Memória da TV

Em 1967, terremoto matou cem personagens de novela da Globo

Fotos: Reprodução/Memória Globo

A atriz Miriam Pires, que sobreviveu ao terremoto promovido para enxugar o elenco de Anastácia  - Fotos: Reprodução/Memória Globo

A atriz Miriam Pires, que sobreviveu ao terremoto promovido para enxugar o elenco de Anastácia

THELL DE CASTRO - Publicado em 03/08/2014, às 06h27

RESUMO: Escrita pelo ator Emiliano Queiróz, Anastácia - A Mulher Sem Destino era um folhetim capa e espada confuso. A protagonista era uma moça pobre que descobria ser filha do czar russo e se refugiava em uma ilha vulcânica. A novela naufragou. A Globo, então com dois anos, chamou Janete Clair para assumir o texto. Ela promoveu um terremoto na ilha, deixando apenas sete atores

Um terremoto para eliminar a maior parte dos personagens de uma novela. Essa foi a solução radical encontrada pela autora Janete Clair (1925-1983) quando a novela Anastácia - A Mulher Sem Destino, em 1967, confundia o público da Globo e naufragava nos índices de audiência.

A produção estreou na emissora, que tinha apenas dois anos de existência, em 28 de junho daquele ano. Era a época das novelas de capa e escapa, com histórias rocambolescas, supervisionadas por Glória Magadan (1920-2001).

Escrita pelo ator Emiliano Queiróz, o eterno Dirceu Borboleta de O Bem Amado (1973), Anastácia era baseada no folhetim francês A Touti Negra do Moinho.

Tente não dormir: a história se passava na Rússia após o fim do czarismo. Anastácia, vivida por Leila Diniz (1945-1972), era uma moça pobre que ignorava quem era seu pai. Posteriormente, descobriu que era a filha caçula do último czar russo, Nicolau 2°. A trama era ambientada em uma ilha vulcânica das Antilhas, onde Anastácia se refugiava após a descoberta de seu passado, escondendo sua identidade.

O público não entendeu o enredo, confuso e longe da realidade brasileira, o que era comum nas atrações daquela época. Além disso, existiam muitos personagens, o que dificultava o desenvolvimento da história.

Cena de Anastácia; ao centro, a jovem Marieta Severo, que hoje interpreta a Nenê de A Grande Família

Cabide de empregos

A jornalista Rose Esquenazi fez uma reportagem sobre os acontecimentos da novela no Jornal do Brasil de 16 de julho de 1994. “No capa e espada de Emiliano iam entrando todos os amigos desempregados e conhecidos que pediam uma forcinha. Só que, com tanta gente na trama, o autor acabou se confundindo e ninguém, muito menos o público, conseguiu entender a história”, relatou.

Com os baixos índices de audiência e muitas reclamações por meio de telefonemas e cartas, a emissora teve que tomar uma atitude: afastou Queiróz e chamou Janete Clair para dar um jeito. Já reconhecida naquela época, escrevia novelas para as rádios Nacional e Tupi.

A autora, em seu primeiro trabalho na Globo, criou um terremoto na ilha em que Anastásia se refugiava, eliminando mais de cem personagens de uma só vez.

Em entrevista ao Jornal do Brasil, o dramaturgo Dias Gomes (1922-1999), que era casado com Janete Clair, disse que eles leram juntos os 50 primeiros capítulos e ficaram pensando no que iam fazer. “Brincando, dissemos que precisávamos colocar uma bomba para acabar com aquela gente. Como a trama se passava numa ilha, achamos que um terremoto seria mais adequado”, comentou.

A partir daí, a história de um salto de 20 anos, recomeçando com apenas sete personagens, entre eles Ênio Santos (1922-2002), Miriam Pires (1926-2004), Henrique Martins e Leila Diniz, que, além de Anastácia, acumulou o papel de filha da protagonista. A audiência subiu, a novela terminou no dia 16 de dezembro de 1967 e Janete Clair ganhou a confiança dos diretores da emissora, sendo contratada em definitivo. Virou um dos grandes nomes da teledramaturgia nacional.

Anúncio pela estreia de Anastácia publicado no jornal O Globo imita estética de fotonovela

Explosão de shopping em 1998

Em 1998, Silvio de Abreu usou tática similar em Torre de Babel, também na Globo. A novela, que estreou dia 25 de maio daquele ano, não foi bem aceita pelo público.

O autor agiu rápido. Já prevista na sinopse, a explosão do shopping center onde se passava boa parte da trama foi utilizada para eliminar alguns personagens não aceitos pelo público, como o dependente químico Guilherme (Marcello Antony) e o casal de homossexuais Rafaela (Christiane Torloni) e Leila (Silvia Pfeifer). Agenor (Juca de Oliveira) também foi dado como morto, mas voltou no fim da trama.

A partir daí, com história mais leve e focada no humor e romantismo, Torre de Babel engrenou e terminou como mais um sucesso.


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Você vai acompanhar Salve-se Quem Puder?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook