Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

TV por assinatura

Com dívida de R$ 65 bi, operadora tem mais 'assinante' gratuito do que pagante

Divulgação

Bernardo Winik, diretor de Varejo da Oi, durante apresentação de TV pré-paga, ontem (29) - Divulgação

Bernardo Winik, diretor de Varejo da Oi, durante apresentação de TV pré-paga, ontem (29)

DANIEL CASTRO

Publicado em 30/6/2016 - 5h34

Em recuperação judicial após acumular dívidas estimadas em mais de R$ 65 bilhões, a operadora Oi tem mais "assinantes" que não acrescentam um único centavo aos cofres da companhia do que pagantes. Segundo Bernardo Winik, diretor de Varejo, a Oi tem 1,2 milhão de "clientes" que não geram receita, que recebem apenas o sinal das redes abertas pelo satélite da companhia. Os assinantes de TV paga da operadora são 1,1 milhão em todo o país.

Os "assinantes" que não pagam são ex-clientes, que interromperam o serviço por falta de dinheiro, e usuários de um plano chamado Oi Livre, em que o consumidor compra a antena e a caixa receptora da empresa e recebe apenas os sinais das emissoras abertas. Essa caixa e a antena custam hoje R$ 299.

Para tentar "monetizar" essa base de potenciais assinantes, a Oi está lançando um plano de TV pré-paga, como já faz a Sky. Pela nova modalidade de serviço, o cliente que já tem a antena e a caixa decodificadora poderá comprar créditos de celulares em lojas da operadora e em bancas de jornais e acessar pacotes de canais pagos. O pacote mais básico custa R$ 54,90 por mês.

"A gente acredita que esse cliente [que já recebe as redes abertas pela Oi] vai assistir TV por assinatura com a modalidade de pré-pago", afirma Winik. Segundo o executivo, o fornecimento do sinal de TV aberta gratuitamente ao "assinante" não gera despesa à Oi. Fontes do mercado de TV por assinatura discordam. Afirmam que há no mínimo o custo do espaço que Globo, Record e SBT ocupam no satélite da operadora. A Globo já cobra pela cessão de seus sinais digitais às operadoras de TV paga. Record, SBT e RedeTV! pretendem fazer o mesmo em breve.

Winik afirma que o processo de recuperação judicial, anunciado na semana passada, não afeta os negócios de TV por assinatura da Oi. Segundo ele, os investimentos previstos para este ano serão mantidos. "A vida continua normalmente. É um processo de negociação com bancos e credores. Com o cliente não muda nada", diz.

A Oi é originalmente uma operadora de telefonia _divide a liderança do mercado com a Telefonica. A companhia é resultado da fusão da Telemar com a Brasil Telecom, empresas que surgiram com a privatização das telecomunicações, no governo de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). Ela opera telefonia fixa e TV por assinatura via satélite em todo o país, menos no Estado de São Paulo (onde só atua com telefonia celular).

No último dia 20, a Oi entrou com pedido de recuperação judicial. A medida a protegerá da falência em novas negociações com credores e bancos. A maior parte da dívida da Oi é com bancos (cerca de R$ 50 bilhões). A empresa deve ainda R$ 14 bilhões em contingências (multas da Anatel, processos judiciais) e R$ 1,5 bilhão para fornecedores.


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você espera ver na TV em 2021?

Novelas inéditas, não aguento mais reprise
23.44%
Silvio Santos e veteranos de volta ao estúdio
15.02%
Estreia de programas diferentes
30.20%
Chega logo, BBB21!
31.35%