Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

Histórias dos famosos

Barraco no avião e cocô no jardim: Casos mais doidos do Que História É Essa, Porchat?

Fotos: Reprodução/GNT

O ator Miguel Falabella durante participação no programa Que História É Essa, Porchat?, do GNT

Miguel Falabella contou história sobre briga feia em aeroporto no Que História É Essa, Porchat?

FERNANDA LOPES

Publicado em 26/12/2019 - 5h03

O programa Que História É Essa, Porchat? foi uma das boas surpresas do ano na televisão. A atração tem uma premissa simples: receber convidados que contam histórias marcantes, inacreditáveis e bizarras, e tem sido bem-sucedida no GNT. Os famosos que vão ao programa se sentem confortáveis para contar casos totalmente malucos e íntimos que já viveram e que nunca haviam revelado em outras entrevistas.

O ator Kiko Mascarenhas, por exemplo, divertiu a plateia ao lembrar do dia em que teve um piriri tão forte que for obrigado a pedir para usar o banheiro na casa de uma estranha, mas acabou fazendo suas necessidades no jardim da pessoa.

Já Miguel Falabella se envolveu numa briga que começou com gritos num avião, passou por socos e lixeira arremessada em um aeroporto e terminou com mais de 30 pessoas na delegacia.

Relembre cinco histórias que famosos contaram no Que História É Essa, Porchat?:

Miguel Falabella mostrando como segurou uma mulher durante uma briga no aeroporto


Miguel Falabella: Barraco no aeroporto

Miguel Falabella contou a história de um domingo que ele achava que seria tranquilo, mas terminou na delegacia. O ator e diretor foi receber no aeroporto os atores e a equipe de uma peça que havia montado e havia sido premiada. A companhia voltava de uma temporada internacional, e no avião o imbróglio começou quando o administrador do espetáculo não colocou a protagonista na primeira classe (preferiu dar o lugar a seu namorado, um técnico da equipe). Ela ficou irada.

A atriz Stella Miranda fez um escândalo no avião, com gritos. Enquanto isso, Falabella esperava a equipe no aeroporto. Stella chegou gritando "viados!" no desembarque, e a mãe do técnico deu um soco que tirou sangue da atriz. Falabella segurou a mulher, mas o filho dela achou que a mãe estava sendo agredida e atirou uma lixeira no diretor.

O elenco avançou no agressor da lixeira. "Virou uma guerra campal, ninguém sabia quem estava batendo em quem", disse Falabella. Todos foram para a delegacia do aeroporto por causa da briga.

O ator Kiko Mascarenhas divertiu a plateia com sua história de uma dor de barriga terrível


Kiko Mascarenhas: Cocô no jardim

Kiko Mascarenhas passou um sufoco numa noite de verão em 1989. Ele foi chamado para ir à inauguração de uma boate gay em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, e na frente do local comeu um cachorro-quente completo. O lanche não caiu bem, e pouco tempo depois ele começou a passar mal. O ator se embrenhou dentro da balada lotada, até descobrir que o local foi inaugurado sem banheiro.

Desesperado, ele encontrou a casa de uma senhorinha e pediu para usar o banheiro. A mulher abriu a porta, mas não indicou bem onde era o banheiro. Mascarenhas viu um vaso sanitário no jardim e achou que era ali mesmo. Ele começou a fazer o número 2 enquanto as outras pessoas na casa o olhavam, horrorizadas.

Só depois de terminar é que ele foi avisado de que o vaso era apenas decorativo. Envergonhado, ele pediu uma colher para recolher seus resíduos. 

Lucio Mauro Filho passou perrengue e correu perigo ao tentar achar pinguins na Patagônia


Lucio Mauro Filho: Aventura na Patagônia

Lucio Mauro Filho foi para a região da Patagônia, na Argentina, com a mulher e os filhos, que estavam loucos para verem pinguins. Mas ele encontrou mesmo foram algumas preocupações. Após dirigir durante cinco horas até um parque nacional, o ator descobriu que o local estava fechado. A funcionária do parque indicou uma trilha, mas eles deveriam ir sem guias, em meio à neve.

Durante a trilha, havia placas ensinando a se defender de pumas, além de carcaças de pinguins. Lucio e a família se perderam da trilha. Até que apareceu um pinguim no meio do cenário desértico. O ator avistou e ouviu o barulho de outros pinguins, e ele e a família foram atrás. "Eles levaram a gente para a trilha, e a gente chegou na beira de um penhasco. O barulho era ensurdecedor, de 60 mil pinguins", contou.

Mateus Solano passou vergonha ao cair nu no palco, durante a exibição de uma peça infantil


Mateus Solano: Nu em peça infantil

Mateus Solano pagou um grande mico quando fazia curso de teatro no Rio de Janeiro e encenava uma peça infantil. A história era O Alfaiate do Rei, em que um alfaiate inventa que fará uma roupa para o rei que só as pessoas inteligentes poderiam enxergar. Mas, na verdade, o rei passa o tempo todo nu, e seus súditos não falam nada para não parecerem burros. 

Solano interpretava o rei, e na cena final ele aparecia numa charrete e uma criança dedurava sua nudez. O rei saía de cena, e a plateia via seu bumbum durante alguns segundos. O problema é que a charrete em que ele estava tombou, e o ator caiu nu no palco. "Eu saí feito uma lagartixa. Um horror", contou, envergonhado.

João Vicente de Castro contou um caso de ciúme de Cleo num hospital em Paris, França


João Vicente: Sangue e barraco em Paris

João Vicente de Castro teve de lidar com um acidente doméstico e o ciúme da então namorada, Cleo (ex-Pires), numa viagem a Paris. Ele foi à capital francesa para conhecer a família dela, que estava morando lá na época. Mas o ator fez um corte profundo na mão com uma faca durante o jantar e precisou ir ao hospital. Na espera por atendimento, Cleo deu um show de ciúme.

Enquanto os dois estavam na recepção, um grupo de mulheres entrou no local, e uma delas começou a paquerar Castro. Cleo começou a xingar a francesa em português, até que a briga ficou mais séria. "Sei que ela [a francesa] levantou para ir ao banheiro, parou bem perto de mim e piscou, sorrido. Quando ela fez isso, a Cleo levantou com tudo, gritando 'Sua piranha'", revelou Vicente, chocando a todos.

O ator teve que agarrar Cleo para ela não bater na mulher e também gritou de dor, já que estava com a mão cortada. "Eu só sei que eu segurei ela no ar, porque ela veio como um gato guerreiro", lembrou.

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Quem deve ser a nova Juma Marruá?