Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

Análise | Selinho lésbico

Beijo gay confirma inevitável progresso do casal de Em Família

Reprodução/TV Globo

Tainá Müller (Marina) e Giovanna Antonelli (Clara) em cena da novela Em Família, da Globo - Reprodução/TV Globo

Tainá Müller (Marina) e Giovanna Antonelli (Clara) em cena da novela Em Família, da Globo

RAPHAEL SCIRE

Publicado em 30/6/2014 - 22h54
Atualizado em 30/6/2014 - 22h58

Personagens homossexuais não são mais novidades nas novelas brasileiras, mas é interessante notar o alvoroço que casais do mesmo sexo provocam tanto na imprensa especializada em TV quanto no público. Tratado com um certo lenga lenga no início de Em Família, o romance lésbico entre Clara (Giovana Antonelli) e Marina (Tainá Müller) causou incômodo, o que é bom. Novela que não provoca inquietação no sofá não vale a pena de ser acompanhada.

Um deslize de roteiro quase colocou toda a história a perder: Clara e Cadu (Reynaldo Giannechini) viviam um casamento água com açúcar. Ao conhecer Marina, a dona de casa sentiu uma forte atração, dando pistas que dali poderia surgir algo a mais. A relação esquentou e o marido adoeceu, bem na hora que o romance estava engatilhado. O público torceu por Cadu e o casal Clarina, como as duas ficaram conhecidas nas redes sociais, foi cozinhado em banho maria (como o é boa parte da história de Manoel Carlos).

Mas o autor, experiente, conseguiu reverter o bafafá em história. Maneco fez com que Clara e Cadu se separassem e antes de unir as pombinhas tratou de deixar Cadu bem feliz. É bem verdade que o gourmet guarda um certo ressentimento por Marina, o que é natural em um homem que acaba de ser abandonado. Nos trilhos, Manoel Carlos, enfim, acelerou a história de amor das duas.

No capítulo de hoje, Marina pediu Clara em casamento e as duas trocaram um rápido beijo _um selinho bem sem vergonha, diga-se de passagem. Foi uma cena rápida, porém significativa e a carícia trocada, inserida neste contexto, mais do que natural. Depois de Felix (Mateus Solano) e Niko (Thiago Fragoso), em Amor à Vida (2013), o beijo gay parece ser tão essencial quanto o beijo dos mocinhos no final de novela. O público pode até torcer o nariz, mas que acompanha, acompanha.

No caso de Em Família, porém, é possível notar uma particularidade: aquecida pelo furor da novela anterior, a atual trama das nove deu um passo adiante no que se refere ao retrato de um casal homossexual.

A construção do amor das duas, que no início não convencia, passou a ser mais palatável. Cenas bonitas e metafóricas agregaram muito mais ao romance do que propriamente o beijo de hoje. O roçar de pés debaixo de uma mesa de restaurante, o esmalte combinado, o andar de braços dados e a sensualidade de um ensaio fotográfico protagonizado por elas, por exemplo.

Clara tem, ainda, o dilema de contar para o filho sobre sua escolha. O pequeno Ivan (Vitor Figueiredo) já deu provas de que gostaria de ver a mãe feliz ao lado de outro homem e a aceitação do garoto ou não também pode render boas cenas nessa reta final.

Tantos os momentos românticos como os conflitos de Clarina só contribuem para dar mais naturalidade ao casal. O beijo é, portanto, a consumação do inevitável. Que bom que não ficou só para o último capítulo e a torcida para que ele se repita mais até o final da novela ganha força.

LEIA TAMBÉM:

Em Família: Clara e Marina vão dar novo selinho ‘mais demorado’

Ministério ameaça proibir Meu Pedacinho de Chão antes das 20h

Em Família: Helena estapeia Laerte e diz que pensa em matá-lo

Selinho lésbico divide opiniões e não levanta ibope de Em Família

Análise: Selinho lésbico de Em Família não livra novela do ridículo

Globo apaga novela de Fábio Jr. considerada maior fiasco da história


​► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

Enquete

Qual o personagem mais chato de Pantanal?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.