Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

GUILHERME FONTES

Alexandre de A Viagem, ator apavorou fãs da novela no metrô; saiba como

REPRODUÇÃO/TV GLOBO

Guilherme Fontes como Alexandre de A Viagem (1994): ator olha para o horizonte, usa jaqueta marrom e blusa com gola rolê preta

Guilherme Fontes como Alexandre de A Viagem (1994): ator assustou fãs vestido como vilão

REDAÇÃO

redacao@noticiasdatv.com

Publicado em 5/8/2021 - 17h21

Alexandre de A Viagem (1994), Guilherme Fontes já apavorou fãs da novela sem querer. Na época das gravações do folhetim, o ator andou de metrô com o figurino do vilão e provocou pânico entre os passageiros. Ninguém se atreveu a conversar com o artista no percurso. 

O intérprete contou sobre o "passeio" do personagem na vida real em uma entrevista para o Gshow. A novela entrou do catálogo do Globoplay neste mês, e o ator dividiu algumas curiosidades. 

"São muitas as histórias de fãs e outras tantas que vivi pessoalmente...  Como o dia em que resolvi pegar o metrô vestido de Alexandre, todo de preto, e ninguém quis falar comigo. Acho que pensaram se tratar de assombração", contou Fontes. 

Na trama de Ivani Ribeiro (1922-1995), o rapaz mata um homem em um assalto e pede a ajuda de Raul (Miguel Falabella) e Téo (Maurício Mattar) para se livrar do crime. Eles decidem denunciá-lo às autoridades. 

O problemático comete suicídio na prisão após ser condenado, e seu espírito vaga na terra em busca de vingança. Assim, o vilão decide punir a dupla de parentes e o advogado Otávio Jordão (Antonio Fagundes) por sua sentença. A irmã de Alexandre, Diná (Christiane Torloni), tentou contratar o criminalista, mas ele se negou a pegar o caso por ter sido amigo da vítima. 

A trajetória do anti-herói também rendeu momentos impactantes na carreira do ator. Para Fontes, a morte do personagem foi a cena mais difícil da novela. O artista tem o hábito de sempre assistir a essas imagens uma vez ao ano:

Sempre gosto de ver as sequências iniciais, que são muito potentes do ponto de vista dramatúrgico. Toda sequência que vai desde o primeiro capítulo, a prisão e o suicídio, até a chegada ao inferno", explicou o entrevistado. 

E, mesmo após quase 30 anos da estreia da trama, Guilherme Fontes se diz ainda surpreendido com o impacto da história no imaginário dos noveleiros.

"Quando chego em casa, me pergunto se essa tal repercussão acabou mesmo. Volto a sair pra rua e vejo que não. [...] É a glória. Um vilão tratado como um herói. Um pecador justificado. Um malvado favorito. Divertido demais."


Leia também

Enquete

Com quem Irma merece ficar em Pantanal?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.