída de um emocionante depoimento sobre o drama de sua filha, que enfrentou dez cirurgias corretivas para ter pés que a permitem, hoje, até correr.

No texto, Adriana reclama que a imagem foi usada na semana passada para ilustrar publicações sobre seu repentino afastamento do Jornal da Record. "Não deturpem o meu choro, por favor", escreveu (veja post abaixo).

A jornalista não atendeu às tentativas de contato por parte do Notícias da TV, feitas por telefone e WhatsApp nos últimos dias. A Record informou apenas que Adriana está em férias. 

 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Lágrimas de 2015 Às vezes me sinto feita de aço, outras vezes de areia. Sou força e garra e risos uma boa parte do tempo. Mas também sou lágrimas. Essas da foto são lágrimas de 2015, um choro de mãe ao relembrar um momento traumático na minha jornada em busca de um tratamento médico para a minha filha, já concluído com sucesso. Essa semana essa imagem foi usada pra falar de outro assunto sem qualquer conexão com esse momento. Não deturpem o meu choro, por favor. Sou resultado de muitas vitórias e alegrias mas também das lágrimas no meu caminho. Isso nos faz humanos, capazes de nos desfazer e refazer. É nisso que tenho pensado nessa parada estratégica pra refletir. As lágrimas de hoje reservo a mim. Bj grande (Não sei postar links mas a história real desse choro foi publicada no R7 em 2015.) https://entretenimento.r7.com/famosos-e-tv/videos/adriana-araujo-abre-o-coracao-e-fala-sobre-carta-que-revela-historia-emocionante-da-filha-06102019

Uma publicação compartilhada por Adriana Araujo (@adrianaaraujo_) em

Daniel Castro
DANIEL CASTRO transformou a coluna de Televisão da Folha de S.Paulo na mais relevante do país durante sua passagem pelo jornal, entre 1991 e 2009. Trabalhou no Notícias Populares (1995-96) e R7 (2009-13). E-mail: dcastro@noticiasdatv.com

Leia também

Comentários

Carregando… Carregando...