Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

2ª TEMPORADA

Cenas cortadas? Entenda o papel de Klara Castanho em Bom Dia, Verônica

REPRODUÇÃO/NETFLIX

Imagem de Klara Castanho em cena da 2ª temporada de Bom Dia, Verônica

Klara Castanho em cena de Bom Dia, Verônica; atriz tem papel fundamental na 2ª temporada

PAOLA ZANON

paola@noticiasdatv.com

Publicado em 4/8/2022 - 6h30

Klara Castanho tem papel fundamental na segunda temporada de Bom Dia, Verônica, que estreou nesta quarta-feira (3) na Netflix. A atriz interpreta Ângela, uma adolescente que sofre abuso sexual e psicológico do próprio pai, Matias Carneiro (Reynaldo Gianecchini), e se torna a principal chave para derrotá-lo.

Fontes do Notícias da TV, no entanto, afirmaram que a Netflix redobrou os cuidados com as cenas sensíveis envolvendo Klara após a revelação dela de que foi vítima de um estupro na vida real. A plataforma, por sua vez, nega as edições e diz que manteve todas as cenas, que já estavam editadas.

[Atenção: Contém spoilers da segunda temporada de Bom Dia, Verônica abaixo]

Matias é um chefe de máfia que atua nos piores crimes imagináveis: corrupção dentro da polícia, abuso sexual, estupro, incesto e tráfico humano. Para se esconder, o vilão cria uma igreja de fachada e se atribui poder de revelar "caminho, verdade e cura", usando o último "dom" como desculpa para os crimes, sobretudo os de cunho sexual.

Além das fiéis que acreditam cegamente que Carneiro pode curá-las quando nem mesmo a medicina consegue mais ajudar, o criminoso abusa também da filha Ângela, de apenas 16 anos.

Ao acreditar que o assédio é algo normal na relação entre pai e filha, a adolescente, rejeitada pela mãe, Gisele (Camila Márdila), cria um vínculo forte e submisso com o patriarca, que disfarça seu controle sobre ela com gestos e palavras carinhosas.

Após ver outras mulheres nuas e abaladas em sua casa, no entanto, a personagem começa a desconfiar que algo está errado. As suspeitas aumentam com os alertas --por vezes até invasivos-- de Verônica (Tainá Müller), que enxerga nela a oportunidade de derrubar Matias.

Ângela se torna aliada da escrivã e a ajuda a se infiltrar na casa do pai, além de facilitar o acesso da policial ao escritório e cômodos "proibidos" da casa. Ela trabalha em equipe também com a delegada Glória (Ester Dias), que segue os rastros do falso pastor há anos.

Ao ver o pai ser investigado oficialmente e exposto na mídia nacional, a adolescente recua e se afasta de Verônica, voltando à cegueira de antes. Ela só acorda de vez quando a melhor amiga, Carol (Liza Del Dala), torna-se vítima do esquema de tráfico humano do pai e, posteriormente, entra na mira dos abusos sexuais.

Ângela ataca o vilão e foge com Carol para a casa de Verônica. Lá, ela é acolhida e decide gravar um vídeo para denunciar Matias e confirmar todas as acusações das quais ele tenta se livrar. No meio da gravação, no entanto, ela é raptada pelos seguranças do pai, que a levam de volta para casa.

Ao chegar, ela nota a ausência da mãe e é chantageada pelo pai, que só diria a verdade se ela declarasse a boa índole dele em uma reportagem na televisão. Após fazer isso, no entanto, Matias não revela o paradeiro de Gisele. Em vez disso, entrega os planos sombrios: Ângela, a partir daquele momento, passaria a ser sua mulher.

Coagida e com medo, a adolescente volta a frequentar a falsa igreja ao lado do pai/marido. Somente quando vê a mãe entrar no local, ela cria coragem e denuncia, no púlpito, os abusos sexuais. Gisele faz o mesmo e ainda choca com a revelação de que também é filha de Carneiro.

Entenda o caso

No fim de junho, Klara Castanho virou um dos assuntos mais comentados nas redes sociais após rumores de que ela teria engravidado e entregado o bebê para adoção. Diante da repercussão, a atriz de 21 anos se viu obrigada a contar a própria versão e revelou que foi vítima de um estupro.

A artista passou por uma série de violações: além do estupro, o sigilo da adoção foi quebrado, e ela precisou revelar publicamente detalhes de tudo o que sofreu. Segundo ela, a gestação foi descoberta apenas no oitavo mês, já que seu corpo não havia sofrido nenhuma modificação.

Entre a descoberta e o parto, segundo o relato, se passaram poucos dias. Assim, ela decidiu entregar o bebê à adoção e cumpriu todos os trâmites legais. Porém, relatou ter sido violentada --mais uma vez-- pelos profissionais da saúde que a atenderam: o médico a obrigou a escutar o coração do bebê, e uma enfermeira ameaçou que a história poderia vazar para a imprensa.

Klara desabafou sobre a dor de ter uma história tão traumática revelada sem seu consentimento: "Fui violentada por um homem e, agora, sou violentada por pessoas que me julgam. Ter que me pronunciar sobre um assunto tão íntimo e doloroso me faz ter que continuar vivendo essa angústia".

Cenas de abuso cortadas?

Quando o caso veio à tona, fontes da reportagem afirmaram que as cenas de abuso de Klara em Bom Dia, Verônica, seriam amenizadas. De fato, não há nenhuma sequência explícita de assédio sexual envolvendo a atriz além do beijo forçado no último capítulo.

Mas ao longo da trama, a aproximação intensa entre pai e filha é sugestiva e perturbadora. O vilão toca partes do corpo da adolescente, como barriga e joelhos, além de se deitar com ela e fazer constantes carícias no rosto. Ele também aparece nu na frente da filha em uma cena em que sai do banho.

Além disso, em uma sequência chocante, Ângela presencia o pai abusando sexualmente de uma das fiéis que o procura para ser curada --segundo ele, o ato, que ele trata com muita naturalidade, é parte do processo. A confirmação de que a personagem também sofreu abuso só acontece no último capítulo.

Confira abaixo o trailer da segunda temporada de Bom Dia, Verônica:


Leia também

Enquete

Qual o personagem mais chato de Pantanal?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.