Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

LUTO

Marcelo Rezende morre aos 65 anos, quatro meses após descobrir câncer

Reprodução/RecordTV

Marcelo Rezende em entrevista ao Domingo Espetacular, ao qual revelou estar com câncer - Reprodução/RecordTV

Marcelo Rezende em entrevista ao Domingo Espetacular, ao qual revelou estar com câncer

REDAÇÃO

Publicado em 16/9/2017 - 19h13

Morreu às 17h45 deste sábado (16), aos 65 anos, o apresentador Marcelo Rezende. Ele estava internado desde terça-feira (12) no Hospital Moriah, mantido pela Igreja Universal, na zona sul de São Paulo. Rezende foi diagnosticado com câncer no pâncreas e no intestino há pouco mais de quatro meses. O anúncio da morte foi feito às 19h12 pelo apresentador Reinaldo Gottino, durante o Cidade Alerta, telejornal da Record que o jornalista liderou nos últimos cinco anos.

O apresentador estava afastado da televisão desde maio, quando deixou o comando do Cidade Alerta para tratar a doença. No entanto, como o Notícias da TV adiantou em junho, optou por não fazer a quimioterapia, o tratamento mais indicado. Seu estado de saúde piorou na semana passada _foi de um quadro de pneumonia a falência de órgãos como rins e fígado.

Apesar do estado crítico, Rezende pediu para não ser entubado e respirar por aparelhos. O pedido foi atendido pelos médicos.

O apresentador abandonou a químio depois de realizar o primeiro ciclo. No lugar do tratamento tradicional, que tem muitos efeitos colaterais e deixa o paciente bastante debilitado, preferiu uma terapia alternativa, baseada em uma dieta rica em proteínas e gorduras, que visa "matar as células cancerígenas de fome", sem o fornecimento de carboidratos, ricos em glicose.

Criticado por sua decisão, inclusive por amigos e pessoas conhecidas, como o apresentador Milton Neves, Rezende contou em um vídeo que não se arrependia de sua decisão.

Marcelo Rezende usava vídeos nas redes sociais para informar seu estado de saúde (Foto: Reprodução)

"Uma das coisas que me deixaram triste foi quando eu desisti da medicina tradicional e algumas pessoas, ainda bem que foram poucas, me chamaram de covarde", disse, afirmando que estava seguindo uma "ordem do Deus soberano" e que sua cura estaria próxima.

Rezende também procurou a cura espiritual em um lugar que ele chamava de "Farmácia de Deus", na região de Juiz de Fora, em Minas Gerais. "Não adianta você curar o físico sem ter à frente o espiritual. E eu cuido muito do lado espiritual, porque quem está fazendo essa travessia da cura é Deus, é Ele quem me conduz", afirmou em vídeo no Instagram.

Trajetória
Rezende começou sua carreira na década de 1960, como repórter esportivo do extinto Jornal dos Sports, no Rio de Janeiro. Mesmo sem ter feito faculdade na área, ganhou uma vaga na publicação após ajudar um homem com a datilografação de uma relação de times de futebol de várzea. O sujeito era o editor-chefe do jornal, que lhe ofereceu uma vaga. Na época, tinha apenas 17 anos.

Dois anos depois, foi demitido do esportivo. Como ele mesmo contou à revista Playboy de dezembro de 2014, preferiu passar o fim de semana com uma garota e perdeu uma entrevista importante com o técnico Elba de Pádua Lima, o Tim (1916-1984). "O problema é que a garota era mais gostosa que o Tim, e eu fiquei com a mulher. Eles me mandaram embora", revelou, em entrevista à publicação.

Como fez muitos amigos no jornalismo, Rezende foi rapidamente contratado pela Rádio Globo para trabalhar como rádio-escuta e, em 1972, foi para o jornal O Globo, no qual atuou como redator de esportes. Na Redação, conviveu com nomes como Nelson Rodrigues (1912-1980), Aguinaldo Silva e Gilberto Braga.

Aos 21 anos, pediu para ir para a reportagem. Aos 23, já era repórter especial. Em 1979, foi convidado para trabalhar na revista Placar. Ficou na publicação até 1987, quando fez a transição para a televisão.

No jornalismo televisivo, ganhou destaque com reportagens policiais, como a série sobre a violência de PMs na Favela Naval, de Diadema, em março de 1997. Pelo especial do Jornal Nacional, Rezende recebeu o Prêmio Libero Badaró de jornalismo.

O contato com o mundo do crime e da polícia veio desde a infância, já que seu pai trabalhava como inspetor de alunos na Funabem (Fundação Nacional do Bem-Estar do Menor), nomenclatura antiga da atual Fundação Casa. "Sempre digo que bandido eu conheço de berço, ninguém precisa me apresentar", disse ele à Playboy.

Marcelo Rezende à frente do Linha Direta da Globo

Em 1999, depois de se destacar na reportagem, começou a apresentar na Globo o Linha Direta, que usava dramaturgia e depoimentos para recriar casos policiais. Em agosto de 2000, deixou o comando do programa e migrou para a RedeTV!, onde apresentou o Repórter Cidadão entre 2002 e 2004.

Foi para a Record em 2004, apresentando o Cidade Alerta até junho do ano seguinte, quando o programa foi tirado do ar por causa da baixa audiência. Voltou para a RedeTV! como âncora do RedeTV! News e, em 2009, foi para a Band comandar o Tribunal na TV.

Em 2010, voltou para a Record como repórter especial do Domingo Espetacular; no ano seguinte, apresentou o Repórter Record e, em 2012, reassumiu o Cidade Alerta, que tinha voltado ao ar no ano anterior.

Nos últimos anos, Rezende passou a ser a "cara" do Cidade Alerta e criou bordões como o "Corta pra mim", além de dar apelidos para os repórteres do telejornal.

Em 14 de maio deste ano, em entrevista ao Domingo Espetacular, revelou que lutava contra um câncer no pâncreas e no fígado. "Eu não tenho medo da morte. Tem gente que tem, mas eu não. Porque o homem que tem fé não tem medo, ele sabe que vai vencer", disse ao programa.

Rezende contou que começou a desconfiar de que algo estava errado com ele ao perder a vontade de tomar café da manhã e de beber uma taça de vinho. "Aí pensei: eu estou com alguma coisa no fígado, porque eu tenho um paladar lascado e um olfato lascado", lembrou.

O apresentador também alegou não ter arrependimentos ou reclamações: "Tudo o que eu vivi foi felicidade, eu não tenho tristeza na minha vida. Isso tudo [o câncer] é tão pequeno diante de mais de 60 anos de absoluta alegria. Meus filhos cresceram, todos têm um horizonte, nenhum está dando cabeçada em poste, conseguiram fazer as próprias vidas".

Com experiência no jornalismo esportivo (Placar, Jornal dos Sports), Marcelo Rezende estreou na TV no Globo Esporte, fazendo cobertura dos times cariocas. Nesta imagem, ele fala direto da Gávea, sede do Flamengo, em 1987
Marcelo Rezende começou a fazer reportagens policiais e investigativas no Jornal Nacional. Nesta, ele cobre o dia seguinte a uma onda de arrastões nas praias do Rio de Janeiro, em 1992
Em 1995, a Globo exibiu uma série de reportagens contra a Igreja Universal e a Record. Marcelo Rezende fez uma delas, visitando as sedes da emissora e da Universal no Rio de Janeiro
Um dos maiores trabalhos de Marcelo Rezende foi a denúncia de violência de policiais da Rota na cidade de Diadema, na Grande São Paulo, em 1997. A reportagem foi exibida no Jornal Nacional e ganhou prêmios
Como integrante do Fantástico, Marcelo Rezende ficou marcado por fazer grandes reportagens e entrevistas, como esta em 1998, na qual ficou frente a frente com Francisco de Assis Pereira, conhecido como Maníaco do Parque
A estreia de Marcelo Rezende como apresentador foi no jornalístico Linha Direta, da Globo, entre 1999 e 2001. Nesta imagem, ele comanda a edição sobre o sequestro de Wellington Camargo, irmão de Zezé Di Camargo e Luciano
A primeira passagem de Marcelo Rezende na Record ocorreu entre 2004 e 2005. Ele chegou para acabar com o rodízio de apresentadores do policialesco após a saída de José Luiz Datena, em 2003
Marcelo Rezende também passou duas vezes pela RedeTV!, durante uma fase de migração de canais. Em seu segundo contrato, ficou dois anos no comando do principal telejornal da emissora, entre 2006 e 2008
Em rápida passagem pela Band, em 2010, Marcelo Rezende apresentou o programa Tribunal na TV. A ideia era copiar o Linha Direta ao recriar casos criminais famosos. O programa durou pouco, ficou apenas dez meses no ar
Ao voltar para a Record, em 2010, Marcelo Rezende virou repórter especial do Domingo Espetacular, à frente de grandes reportagens. Nesta, ela contou toda a história do apresentador Silvio Santos, dono do SBT
Na volta ao Cidade Alerta, em 2012, Marcelo Rezende mudou o tom do programa, acrescentou humor e fazia brincadeiras com os integrantes. Também emplacou bordôes como "Corta pra mim" e "Sapeca iá iá"

Leia também

Web Stories

+
Elenco, estreia e bastidores: Saiba tudo sobre o reboot de Um Maluco no PedaçoAgressão e barraco em festa clandestina: Veja histórico dos peões de A Fazenda 13Vereda Tropical no Globoplay: Veja por onde andam cinco atores sumidos da novelaGlobo Esporte, Zero 1 e BBB: Confira trajetória de Tiago Leifert na GloboRejeição, tristeza e alcoolismo: Cinco personagens que sofreram com depressão

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Você gostou do elenco de A Fazenda 13?