Dupla Identidade

Atores são desprezados em lançamento de nova série da Globo

AGNEWS

Bruno Gagliasso e Débora Falabella protagonizam a série Dupla Identidade, da TV Globo - AGNEWS

Bruno Gagliasso e Débora Falabella protagonizam a série Dupla Identidade, da TV Globo

MÁRCIA PEREIRA, enviada especial ao Rio de Janeiro - Publicado em 05/09/2014, às 03h12 - Atualizado às 05h13

Dupla Identidade, nova série da Globo que estreia no dia 19 de setembro, deve mexer mesmo com a cabeça das pessoas. No lançamento do programa à imprensa, ontem (4), em um shopping no Rio de Janeiro, atores principais como Bruno Gagliasso, Luana Piovani, Débora Falabella e Marcello Novaes viraram meros coadjuvantes. A história do assassino em série é tão agressiva que até os jornalistas se renderam à trama de Glória Perez, buscando compreender o que o seriado representa.

Todos os questionamentos tiveram de ser elucidados pela autora e pelo diretor da atração, Mauro Mendonça Filho. A série ocupará o lugar que foi deixado antes de O Rebu por O Caçador, série que não gerou grande repercussão. Para Mauro Mendonça Filho, o sacrifício de colocar no ar um produto de alta qualidade como Dupla Identidade em um horário em que o número de televisores ligados cai drasticamente e a audiência é menor, significa que a Globo não quer ser referência só em telenovelas.

“A gente tem de elevar a reputação da nossa empresa, e neste projeto estamos trabalhando para isso. Sendo muito honesto, nosso papo não é audiência. Tem um outro valor a ser agregado aqui”, diz o diretor, cujo último trabalho foi à frente da novela Amor à Vida, que terminou em janeiro deste ano.

A autora Glória Perez foi muito enfática ao defender a série, que mostra a trajetória do sádico criminoso Eduardo Borges (Bruno Gagliasso). O protagonista é descrito como um homem que mata por puro prazer. “Não vamos tentar explicar porque ele faz isso. Vamos contar a história de alguém que mata porque é assim, não tem sentimentos, não sente culpa”, diz a dramaturga.

Capítulo inédito

No primeiro episódio, Edu escolhe a sua vítima sem sequer conhecê-la. Seu ritual de crueldade lembra serial killers famosos mundo afora e até no Brasil, como foi caso do maníaco do parque.

As cenas são chocantes, mas não escatológicas. A primeira vítima é interpretada por Yanna Lavigne, e seu corpo ensanguentado é largado na floresta da Tijuca (RJ) e depois ruído por um cão.

Mulheres de lingerie, sexo e outros ‘apelos’ também fazem parte do enredo. No entanto, nada que fuja dos padrões de séries policiais americanas.  Os crimes de Eduardo vão permear toda história, que conta com 13 episódios. 


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Qual é seu casal favorito no Power Couple?

Últimas notícias

Notícias da TV
Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook