NEGRA LI

Atriz se assusta com elenco branco de nova série do SBT: 'Não é normal'

GABRIEL CARDOSO/SBT

Negra Li no lançamento de Z4, no SBT, na quarta (18); atriz reclama da falta de negros na série - GABRIEL CARDOSO/SBT

Negra Li no lançamento de Z4, no SBT, na quarta (18); atriz reclama da falta de negros na série

GABRIEL PERLINE - Publicado em 19/07/2018, às 05h21 - Atualizado em 22/07/2018, às 07h33

Negra Li estava afastada da TV havia 11 anos e foi contratada pelo SBT e pela Disney para atuar na série Z4, que estreia nesta quarta (25). Ficou feliz pelo convite, mas se assustou ao chegar no set e perceber que era a única negra do elenco. "Estou amando, mas me sinto solitária. Você vê um elenco assim, todo branco. Não é normal."

"É que as pessoas estão acostumadas, está tão enraizado, que elas não percebem isso. E eu, por ser negra, eu fico tentando me ver em outras pessoas parecidas comigo. E eu tenho certeza que em casa, as crianças, os jovens também pensam a mesma coisa quando assistem a TV. Está faltando representatividade, é importante a gente se ver na TV", disse ao Notícias da TV.

Ela conta que sua percepção pela falta de negros na TV vem desde a infância. Fã de Xuxa Meneghel, ela sonhava ser paquita, mas nem chegou a tentar a sorte por nunca ter visto uma negra ao lado da rainha dos baixinhos.

"Eu lembro quando era criança e não via [negros na TV] e ficava desesperada. Queria ser paquita da Xuxa e era impossível para mim. Era o meu sonho de infância. Quando a Adriana Bombom surgiu, eu falei: 'Poxa, eu podia estar ali'. Sei como é importante a representatividade, e me sinto feliz de fazer esse papel em Z4 em uma série da Disney, que será exibida em muitos países", comentou.

Em Z4, Negra interpreta a costureira Fátima, uma mulher que foi abandonada pelo marido e criou sozinha, e com poucas condições, seus dois filhos, Jéssica (Vivi Santos) e Paulo (Gabriel Santana), integrante da boyband que protagoniza a série.

"Meus filhos, na série, têm a pele morena, um tom mais claro que o meu. Eu me sinto solitária em muitos trabalhos, mas é importantíssimo que eu aceite fazer, independentemente de ser um estereótipo, uma família desestruturada, pobre, e isso também é cansativo. É difícil.", desabafa.

"Sei que as pessoas estão acostumadas a ver negros nesses papéis da vida real. Mas não é só isso. A gente poderia ajudar as pessoas a enxergarem diferente. Se a TV é uma vitrine, ela pode mudar esse conceito e mostrar que não estamos somente nas cadeias, nas favelas, e que estamos em outras posições. Quem sabe um dia eu não pego um papel de uma pessoa qualquer, não de uma negra", disse, aos risos.

Seu primeiro e único trabalho como atriz na TV havia sido a série Antônia (2006-2007), exibida pela Globo, e ela diz ter tentado outros papéis na emissora, mas foi reprovada nos testes.

"Fiz muitos testes, sabia? Muitos testes para a Globo. Já fiz testes em que não passei e a pessoa que pegou o papel não foi bem e nunca mais foi chamada para outros trabalhos. Gosto muito quando me dão logo a oportunidade e que me trabalhem para eu fazer a personagem, pois tenho certeza que vou dar conta. Teste é difícil. Às vezes estava no meio da turnê, com a cabeça em outro lugar", lembra.

Z4 vai contar a história de quatro jovens que se conhecem e acabam formando uma boyband. Protagonizada por Pedro Rezende, Gabriel Santana, Apollo Costa e Matheus Lustosa, a série é uma coprodução entre SBT, Disney e Formata Produções, e estreia na próxima quarta (25), no SBT.

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Você está curtindo o programa Se Joga?
Sim, é divertido e leve.
22.27%
Não é horrível, mas também não é bom.
26.34%
Não, achei muito ruim, uma vergonha.
27.00%
Prefiro A Hora da Venenosa.
24.40%

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook