Estreia hoje

Com tiro, porrada e bomba, Carcereiros fica muito mais pesada no cinema

Divulgação/Imagem Filmes

Os atores Ivan de Almeida, Tony Tornado, Kaysar Dadour e Rodrigo Lombardi, de Carcereiros - O Filme

Os atores Ivan de Almeida, Tony Tornado, Kaysar Dadour e Rodrigo Lombardi, de Carcereiros - O Filme

FERNANDA LOPES - Publicado em 28/11/2019, às 05h21

A série Carcereiros chega ao cinema nesta quinta (28) turbinada. Com mais tempo de duração, os problemas que o protagonista Adriano (Rodrigo Lombardi) tem de resolver são muito maiores. Em Carcereiros - O Filme, ele enfrenta uma noite do terror na cadeia com um prisioneiro árabe, brigas entre facções e a invasão de um inimigo misterioso.

Com todos esses elementos, o filme fica muito mais pesado do que a série. "Tudo que a gente queria fazer na série mas não cabia, por causa do formato, a gente fez no filme. Simples assim", diz Fernando Bonassi, um dos roteiristas de Carcereiros. 

"O grande problema do ator brasileiro é que nós pecamos para mais [em atuações mais expressivas]. Por isso, muitas vezes na série o diretor vinha e puxava a rédea, [dizia que] a linguagem não é essa. Agora, ele pegou todos os nossos pecados e todos estão no filme. Tudo aquilo que a gente queria fazer na série e não conseguia, a gente transpôs pro filme", diz Lombardi.

O personagem dele participa de todas as "tretas" do filme. Adriano chega na prisão para mais um plantão e descobre que um prisioneiro internacional passará uma noite lá. É Abdel Mussa, um terrorista árabe interpretado por Kaysar Dadour.

Os carcereiros precisam proteger o preso dos demais, que querem fazer justiça com as próprias mãos. Ao mesmo tempo, criminosos equipados com armas de alto calibre começam a entrar na cadeia e atacar tanto os presidiários quanto os funcionários. Misteriosos, eles estão cobertos dos pés à cabeça e buscam um preso específico, que é o grande mistério da trama.

Nesse meio tempo, duas facções da prisão conseguem sair das celas, e uma persegue a outra com metralhadoras. Para piorar tudo, acaba a luz na cadeia, então todas as cenas têm (pouca) iluminação macabra.

O telespectador que acompanhou as temporadas de Carcereiros na TV vai notar que a chacina no presídio é muito mais pesada do que os dramas sociais exibidos na Globo. Há também mais uso de efeitos especiais, com explosões e muito fogo.

"É uma narrativa de ação, foi pedido a nós uma narrativa de ação explosiva. Mesmo assim, em se tratando do assunto carcerário, nós enxergamos não só uma tentativa de colocar na tela uma narrativa de aventura, que segurasse o telespectador, mas também uma conversa com mais gente, para provocar a reflexão sobre essa barbárie", diz Dennison Ramalho, roteirista do longa.

Carcereiros - O Filme estreia nesta quinta-feira (28) nos cinemas de todo o Brasil. Confira o trailer da produção:

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

O que falta para Amor de Mãe conquistar mais audiência?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook