Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

TRATO FEITO

Reality transforma careca em astro e loja de penhor em ponto turístico

Divulgação/History

O dono de loja de penhor Rick Harrison posa com sorriso aberto e vestindo uniforme da Gold & Silver Pawn Shop, em Las Vegas

Rick Harrison é um dos astros do reality Trato Feito, fenômeno de audiência desde 2009

LUCIANO GUARALDO

luciano@noticiasdatv.com

Publicado em 1/6/2020 - 5h30

Aos 55 anos, com mais pelos no cavanhaque do que cabelos na cabeça e sem seguir os padrões clássicos de beleza, Rick Harrison virou ídolo no mundo todo. Ele é o astro do reality show Trato Feito (Pawn Stars), fenômeno de audiência do History que transformou uma loja de penhores em mais um ponto turístico da cidade de Las Vegas.

"É muito estranho que um careca como eu tenha virado um astro internacional (risos), mas aconteceu. Já fui reconhecido nas ruas da Malásia, da Índia, do mundo todo", conta ele em entrevista ao Notícias da TV. As abordagens dos fãs nas ruas são bem variadas. "As reações vão de 'Olá, como vai?' a gritos histéricos. É esquisito, mas agora aprendi a lidar com isso", diverte-se.

No ar desde 2009, o Trato Feito já exibiu mais de 570 episódios ao longo de 17 temporadas. O reality acompanha Rick, sua família e seus funcionários na Gold & Silver Pawn Shop, uma loja de penhores localizada no coração da "cidade do pecado". As pessoas vão até lá com objetos que acreditam ser valiosos, e ali no balcão mesmo rola uma lição divertida de história e a avaliação da peça.

A atração já teve mais de 7 milhões de espectadores nos Estados Unidos por episódio, número de fazer inveja a muita série da TV aberta de lá. E isso acabou colocando a Gold & Silver no mapa dos turistas que visitam Las Vegas.

"Antes do programa, a gente recebia uns 70 ou cem clientes por dia. Agora, são mais de mil pessoas. Tivemos que aumentar a loja, contratar mais funcionários, mais seguranças... Às vezes, formam filas imensas do lado de fora de pessoas que querem entrar. Muita coisa mudou nesses 11 anos", reflete Harrison, que aponta que cerca de 10% dos visitantes são brasileiros. "O programa é um sucesso aí!"

O curioso é que, quando o Trato Feito surgiu, nem Rick acreditou que tinha um formato bem-sucedido nas mãos. "Achei que faríamos uma ou duas temporadas e acabaria ali mesmo, nunca imaginei que continuaria nisso mais de uma década depois. Só pensei que ia dar uma ajudada nos negócios", admite.

Agora, com tantos episódios prontos no currículo, ele tenta explicar a fórmula do sucesso: "As pessoas conhecem mais sobre a história e se divertem ao mesmo tempo, acho que elas gostam de aprender assim. E é um programa para toda a família, eu nunca mostraria na TV algo que não gostaria que minha mãe visse".

Seguranças, famosos e reality fake

Com o sucesso, surgem os haters. E Rick confessa que já viu de tudo entre seus críticos. "Já disseram até que sou um ator, que o programa tem roteiro e que a loja nem existe, que a gente grava tudo em um estúdio em Hollywood (risos). É uma loucura! Também já li nos tabloides que vou me divorciar... Uma vez me falaram que, se você é famoso e eles não têm o que escrever sobre você, inventam mesmo."

Como ponto positivo para o sucesso, Harrison valoriza a oportunidade de ter conhecido pessoas famosas. O ator Steve Carell (de The Office), o quadrinista Stan Lee (1922-2018), Dana White (presidente do UFC) e a jornalista Katie Couric já passaram pela loja para negociar objetos. "Eu gosto de ser uma celebridade, mas às vezes gostaria de poder desligar essa chavinha", reconhece o empresário.

O único momento em que ele deixa de ser o astro do Trato Feito e vira apenas Rick Harrison é em sua casa. "Lá, eu sou só um cara normal, um marido, pai de quatro filhos. Nem assisto ao programa, não consigo. Sempre que tento, acho que fiz um trabalho péssimo. Devo ter visto dois ou três episódios. Não suporto me ver!"

Os episódios inéditos do Trato Feito vão ao ar todas as segundas-feiras, às 22h20, no History. Confira um pouco das táticas de negociação de Rick no reality show:


Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Quem deve ser a nova Juma Marruá?