Memória da TV

Nos anos 1970, jornalista da Globo morreu após dar importante notícia

Divulgação

O locutor Heron Domingues trabalhou na TV Continental entre os anos de 1960 e 1970

Heron Domingues trabalhou na TV Continental entre os anos de 1960 e 1970 e noticiou a renúncia de Nixon em 1974

THELL DE CASTRO - Publicado em 08/12/2019, às 06h08

Um dos maiores locutores da história do rádio e da televisão brasileira, Heron Domingues foi testemunha de grandes acontecimentos que noticiou, como o suicídio de Getúlio Vargas, em 1954, e a chegada do homem à Lua, em 1969. Mas, em 1974, o coração do jornalista não aguentou a emoção após uma edição especial de um telejornal da Globo.

Nascido em São Gabriel (RS) em 4 de junho de 1924, Domingues começou no rádio aos 16 anos, na Rádio Gaúcha, onde, logo de cara, noticiou o bombardeio de Pearl Harbour, nos Estados Unidos, pelos japoneses, durante a Segunda Guerra Mundial.

Em 1944, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde marcou época apresentando o Repórter Esso, principal meio de informação da população na época. Noticiou o fim da guerra, a morte de Carmem Miranda (1955), a renúncia do presidente Jânio Quadros (1961) e muitos outros fatos importantes.

Nos anos 1960 e 1970, trabalhou na televisão. Passou por TV Tupi, TV Continental e TV Rio, onde apresentou o Telejornal Pirelli ao lado de Léo Batista, e ingressou na novata TV Globo, que surgiu na capital fluminense em 1965. Na emissora de Roberto Marinho (1904-2003), apresentou o Jornal da Noite e o Jornal Internacional, que dava as principais notícias do mundo no final das noites. Também comandou o programa Só o Amor Constrói, aos domingos, antes da estreia do Fantástico.

Foi numa edição do Jornal Internacional que Domingues ficou extremamente emocionado e fez sua última aparição no vídeo. Em 9 de agosto de 1974, prestes a sair em férias, pediu ao então diretor de Jornalismo da Globo, Armando Nogueira (1927-2010), para que pudesse noticiar o principal fato do dia: a renúncia do então presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon (1913-1994).

reprodução

Richard Nixon durante entrevista em 1973, um ano antes de anunciar renúncia à presidência

Por um descuido da equipe de transmissão da Casa Branca, o sinal de satélite foi aberto antes da hora, e a Globo captou tudo que estava sendo mostrado. Pouco antes de entrar no ar, em meio à grave crise institucional, Nixon estava sorridente, fazendo piadas. Em poucos segundos, fechou o semblante e iniciou seu pronunciamento.

Domingues foi certeiro. "A televisão americana comentava a surpreendente calma e bom-humor de Nixon, ao contrário do que se esperava de um homem acuado por pressões enormes. Nós confirmamos esse detalhe com a imagem espontânea colhida em circuito fechado dos momentos de descontração de Nixon, como um ator antes da novela. Como político que fez sua carreira dominando a televisão e, às vezes, sendo vencido por ela, Richard Milhous Nixon se despediu do cargo mais visado da Terra com um sorriso", informou.

Muito elogiado por essa edição do Jornal Internacional, Domingues deixou a emissora e foi jantar com amigos. Mais tarde, em casa, foi vítima de um infarto fulminante enquanto dormia, morrendo aos 50 anos.

"Heron Domingues estava visivelmente emocionado. Como sempre ficava, aliás, na narração das grandes notícias de que sua carreira foi pródiga. (...) Heron morreu no impulso de uma grande notícia. (...) Com Heron, segue uma escola de leitura de notícias que ficará entre nós. Com sua morte, ganha foros de legenda a arte de ler para multidões, arte exercitada diariamente por centenas de profissionais. Arte pouco reconhecida, mas de infinita utilidade na sociedade de massas", descreveu o crítico Artur da Távola (1936-2008) em O Globo de 21 de agosto de 1974.

Dono de uma potente voz, Domingues, no entanto, não se preocupava em preservá-la. Era boêmio, fumante inveterado e bebia em excesso. Certa vez, uma equipe médica se dedicou a estudar sua voz, que foi considerada um fenômeno. "Bebo e fumo em excesso", disse o locutor aos médicos. "Pois continue bebendo e fumando", teriam respondido os profissionais.


THELL DE CASTRO é jornalista, editor do site TV História e autor do livro Dicionário da Televisão Brasileira. Siga no Twitter: @thelldecastro

Tudo sobre

Globo Memória da TV

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

O que você mais quer ver no BBB20?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook