Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

Balanço

De 24 Horas a filhote de Blacklist: TV dos EUA coleciona fiascos em 2017

Reprodução/Fox/NBC

Os atores Corey Hawkins em 24 Horas: O Legado (à esq.) e Ryan Eggold em filhote de Blacklist - Reprodução/Fox/NBC

Os atores Corey Hawkins em 24 Horas: O Legado (à esq.) e Ryan Eggold em filhote de Blacklist

JOÃO DA PAZ

Publicado em 22/3/2017 - 5h19

O ano de 2017 começou mal para as séries na TV aberta norte-americana. Das 16 atrações lançadas desde janeiro, nenhuma vingou, ao contrário do que aconteceu nos dois últimos anos, com Shades of Blue em 2016 e Empire e American Crime em 2015.

Neste ano, 24 Horas: O Legado era a maior das apostas, mas fracassou. The Blacklist: Redemption, derivada de The Blacklist, e Doubt, estrelada por uma atriz de Orange Is the New Black, também decepcionam.

Confira cinco fracassos estrondosos da TV aberta americana (a TV paga está fora disso):

divulgação/fox

Novo 24 Horas, com Corey Hawkins, não trouxe inovação; Fox admitiu fracasso

24 Horas: O Legado
O legado de 24 Horas foi manchado pelo spinoff lançado neste ano. Sem o lendário Jack Bauer (Kiefer Sutherland), a Fox apostou na revelação Corey Hawkins, do filme Straight Outta Compton (2015), como protagonista da nova atração. Não deu certo.

Apesar de ter sido lançada após o Super Bowl, o maior evento da TV norte-americana, a série não conseguiu um número de audiência sequer razoável: perdeu 13,7 milhões de telespectadores da estreia até o sétimo episódio. A média de público, 6,44 milhões de telespectadores, é menor do que a da série estrelada por Sutherland atualmente, Designated Survivor, na qual ele vive o presidente dos Estados Unidos. No Brasil, 24 Horas: O Legado vai ao ar toda quinta-feira, na Fox.

divulgação/nbc

A atriz holandesa Famke Janssen saiu de Blacklist para ser protagonista em série derivada

The Blacklist: Redemption
Um dos grandes sucessos da TV aberta dos últimos cincos anos é The Blacklist (Lista Negra na Globo), estrelada por James Spader. A rede NBC resolveu pegar carona nesse estrondoso hit e lançou no mês passado uma série derivada, chamada The Blacklist: Redemption.

A audiência nada se compara ao que a série-mãe conseguiu no primeiro ano: 4,2 milhões de telespectadores por episódio, contra 14,9 milhões da original, que foi quarta mais assistida nos EUA na temporada 2013-2014). The Blacklist: Redemption estreia no Brasil próximo dia 13, no AXN.

divulgação/cbs

A dupla de peso Katherine Heigl e Laverne Cox não foi suficiente para Doubt permanecer no ar

Doubt
A aposta da CBS neste início de ano era Doubt, com uma dupla de peso: Katherine Heigl (ex-Grey's Anatomy) e a transexual Laverne Cox (Orange Is the New Black).

Com audiência abaixo do esperado e a crítica caindo matando, a série foi um fracasso tão colossal que sequer passou do segundo episódio, algo raríssimo nos dias de hoje. As redes norte-americanas preferem ao menos terminar uma temporada mais curta, caso a atração não emplaque, em vez de anunciar seu cancelamento repentino.

O fiasco foi pior para Katherine, que já vinha da mal-sucedida State of Affairs (2014-2015), cancelada após a primeira temporada.

divulgação/cbs

Justin Cornwell (à esq.) e Bill Paxton em Training Day; baixa audência fez a série ser "punida"

Training Day
Diferentemente de Doubt, Training Day ganhou uma sobrevida da CBS. A rede norte-americana jogou a atração para sábado, dia morto no horário nobre, depois de a série registrar uma audiência pífia nos seis primeiros episódios. Continuação do filme Dia de Treinamento (2001), a produção engrossa a lista de séries mal-sucedidas que tiveram como base produções cinematográficas: Hora do Rush (1998), Minority Report (2002) e Sem Limites (2011) são os exemplos mais recentes.

divulgação/abc

Freddie Stroma (ex-Unreal) e Josh Bowman (ex-Revenge) estão na pífia série Time After Time

Time After Time
Time After Time, ao contrário da música de Cindy Lauper nos anos 1980, não caiu no gosto do público norte-americano. A série é mais uma entre tantas da nova safra que adotou uma viagem no tempo como enredo. Um escritor intelectual britânico do século 19 inventou uma máquina para viajar no tempo, utilizada por um serial killer para aterrissar em 2017.

Com nomes conhecidos dos fãs de séries, Freddie Stroma (Unreal) e Josh Bowman (Revenge), o drama da rede ABC não passou dos 2,5 milhões de telespectadores nos três episódios já exibidos.

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Quem deve ser a nova Juma Marruá?