FIM DA LINHA?

Fusão da Disney com a Fox coloca em risco sobrevivência de Os Simpsons

Divulgação/Fox

Maggie, Homer, Lisa, Marge e Bart em cena de Os Simpsons: animação está com os dias contados - Divulgação/Fox

Maggie, Homer, Lisa, Marge e Bart em cena de Os Simpsons: animação está com os dias contados

LUCIANO GUARALDO - Publicado em 22/01/2019, às 15h53

Série de ficção mais duradoura da TV americana, a animação Os Simpsons pode estar com os dias contados. A fusão da Disney com a Fox ameaça a sobrevivência da família amarela, que atualmente exibe sua 30ª temporada. Segundo a revista Variety, o desenho não deve passar da 32ª temporada, o que o manteria no ar até 2021.

O principal obstáculo para que Os Simpsons tenha uma vida (ainda mais) longa é que, atualmente, a rede Fox está perdendo dinheiro com o desenho. Ela paga caro por cada episódio e não recupera esse valor com propagandas. Porém, como a animação é produzida pelo estúdio 20th Century Fox, o prejuízo da TV é recompensado com a venda de DVDs e os direitos de reprise em outros canais.

Tudo isso mudará quando a Disney oficializar a aquisição de parte do conglomerado do empresário Rupert Murdoch. O estúdio 20th Century Fox passará para a empresa do Mickey Mouse, mas a rede Fox continuará com os antigos donos. Assim, não será mais interessante para a emissora jogar dinheiro fora sem nenhum retorno.

A Variety informa que a Fox e a 20th Century Fox estão próximas de acertar um acordo para a produção da 31ª e da 32ª temporada, no qual a rede pagaria um valor menor por cada episódio do que aquele investido no contrato atual. A diminuição na quantia já indica uma mudança significativa nas finanças da animação.

Mas o problema é que, quanto mais tempo uma série fica no ar, mais cara ela se torna, pois acordos com elenco e equipe precisam ser renegociados. Atualmente, cada um dos seis dubladores principais da série recebe US$ 300 mil (R$ 1,1 milhão) por episódio. É um valor dez vezes maior do que eles ganhavam no primeiro ano.

Em 2017, a animação precisou abrir mão do compositor Alf Clausen, que fazia as músicas de Os Simpsons desde 1990, por motivos financeiros. Em seu lugar, foram contratados dois nomes mais baratos: Hans Zimmer (ganhador do Oscar por O Rei Leão) e Russel Emanuel, que trabalham sob a produção de Steve Kofsky.

Outro obstáculo para a sobrevivência de Os Simpsons é que os acordos de reprise da série para emissoras afiliadas, TV a cabo e plataformas de streaming são válidos enquanto a animação estiver produzindo novos episódios --e pelos mesmos valores com que foram fechados no passado. Ou seja, cancelar a série daria para a Disney a oportunidade de renegociar um produto disputado a tapa por novos distribuidores.

Em 2013, por exemplo, a 20th Century Fox fechou com o canal pago FX um acordo de US$ 750 milhões (R$ 2,8 bilhões) pelos direitos de exibição da animação na TV paga. Especialistas ouvidos pela Variety apontam que esse valor seria trocado perto do que a empresa do Mickey poderia ganhar em novos contratos.

Dinheiro sempre fala mais alto, especialmente para a Disney, que precisará de muitos reforços no cofrinho para fazer valer o investimento de US$ 71,3 bilhões (R$ 269,6 bilhões) na aquisição de boa parte da Fox. A morte da família amarela seria apenas um dano colateral na busca por um saldo positivo.

Tudo sobre

Disney Fox Os Simpsons

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Que jornalista está fazendo o melhor trabalho durante a pandemia?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook