Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
X
Instagram
Youtube
TikTok

INVENTARIANTE

Zagallo: Justiça acata último desejo do ex-jogador, e caçula vai administrar bens

REPRODUÇÃO/INSTAGRAM

Zagallo e seu filho, Mário César, estão abraçados

Zagallo e seu filho, Mário César: em testamento, caçula ficou com maior parte de bens do atleta

IVES FERRO e LI LACERDA

ives@noticiasdatv.com

Publicado em 23/2/2024 - 6h10

Mário César de Castro Zagallo foi nomeado oficialmente o inventariante dos bens de seu pai, Mário Jorge Lobo Zagallo (1931-2024). Ele é o filho caçula do ex-jogador de futebol, a quem o próprio definiu em seu testamento como "o único" dos herdeiros que não o havia deixado chateado. Mário César ficará responsável por administrar todo o espólio deixado por Zagallo.

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro designou Mário César como inventariante em documento despachado no último dia 1º. O Notícias da TV obteve o texto assinado pelo juíz Milton Delgado Soares, da 1ª Vara de Família da Regional da Barra da Tijuca. A abertura do processo de inventário aconteceu menos de um mês depois da morte de Zagallo, em 5 de janeiro.

A reportagem revelou em primeira mão o último desejo de Zagallo, expresso em seu testamento assinado em novembro de 2016. No documento, ele nomeou o caçula como testamenteiro e inventariante dos bens. Zagallo ainda se disse "profundamente triste e magoado" com os outros três filhos mais velhos, Paulo Jorge de Castro Zagallo, Maria Emília de Castro Zagallo e Maria Cristina Zagallo Ballester.

A abertura, o registro e o cumprimento do testamento do craque do futebol aconteceram em 10 de janeiro. Já a data da distribuição para a designação do inventariante foi aberta no dia 24 do mesmo mês. A lei brasileira diz que, na morte de alguém, o cônjuge deve ser nomeado o inventariante. Como Zagallo já era viúvo, ele deixou expresso no testamento que gostaria que o caçula administrasse sua herança.

Os próximos passos para a partilha de bens deverão seguir o que está prescrito no documento assinado por Zagallo: da totalidade de sua herança, ele destinou 50% para Mário César. A segunda metade dos bens foi dividida entre os quatro filhos, sendo 12,5% para cada um. Assim, o caçula ficará com 62,5% dos bens, enquanto os irmãos terão apenas 12,5%.

Como inventariante, Mário César terá o compromisso de cumprir as palavras do pai. O processo está na etapa de apresentação das primeiras declarações de representação dos herdeiros (quando todos os filhos devem se mostrar como beneficiários). A listagem dos títulos dos bens deverá ser feita também pelo caçula, o inventariante.

Notícias da TV procurou Paulo Jorge de Castro Zagallo, Maria Emília de Castro Zagallo e Maria Cristina Zagallo Ballester, os filhos mais velhos de Zagallo que ficaram 12,5% da herança. A defesa dos herdeiros afirmou que eles não vão se pronunciar sobre o processo de divisão dos bens ou sobre a designação de Mário César como inventariante.

Por que Zagallo brigou com os filhos?

O imbróglio exposto no testamento de Zagallo começou por conta de uma briga judicial que seus três filhos mais velhos travaram contra ele. Após a morte de sua esposa, Alcina de Castro Zagallo, em 2012, o ex-jogador foi nomeado administrador dos bens e afirmou à Justiça que a mulher não havia deixado testamento. Ela, no entanto, tinha feito o documento em questão. Mas Alcina já deixara escrito que, de toda forma, Zagallo comandaria seus bens.

Mesmo assim, os três filhos mais velhos entraram com um pedido judicial para que a primeira decisão fosse anulada. Desta forma, o espólio de Alcina passaria por uma nova divisão e teria outra pessoa como inventariante.

A Justiça negou o pedido por entender que a vontade da mulher já havia sido feita. Zagallo se chateou com os herdeiros e deixou a maior parte de seus bens para o caçula, Mário César, o único que não foi contra ele na briga.


Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.