Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

NA HBO

Engomados e drogados: Industry exibe vida louca de jovens no mercado de trabalho

DIVULGAÇÃO/HBO

Cinco atores caracterizados com roupas sociais, em foto de divulgação da série Industry, da HBO, com prédios espelhados ao fundo

O elenco principal de Industry, série da HBO que retrata trajetórias de jovens no mercado financeiro

FERNANDA LOPES

fernanda@noticiasdatv.com

Publicado em 18/12/2020 - 6h45

Jovens com cabelos arrumados, trajes sociais de caimento perfeito e com empregos em um renomado banco. Estes são os "cartões de visita" dos protagonistas de Industry, mas a seriedade fica apenas na aparência. A atração da HBO, que estreou em novembro e já foi renovada para uma segunda temporada, retrata como recém-chegados ao mercado financeiro levam uma vida louca, cheia de drogas, abusos no trabalho e crises de estresse.

A atração foi criada por Mickey Down e Konrad Kay, que trabalharam em grandes bancos e retrataram parte de suas experiências como funcionários de operações monetárias nas tramas dos personagens principais: cinco jovens de diferentes origens que são selecionados para um programa de trainee numa instituição financeira em Londres.

Cada um deles lida com questões diferentes, relacionadas às áreas em que trabalham e a suas características pessoais. Yasmin (Marisa Abela) é uma jovem bonita e de família rica, mas isso não lhe traz benefícios na área de câmbio do banco. O superior dela comete assédio moral e bullying com frequência, e a equipe a obriga a ir comprar os almoços de todos diariamente.

Já Harper (Myha'la Herrold) tem mais apoio e cumplicidade com seu chefe, mas as relações com os colegas e clientes estão sempre na corda bamba, com puxadas de tapete e casos que ultrapassam os limites da empresa. A personagem, que é imigrante, ainda tem segredos de seu passado obscuro, que tenta esconder a qualquer custo.

Também se destaca Robert (Harry Lawtey), formado na área de artes e que surpreendentemente consegue o emprego no banco. Ele tem de lidar com um chefe enigmático e com um flerte altamente sexual com Yasmin (que já tem namorado).

Os três e outros colegas da empresa frequentemente recorrem a drogas para suportarem o ambiente de alta pressão --há várias cenas de uso de cocaína, a qualquer hora do dia. Logo no primeiro episódio, um caso de abuso de drogas choca a todos e influencia fortemente na cultura da empresa.

A princípio, Industry parece contar histórias muito distantes do público brasileiro, com expressões nichadas do mercado financeiro e problemas de primeiro mundo de homens e mulheres engomadinhos demais.

Mas as tramas de jovens que passam por entrevistas de empregos e diversas provações para tentarem se firmar numa empresa e galgar seus postos ao sucesso aproxima as narrativas de uma realidade mais global --assim como as dificuldades envolvendo gênero, raça e classe e as desventuras de sexo, festas, fofocas e choros desesperados no banheiro do trabalho.

Industry tem oito episódios na primeira temporada, que foram dirigidos por Lena Dunham (de Girls), Tinge Krishnan, Mary Nighy e Ed Lilly. Além de criadores, Mickey Down e Konrad Kay também são os produtores executivos e roteiristas. A segunda temporada está confirmada, mas ainda sem data definida para estrear. 

A primeira temporada já está disponível na íntegra no HBO Go, e o último episódio tem previsão de estreia na programação da HBO na TV na próxima segunda-feira (21).


Leia também

Enquete

Você gostou da escolha de Tadeu Schmidt para o BBB22?

Web Stories

+
Após derrota em eleição, Victor Pecoraro perde mais uma votação e deixa A Fazenda 13Deixaram saudade: Conheça cinco atores de O Clone que já morreramEsqueceram de Mim ganha novo filme no Disney+; veja como está o elenco originalTadeu Schmidt no BBB22: Conheça a carreira do apresentador na GloboRenascer no Globoplay: Saiba por onde anda o elenco da novela 28 anos depois

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas