VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

No Encontro, mulher agradece morte de ex-marido abusivo: 'Agora estou em paz'

REPRODUÇÃO/TV GLOBO

Verônica viveu um relacionamento abusivo por 24 anos; vítima só teve paz quando ele morreu  - REPRODUÇÃO/TV GLOBO

Verônica viveu um relacionamento abusivo por 24 anos; vítima só teve paz quando ele morreu

REDAÇÃO - Publicado em 31/07/2019, às 12h11

No Encontro desta quarta-feira (31), Patrícia Poeta promoveu um debate sobre violência contra a mulher. Na plateia, André Curvello descobriu a história de Verônica, uma mulher que viveu um relacionamento abusivo. Após contar seu drama, a convidada agradeceu pelo ex-marido ter morrido. "Graças a Deus, agora estou em paz", desabafou Verônica.

Depois de ouvir o relato de Letícia, uma jovem que quase foi assassinada pelo ex-namorado quando estava grávida, a atriz Miá Mello pontuou que é preciso "meter a colher" em brigas entre marido e mulher. "Se você tá vendo uma situação assim ao seu redor, interfira!", ela incentivou os telespectadores.

Patrícia decidiu passar o debate para a plateia. "O Curvello tem uma história de que o povo acabou ajudando, né?", introduziu ela. O jornalista, então, contou que Verônica esteve num relacionamento abusivo durante 24 anos e passou por todo o ciclo da violência contra a mulher: tensão (ameaças, xingamentos), explosão (agressão física) e lua de mel (pedido de desculpas, convencendo a vítima que não acontecerá novamente). 

"Ele chegava em casa bêbado, me xingava, me humilhava. Piorou quando tivemos uma filha. Ela é especial, só que ele não aceitava a condição dela. Então ele arrumou uma amante, teve um filho 'normal' e dizia que a nossa filha ser doente era culpa minha", começou Verônica.

A mulher contou que o marido tinha vergonha de sair com elas na rua, mas levava a amante e o filho para passear o tempo todo. Para não ser mais dependente financeiramente dele, Verônica abriu uma barraca que vendia bebidas no quintal de casa. Posteriormente, ela conseguiu montar um bar, de onde tira hoje seu sustento e de sua filha.

"A última briga foi por conta disso. Ela apareceu, ficou com ciúmes porque tinha um homem comprando cerveja e começou a me agredir com chutes e socos. Eu comecei a gritar, e meus vizinhos, que estavam cansados de ver o sofrimento, chamaram a polícia", contou Verônica.

A vítima conta que, mesmo na frente dos policiais, as agressões continuaram. O homem ficou preso durante quatro dias até ser solto. Ela conseguiu uma medida protetiva que o obrigava a manter 200 metros de distância dela, e assim fez com que ele saísse de casa. 

Curvello agradeceu a convidada pela coragem em dividr o relato. "Já tem um ano que ele morrreu, felizmente", respondeu ela. "Sua vida tá ótima, né?", rebateu o apresentador, fazendo a plateia rir. "Graças a Deus, agora estou em paz", ressaltou Verônica.

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Quem é a mãe mais surtada de Amor de Mãe?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook