REFORÇO DO JORNALISMO

Após dez anos, Débora Vilalba volta para a Record e troca estúdio pela rua

REPRODUÇÃO/REDETV!

Débora Vilalba durante sua passagem pela RedeTV!, onde apresentou a Super Faixa do Esporte - REPRODUÇÃO/REDETV!

Débora Vilalba durante sua passagem pela RedeTV!, onde apresentou a Super Faixa do Esporte

LUCIANO GUARALDO - Publicado em 01/08/2019, às 04h51

Exatamente dez anos depois de deixar a Record, Débora Vilalba está de volta à emissora. A jornalista será um dos reforços do Domingo Espetacular, e estreia já na próxima edição da revista eletrônica dominical. Se na passagem anterior ela apresentou o Terceiro Tempo ao lado de Milton Neves, agora sairá às ruas para fazer reportagens.

"É curioso porque muita gente se lembra da Débora apresentadora, que foi onde eu comecei na TV [à frente do Q Saúde, do canal pago SporTV]. Eu só fui descobrir meu lado repórter quando fui para A Liga [da Band]", conta ela ao Notícias da TV.

Foi o programa da Band, inclusive, que motivou Débora a abrir mão de seu contrato com a Record há uma década. "Na época, muita gente disse que eu estava louca. Era um risco, ninguém sabia se o programa ia funcionar ou não. Mas eu queria esse desafio de estar envolvida desde o início de um projeto e arrisquei", lembra.

A experiência ao lado de nomes como Thaíde e Rafinha Bastos foi tão proveitosa que Débora quer fazer mais reportagens com essa pegada em seu retorno à Record. Ou seja, nada de voltar às notícias esportivas --mesmo com a cobertura dos Pan-Americanos a todo vapor. Notícias diárias, também, nem pensar.

"O que me atraiu no convite foi a oportunidade de continuar fora do Esporte, que eu gosto muito, mas queria fazer uma coisa legal, diferente. E a minha ideia também nunca foi fazer [jornalismo] diário, hard news, nunca tive vontade. Quero algo que me dê mais tempo para pensar, reportagens especiais, encontrar bons personagens e entregar um bom conteúdo", define a profissional de 43 anos.

Ódio na internet

Em sua estreia no Domingo Espetacular, Débora Vilalba mergulhará no universo do ódio na internet. Falará com influenciadores que sofreram campanhas de ódio, como Carol Magalhães e Marcela Tavares, e com um psicólogo que tenta explicar a motivação de quem realiza os ataques. No fim, ela confrontará dois haters.

"Quando você está em rede social, não tem muito como escapar [do ódio]. Ainda mais com jornalistas. Se você nunca foi alvo, é porque não está usando a internet direito", brinca ela, que muda o tom na sequência. "As pessoas estão brigando demais na web. Elas se apoiam na liberdade de expressão para disseminar ódio, e não entendem que na verdade podem estar cometendo crimes."

A jornalista conta que sua volta à Record foi um caminho natural, pois saiu da emissora há uma década com as portas abertas. "Tudo mudou mas, ao mesmo tempo, nada mudou, sabe? (risos) Reencontrei muita gente que está aqui ainda."

Como o Domingo Espetacular está passando por uma série de mudanças, após a saída de Janine Borba e o afastamento de Paulo Henrique Amorim (1943-2019), é natural que uma jornalista que tem experiência como apresentadora seja cogitada para ocupar um lugar fixo no estúdio do programa. Débora desconversa.

"Prefiro dar um passo de cada vez. Estou conhecendo a equipe, muita coisa vai mudando. Nessa estreia a gente ainda está tateando, buscando o que funciona ou não, testando os formatos das reportagens. Vamos ver como vai ser."

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Que jornalista está fazendo o melhor trabalho durante a pandemia?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook