Top five do consumidor

Vai comprar uma TV nova para a Copa? HD ou 3D? Tire suas dúvidas

Reprodução

Consumidor observa televisores em loja; clientes devem tirar dúvidas com os lojistas antes de comprar - Reprodução

Consumidor observa televisores em loja; clientes devem tirar dúvidas com os lojistas antes de comprar

EDUARDO BONJOCH - Publicado em 26/04/2014, às 09h47 - Atualizado em 27/04/2014, às 07h02

Quanto mais perto da Copa do Mundo, que começa em 12 de junho, maior a procura por novos televisores nas lojas de todo o país. O Notícias da TV visitou quatro grandes lojas em São Paulo e perguntou aos vendedores quais são as dúvidas mais comuns de quem quer trocar de televisor. Em geral, as dúvidas mudam pouco de uma loja para outra. A seguir, as cinco questões mais frequentes:

1. Qual a diferença entre os televisores com resolução HD e full HD?

Hoje, a maioria das TVs de tela fina à venda nas lojas oferece resolução full HD (1.920 por 1.080 pixels). Essa definição é suficiente para ver as imagens em alta definição dos programas de TV (aberta e paga), serviços de locação virtual (como Netflix), games e discos DVD ou Blu-ray preservando sua máxima qualidade e nitidez.

A opção pela resolução HD (ou HD ready, com 1.366 por 768 pixels) só está presente nas TVs de tela menor, quase sempre de até 32 polegadas. Nesse caso, os preços caem (a diferença pode ultrapassar os R$ 500 para telas de mesmo tamanho), mas o televisor não consegue se sair tão bem na hora de exibir imagens. As limitações do painel podem provocar perda de definição e indesejáveis quadriculamentos da tela, dependendo do conteúdo.

2. O que vale mais a pena: TV 3D ou com acesso à internet?

O recurso 3D, que só funciona com o uso de óculos e carece de conteúdo, não vingou. Por isso, todos os modelos compatíveis com essa tecnologia possuem algum tipo de integração com a internet, que hoje é o recurso mais procurado pelo consumidor. O mais legal desses modelos está na possibilidade de ver vídeos do YouTube e conectar-se a locadoras virtuais, como o Netflix, sem precisar de equipamentos adicionais.

Com um plano de internet banda larga com 1 Mbps ou 2 Mbps, já dá para acessar conteúdos em definição standard (semelhante a do DVD) sem travamentos ou engasgos. Para conteúdo HD, a dica é contratar um plano de, pelo menos, 4 Mbps.

3. Existe alguma regra que ajude a escolher o tamanho da TV a partir da distância em relação ao sofá?

Não existem fórmulas matemáticas para o cálculo das distâncias ideais entre a TV e o espectador. A solução é recorrer ao bom senso e aos testes práticos. Para começar, quanto mais alta a resolução do aparelho, menor poderá ser a distância sem comprometer a qualidade da imagem.

Outra regra que costuma funcionar é multiplicar a largura da área visível da tela (sem a moldura) por três. O resultado será a distância aproximada que se deve manter para garantir um bom envolvimento na visualização de conteúdo em alta definição. Para uma TV full HD de 32 polegadas, por exemplo, considere uma distância média de 2 metros entre a tela e o sofá, ou de 2 metros e meio a 3 metros para modelos de 40 a 42 polegadas.

Graças à resolução quatro vezes superior à full HD, as novas (e mais caras) TVs 4K permitem que o sofá fique bem mais perto da tela (mesmo com 55 polegadas) sem que o espectador possa enxergar os “quadradinhos” de formação da imagem (pixels). Mas ainda não há conteúdo de TV para esses televisores.

4. Por que as TVs de plasma custam bem menos do que as de tecnologia LED de mesmo tamanho?

As TVs de plasma foram pioneiras no segmento de telas finas, mas estão se despedindo do mercado. Por isso, os modelos à venda nas lojas são mais antigos e não acompanham mais as inovações e recursos das novas TVs de LED, que são a grande aposta dos fabricantes.

Mesmo assim, se o consumidor quer gastar pouco (há modelos de 50 polegadas sendo vendidos por menos de R$ 2.000) e vê muitos filmes, as TVs de plasma podem surpreender no contraste, que é seu maior trunfo. Essas telas se destacam na reprodução de sequências com imagens escuras (preservando até os tons mais pretos com fidelidade) e com muito movimento.

5. Como a taxa de atualização (ou frequência) interfere na qualidade da imagem?

Durante muito tempo, todas as TVs apresentavam a mesma taxa de atualização da imagem, com 60Hz. Hoje, não é mais assim. Quanto mais vezes for feita a leitura de cada quadro da imagem, melhor será a nitidez, principalmente nas imagens em movimento. Na prática, dá para notar claramente que as transições de cenas (ou movimentações das câmeras em coberturas esportivas) nos televisores com taxa de atualização de 120 Hz, 240 Hz e 600 Hz (plasmas) são bem mais suaves e naturais do que nos modelos de 60 Hz.

LEIA TAMBÉM:

Silvio Santos paga multa de R$ 1 milhão e toma Cirilo da Record

Humorístico da Globo dá menos audiência do que A Praça É Nossa

Megaprodução, cena de Em Família vai lembrar acidente no Itaquerão

Nunca revele seu lado homem, diz Silvio Santos a Mamma Bruschetta

Para levantar ibope, Globo mostra Bruna Marquezine quase nua

Novo Aprendiz demite 'quase ao vivo' e provoca correria na Record


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Quem é o personagem mais trouxa da TV?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook