Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

Reforma no ar

Para ficar 'atraente', Jornal Nacional quebra duas regras em uma semana

Reprodução/TV Globo

William Bonner e Maria Júlia Coutinho no JN de ontem: 'Ela prefere ser chamada de Maju', diz âncora - Reprodução/TV Globo

William Bonner e Maria Júlia Coutinho no JN de ontem: 'Ela prefere ser chamada de Maju', diz âncora

DANIEL CASTRO

Publicado em 15/5/2015 - 5h18

Mais tradicional telejornal brasileiro, o Jornal Nacional quebrou duas regras nesta semana. Na segunda (11), uma reportagem sobre desemprego usou um efeito de edição para acelerar a imagem. Até a semana passada, intervenções do gênero não eram permitidas, segundo jornalistas da casa _a Globo nega oficialmente (leia no final deste texto). Na terça, William Bonner "decretou" no ar que a nova moça do tempo, Maria Júlia Coutinho, pode ser chamada de Maju. Até a semana passada, apelidos eram rigorosamente proibidos. 

As mudanças visam tornar o JN mais "atraente" _uma pesquisa feita pela Globo no início do ano detectou que os telespectadores não se sentem mais atraídos pelo telejornal. Fazem parte do pacote de mudanças introduzidas em 27 de abril, quando o Jornal Nacional estreou novo cenário e se tornou mais informal, permitindo que seus âncoras caminhem pelo estúdio e conversem com repórteres e correspondentes em um telão que, com ajustes rápidos na iluminação, traz um efeito de telepresença. 

Nas emissoras da Globo em todo o Brasil, Maju e o uso do fast foward foram o assunto da semana. A liberação de apelidos é vista como um avanço. Até pouco tempo atrás, trechos de reportagens eram cortados em cima da hora porque, por um deslize, o profissional deixara escapar um "tá", no lugar de "está". A informalidade era vista como um elemento redutor da credibilidade. 

O recurso do avanço rápido (fast foward) foi utilizado em uma reportagem em que era pertinente. O repórer Phelipe Siani contou 162 pessoas em uma fila de desempregados em São Paulo. Para não deixar o material a coisa mais chata do mundo, as imagens e voz do jornalista foram acelerados.

Conversado, o texto de Siani foi apresentado a jornalistas da Globo em todo o país, em um seminário comandado por Bonner em abril, como exemplar do que o "novo" Jornal Nacional procura. Conhecido como "clone de Bonner", Siani virou modelo na emissora. Dez anos atrás, ele foi dispensado, após um longo estágio, porque era "solto" demais para gesso que a Globo impunha a seus profissonais.

Atualização às 18h03: A Globo, através de seu departamento de Comunicação, defende que não é correto afirmar que o JN tenha quebrado regra ao usar o recurso de avanço rápido em reportagem desta semana. Segundo a emissora, o fast foward já foi utilizado antes (o que jornalistas do telejornal, ouvidos pelo Notícias da TV, desconhecem). "O telejornal é atento às inovações e as incorpora com bom senso, há tempos, sempre que entende sua relevância na transmissão da notícia", diz a emissora.


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você achou do Disney+?