Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

POLÍCIA ACOMPANHA

Começa greve dos profissionais da RedeTV! por aumento salarial; veja fotos

FOTOS: ARQUIVO PESSOAL

Imagem de faixa da greve dos funcionários da RedeTV!

Funcionários da RedeTV! entram em greve e protestam em frente à sede da emissora

REDAÇÃO

redacao@noticiasdatv.com

Publicado em 31/8/2021 - 9h22
Atualizado em 31/8/2021 - 9h59

Começou na madrugada desta terça-feira (31) a greve por aumento salarial dos profissionais da RedeTV!. Os radialistas colocaram cartazes anunciando a paralisação em frente à sede da emissora, em São Paulo. Eles aprovaram o movimento após uma assembleia realizada na tarde de segunda-feira (30) no no Sertesp (Sindicato dos trabalhadores em Empresas de Radiodifusão e Televisão no Estado de São Paulo).

Além de colocarem as faixas, os funcionários que aderiram à greve iniciaram o piquete mesmo com baixo quórum para tentar convencer os indecisos de seus direitos trabalhistas, esclarecendo que o movimento tem função legal. Segundo eles, já são quatro anos sem reajuste nos salários.

Viaturas da Polícia Militar também acompanham o movimento dos profissionais, segundo informações de fontes do Notícias da TV. A greve começou à 0h. Os profissionais reclamam da falta de aumento salarial real e dos baixos salários pagos pela empresa.

Segundo os radialistas, das emissoras de São Paulo, a de Marcello de Carvalho foi a única que não deu aos funcionários antecipação ou PLR, além de ter utilizado as medidas provisórias do governo durante a pandemia da Covid-19 para reduzir os salários que já estavam muito abaixo da inflação.

A RedeTV! ofereceu 3,8% de aumento salarial para todas as categorias na tentativa de evitar a greve. No entanto, a proposta foi rejeitada, porque os profissionais alegam que a defasagem do salário é de 18,72% --o último dissídio aprovado foi para o triênio entre 2016 e 2018. 

A reportagem entrou em contato com a RedeTV! para pedir o posicionamento da emissora e saber como a grade de programação será afetada, mas não obteve retorno até a publicação deste texto.

Falta de aumento

Atualmente, a RedeTV! paga um salário base de R$ 1.612,88 para seus radialistas de funções básicas. O Sindicato afirma que os trabalhadores não recebem reajustes nas cláusulas econômicas desde 2017. Nem sequer o vale-refeição foi reajustado neste período.

Outra reclamação vem dos operadores de câmera. Quem trabalha nesta função na emissora de Amilcare Dallevo e Marcelo de Carvalho recebe um salário base de R$ 2 mil. Nas outras emissoras, a média é de R$ 3.200,00.

Ou seja, o salário pago é em média 62% menor que nas outras emissoras. Na RIT TV, por exemplo, uma empresa muito menor e com bem menos alcance, um operador de câmera inicia na empresa recebendo R$ 3,400.00.

Confira abaixo algumas imagens do piquete:

Policiais na frente da emissora

Carros da polícia na RedeTV!

Outro lado

Em sua conta no Twitter, Marcelo de Carvalho lamentou a existência dos sindicatos, que ele chamou de "herança de Getúlio Vargas [1882-1954]", e alegou que todos os salários estão em dia. Ele ainda citou demissões que aconteceram em outras emissoras durante a pandemia da Covid-19. 

"Ao contrário, a RedeTV! não demitiu ninguém, contratou. Mesmo nesse período que impactou fortemente o setor, estreamos muitos programas e formatos novos", escreveu ele, afirmando que a produção da emissora continua mesmo com a greve.

No entanto, a pandemia teve início em março de 2020 no Brasil. O período que os trabalhadores afirmam estar sem aumento salarial corre desde 2016.

Veja as postagens:


Leia também

Enquete

Você gostou da escolha de Tadeu Schmidt para o BBB22?

Web Stories

+
Após derrota em eleição, Victor Pecoraro perde mais uma votação e deixa A Fazenda 13Deixaram saudade: Conheça cinco atores de O Clone que já morreramEsqueceram de Mim ganha novo filme no Disney+; veja como está o elenco originalTadeu Schmidt no BBB22: Conheça a carreira do apresentador na GloboRenascer no Globoplay: Saiba por onde anda o elenco da novela 28 anos depois

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas