Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

CANCELADA

Após repercussão negativa, Globo desiste de série sobre goleiro Bruno

REPRODUÇÃO/TV GLOBO

O goleiro Bruno Fernandes de Souza em entrevista coletiva reproduzida pela Globo

Bruno Fernandes de Souza, o goleiro Bruno, em coletiva de imprensa; Globo não fará mais série sobre jogador

REDAÇÃO

Publicado em 10/3/2020 - 9h43

A Globo desistiu de produzir uma série sobre o goleiro Bruno, condenado por assassinar Eliza Samúdio, modelo com quem teve um filho. A produção seria protagonizada por Vanessa Giácomo, dirigida por Amora Mautner e escrita por Lucas Paraizo --autor de Sob Pressão. O projeto foi duramente criticado pela dramaturga Gloria Perez e pela mãe da vítima.

De acordo com a coluna de Patrícia Kogut, do jornal O Globo, a série inspirada no livro Indefensável – O Goleiro Bruno e a História de Morte de Eliza Samúdio foi cancelada. A obra foi escrita por Leslie Barreira Leitão, Paula Sarapu e Paulo Carvalho, e lançada em 2014. 

A emissora pretende realizar outras produções sobre crimes que ficaram famosos na mídia. Por enquanto, a plataforma de streaming Globoplay tem sete séries documentais em desenvolvimento. Os projetos tratam de assuntos contemporâneos e outros falam de temas históricos.

O jogador de futebol Bruno Fernandes de Souza foi preso em 2010 por suspeita de ter planejado o sequestro da modelo e mãe de seu filho, Eliza Samúdio. O goleiro foi condenado em 2013 a 22 anos e três meses de prisão. Em 18 de julho de 2019,  Bruno conseguiu uma progressão de pena para o regime semiaberto e deixou o presídio. 

Durante as investigações sobre o desaparecimento, uma das testemunhas do caso relatou que a moça teria sido morta por estrangulamento, e que seu corpo teria sido esquartejado e enterrado sob uma camada de concreto. O caso obteve repercussão nacional e internacional, devido o envolvimento do então jogador do Flamengo. 

Após descobrir que a Globo queria fazer uma série sobre o goleiro Bruno, Gloria Perez usou seu perfil no Twitter para criticar a possível produção. "Oi? Só pode ser piada! E de mau gosto!", escreveu a autora de novelas em resposta a uma reportagem que indicava a inteção da emissora em contar a história do crime.

A repercussão negativa ganhou força após a divulgação de que a primeira cena da produção teria cachorros da raça rottweiler devorando o corpo de Eliza, simulando parte do crime. 

Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, Amora Mautner declarou que tomava muito cuidado para não romantizar a figura de um criminoso. "Penso muito para não passar nenhuma ideia errada. Tomo um cuidado extremo com isso", afirmou, na época.

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você espera ver na TV em 2021?