Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

Sem festa

Record obriga funcionários a trabalharem no Natal e Ano-Novo

Divulgação

O bispo Edir Macedo, dono da Record e da Igreja Universal, em culto no Templo de Salomão - Divulgação

O bispo Edir Macedo, dono da Record e da Igreja Universal, em culto no Templo de Salomão

PAULO PACHECO

Publicado em 10/12/2014 - 5h17

É tenso o clima entre os funcionários da Record no interior de São Paulo. Os profissionais de jornalismo da Record Paulista, sediada em Bauru e retransmitida para quase 200 cidades, foram avisados por e-mail nesta terça (9 de que todos trabalharão nos dias 24 e 31 de dezembro, dias considerados "mortos", sem produção, e folgarão, em escala de revezamento, apenas nos feriados de 25 de dezembro e 1° de janeiro. Assim, muitos terão de passar a noite de Natal e o Réveillon na Redação.

A Record Paulista pertence ao bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal do Reino de Deus e dono da Record de São Paulo, que orienta as emissoras e afiliadas a darem uma semana de folga aos funcionários no Natal e no Ano-Novo. Quem trabalha em um feriado folga no outro e vice-versa. A emissora do interior paulista, entretanto, está descumprindo esta regra. Os profissionais reclamam de assédio moral e perseguição.

A equipe da Record Paulista é enxuta e faltam equipamentos e profissionais. A Redação de jornalismo, em Bauru, onde a programação é gerada, tem 20 profissionais, mas o quadro de funcionários chega a 200 somando as cidades onde é retransmitida.

Apesar da insatisfação, os profissionais temem demissões se denunciarem os abusos da Record. Três funcionários já foram demitidos neste ano por se rebelarem contra a direção da emissora. "Estamos há três anos sofrendo assédio moral. Não podemos reclamar porque seremos demitidos. Temos medo de denunciar, mas a situação chegou a um extremo", contou um funcionário ao Notícias da TV, sem se identificar.

Vice-líder no Ibope, a Record Paulista chega a socorrer financeiramente a matriz, em São Paulo. Entretanto, segundo o profissional, o café chegou a ser cortado para intimidar os funcionários. Após protestos, a bebida voltou a ser oferecida, mas em menor quantidade. "Brigamos por um gole de café", revelou.

Até a cesta de Natal, com panetone, está ameaçada. De acordo com o profissional, um diretor da emissora justificou a falta da ceia como "ordem do chefe", em referência ao bispo Edir Macedo.

Os funcionários enviaram uma carta ao Sindicato dos Jornalistas de São Paulo denunciando a Record Paulista pelo trabalho forçado e outros abusos, como desvios de função, abuso de poder e chefia omissa. A caça aos profissionais "rebeldes" pela direção da emissora ficou mais intensa.

"Desde que o sindicato começou a batalhar pelas nossas causas, a direção da emissora começou a ter essa postura mais austera. Não divulgou as férias e agora contraria a Record de São Paulo, que orienta as retransmissoras a dar uma semana de folga aos funcionários".

Procurada, a Record não se pronunciou até a conclusão deste texto.


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

TUDO SOBRE

Natal

Record

Leia também

Enquete

Você gostou de Tadeu Schmidt no comando do BBB22?

Web Stories

+
Final de Malhação na Globo tem sequestro, incêndio e final feliz; saiba tudoPor que Ludmilla e Anitta brigaram? Entenda a treta que respingou no BBB 22BBB22: Cinco vezes em que Naiara Azevedo atraiu o ranço do público na primeira semanaFaustão na Band abala concorrentes com ibope histórico e equipe provoca RecordAntes da estreia, BBB22 já rendeu treta entre famosos, tentativa de redenção e mais

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas