NO TOMORROW

Projeto da Globo fracassa em TV nanica dos Estados Unidos

Divulgação/The CW

Joshua Sasse e Tori Anderson em No Tomorrow, baseada em série da Globo - Divulgação/The CW

Joshua Sasse e Tori Anderson em No Tomorrow, baseada em série da Globo

REDAÇÃO - Publicado em 09/01/2017, às 11h46

A série No Tomorrow, versão norte-americana de Como Aproveitar o Fim do Mundo, da Globo, não agradou ao público dos Estados Unidos. No domingo (7), a rede The CW, que a exibe, anunciou a renovação de sete de suas produções atuais. A adaptação do original de Fernanda Young e Alexandre Machado não está na lista. Tudo indica que No Tomorrow será cancelada.

Mesmo para os padrões da CW, a menor das redes abertas dos Estados Unidos, os índices de audiência de No Tomorrow deixam a desejar: a produção tem média de 820 mil de espectadores por episódio e fica em penúltimo lugar entre os mais assistidos (ou em segundo lugar entre os menos assistidos) dos Estados Unidos.

A última colocada no ranking, Crazy Ex-Girlfriend, também da CW, tem média de 520 mil telespectadores. Para efeito de comparação, os sucessos NCIS e The Big Bang Theory, da CBS, têm cerca de15 milhões por episódio.

Curioso é que, mesmo com desempenho pior que No Tomorrow, Crazy Ex-Girlfriend emplacou uma terceira temporada, já que tem algo que a adaptação da série brasileira não conseguiu: prestígio com a crítica. Rachel Bloom, protagonista e criadora do programa, ganhou o Globo de Ouro de melhor atriz em série de comédia ou musical do ano passado e foi indicada novamente na cerimônia deste ano.

Com apenas 13 episódios produzidos em sua primeira temporada, é muito provável que No Tomorrow vai parar mesmo por aí. No evento em que anunciou a renovação das sete séries, o presidente da The CW, Mark Pedowitz, chegou a dizer que, caso a série não tenha mais episódios, deve ganhar um desfecho apenas na internet, mas sem a realização de um capítulo completo.

Exibida no Brasil em 2012, Como Aproveitar o Fim do Mundo não chegou a ser um sucesso na Globo, mas teve média de 15 pontos de audiência, o que seria considerado bom nos dias de hoje. A série de Fernanda Young e Alexandre Machado também foi indicada ao Emmy Internacional, que a Globo anuncia como o Oscar da televisão.

Antes de No Tomorrow, a Globo já havia vendido outro projeto para uma adaptação norte-americana: O Rebu seria adaptado pela ABC como The Party, mas a ideia não saiu do papel. No ano passado, a emissora brasileira investiu na versão internacional de Supermax, com elenco de astros latinos e a brasileira Laura Neiva. A clássica novela O Bem-Amado, de 1973, também ganhará uma versão na TV mexicana, com o título El Bienamado, no ar a partir de 23 de janeiro.


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

 

+ Lidas

Bloco de Notas

Três É Demais

Jodie Sweetin (centro) como Stephanie em Fuller House, reboot de Três É Demais - Divulgação/Netflix A atriz Jodie Sweetin, que viveu a Stephanie na série Três É Demais (1987-1995) e repete a personagem em Fuller House, confessou nunca ter visto um episódio completo da atração em que atuou quando era ... Leia +

Leia todas as notas

Enquete

Quem é seu jurado preferido do The Voice?

Redes sociais

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook
Fechar
Click Click