Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

MEMÓRIA DA TV

Globo mudou nome de novela para evitar processo e economizar milhões de dólares

REPRODUÇÃO/TV GLOBO

Tony Ramos e Sônia Braga caracterizados como os personagens da novela Chega Mais (1980)

Tony Ramos e Sônia Braga protagonizaram Chega Mais (1980) na Globo; novela mudou de nome

THELL DE CASTRO

Publicado em 10/7/2022 - 8h43

Uma esquecida novela das sete, que ficou marcada como a última trama de Sônia Braga antes da mudança da atriz para os Estados Unidos, acabou mudando de nome por conta dos proibitivos custos de direitos autorais. Chega Mais, exibida entre 3 de março e 6 de setembro de 1980 com 158 capítulos, foi escrita por Carlos Eduardo Novaes e teve supervisão de texto de Walther Negrão.

A trama deveria ser intitulada Tom e Gelly, em referência aos nomes dos protagonistas que viviam brigando como gato e rato. No entanto, a semelhança com o título do mundialmente famoso desenho Tom & Jerry, que fatalmente acabaria em briga na Justiça, obrigou a Globo a verificar o custo da empreitada --que ficou na casa de milhões de dólares.

Em cima da hora, a emissora acabou desistindo. Com isso, a música de abertura também foi trocada: saiu Corre Corre e entrou Chega Mais, de Rita Lee, que acabou nomeando a produção.

Os nomes dos protagonistas, no entanto, foram mantidos. A novela narrou a história do casal Gelly (Sônia Braga) e Tom (Tony Ramos). Os dois viviam brigando, mas um não conseguia viver sem o outro. Tom foi sequestrado no dia do casamento e deixou a amada sozinha no altar.

Na verdade, o sequestro foi uma armação de Tom para pegar o dinheiro do resgate, que seria pago pela família da noiva. Porém, ele não imaginava que os pais de Gelly estivessem completamente falidos.

"Novaes e Negrão conseguiram, com uma certa artimanha, fazer uma novela de crônica. Não foi um sucesso, mas em nenhum momento elenco e produção foram comprometidos", escreveu o especialista Ismael Fernandes no livro Memória da Telenovela Brasileira.

Curiosidades

Além da questão financeira envolvendo o nome da produção e o fato de ter marcado a despedida de Sônia Braga das novelas --a atriz voltaria a aparecer no gênero somente em Força de um Desejo (1999)-- outra curiosidade marcou o folhetim.

Foi realizado um crossover com Marron Glacê, antecessora de Chega Mais na faixa das sete. No primeiro capítulo, os personagens do buffet que dava nome à trama de Cassiano Gabus Mendes (1929-1993) fizeram uma participação no primeiro capítulo, como os garçons Oscar (Lima Duarte), Waldomiro (Laerte Morrone) e Luis César (João Carlos Barroso), além da proprietária do estabelecimento, Madame Clô (Yara Côrtes).

Esse tipo de ação também foi realizada pela Globo, por exemplo, na passagem de bastão entre Totalmente Demais (2015) e Haja Coração (2016). A personagem Fedora (Tatá Werneck) apareceu no último capítulo da trama antecessora.

Chega Mais nunca foi reprisada no Vale a Pena Ver de Novo, mas voltou ao ar na Globo em 1983, dentro do programa matinal TV Mulher, sendo a última novela reapresentada nessa faixa.

Não se sabe, no entanto, se a emissora possui a íntegra dos capítulos da trama ou mesmo a versão editada, possibilitando, um dia, a exibição no canal Viva ou a entrada no Globoplay.


Leia também

Enquete

Qual o personagem mais chato de Pantanal?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.