CORONAVÍRUS

'12 mil mortes em 7 bilhões é pouco para histeria', reafirma Roberto Justus

Reprodução/Globo

Roberto Justus em julho de 2019, com expressão irritada, durante edição do programa O Aprendiz

Roberto Justus em julho de 2019, durante O Aprendiz; ele causou polêmica ao falar de Covid-19 nesta semana

REDAÇÃO - Publicado em 23/03/2020, às 13h26

Após a viralização de um áudio que enviou para Marcos Mion no domingo (22), em que criticava o apresentador de A Fazenda e a conduta da população mundial em relação à pandemia de Covid-19, Roberto Justus participou ao vivo do Aqui na Band desta segunda (23) para justificar suas opiniões sobre o assunto. E novamente minimizou os efeitos da doença e o número de mortes. "12 mil mortes em 7 bilhões de habitantes é muito pouco pra criar essa histeria coletiva", disse.

"Tem que pensar em números, em estatísticas, que aí vai ver que é menos grave do que toda essa histeria que criaram. Cuidado, sim. Mas exagero, não! Minha avaliação é a seguinte: Isolar as pessoas que precisam de cuidado, que correm mais risco, como idosos e pessoas com problema de saúde. As outras pessoas precisam ter hábitos de higiene rígidos", declarou Justus com exclusividade ao Notícias da TV.

O apresentador afirmou ser contra o isolamento social, que, acredita, poderá ter consequências desastrosas na economia. Para Justus, o número de mortes pelo coronavírus será pequeno quando comparado ao de pessoas que vão sofrer com fome, desemprego, criminalidade e outraz mazelas causadas por uma recessão mundial.

O empresário e apresentador explicou na Band que, quando mandou o áudio, havia visto que cerca de 12 mil pessoas haviam morrido em decorrência da doença no mundo e fez questão de responder, com rispidez, porque achou um absurdo Mion afirmar que um milhão de pessoas morreriam de coronavírus no Brasil.

"Algumas pessoas me acusaram falando que eu estava debochando dos mortos, zombando dos mortos. Pelo amor de Deus, 12 mil mortes é muito, qualquer morte é muito. Agora, 12 mil mortes em sete bilhões de habitantes é muito pouco pra criar essa histeria coletiva que foi criada no mundo. No Brasil, são 35 mortes lamentáveis [a informção foi logo corrigida por Luiz Ernesto Lacombe, de 25 mortes no Brasil], mas também muito pouco pra 210 milhões de habitantes", opinou.

A situação da Itália, em que os números de mortos já superam os da China e não param de aumentar, também não assusta o apresentador. Ele argumentou que isso acontece porque a média da população na região da Lombardia é muito alta.

"Não estou minimizando, só estou dizendo que a reação exagerada vai custar caro pra humanidade. Ninguém quer viver o que a Itália viveu, mas não pode ficar três, quatro meses parando o país, com números que não sustentam a histeria", completou.

Ele defende ainda que muito mais pessoas morrem em decorrência de outras mazelas, como fome, acidentes de carro e a gripe mais conhecida, a Influenza. Justus defende o isolamento social apenas para idosos e pessoas com doenças crônicas e no máximo de 30 dias para adultos e crianças saudáveis. Diz também que população deve ser instruída a lavar as mãos, passar álcool em gel e evitar aglomerações.

"O que eu disse é que 90% das pessoas que vão ser atingidas não vão ter nada. Sintomas de uma leve gripe. Então por que estamos isolando o planeta inteiro, tentando resolver um problema e criando um muito maior? Nós vamos ter muito mais falidos do que gente morta", falou.

"Não é que estou menosprezando os números, mas quantas pessoas vão perder a vida porque pode aumentar a criminalidade, porque vão morrer de fome. É um lockdown excessivo para números que não são tão grandes nem vão ser. Pode escrever o que eu tô falando", afirmou.

reprodução/Band

Justus conversou com Geraldo Alckmin e Luiz Ernesto Lacombe durante o Aqui na Band


Críticas a governadores e nova solução

Justus disse também que, ao contrário da maioria dos artistas e membros do governo, ele não tem medo de se posicionar. Criticou governadores e o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, mas defendeu (apesar de não admitir) o posicionamento do presidente, Jair Bolsonaro.

"Todos querem fazer o bom-mocismo de 'eu resolvi, fechei tudo'. O presidente tentou minimizar o impacto, por isso acabaram com o presidente. Não tô aqui defendendo ninguém, tô defendendo teoria. Essa história que o ministro da Saúde falou, de que [a pandemia no Brasil vai] até setembro, quatro ou cinco meses com o Brasil parado? Vamos destruir e machucar aqueles que mais precisam. Vamos ter uma terra arrasada", falou.

Além das críticas, Justus apresentou o que seria uma solução: "Se nós pudéssemos usar a força do poder público, empresários se movimentando pra criar hospitais como foram criados na China, botar dinheiro nesse tipo de coisa. O que nós temos que evitar é o colapso do sistema de saúde no Brasil. Mas como 90% das pessoas não vão ter problemas sérios, em vez de destruir a economia do Brasil, por que não investimos em melhorar o problema de saúde?".

"Todos os empresários, governadores, presidente, prefeitos, todo mundo tentando buscar soluções pra aumentar o número de leitos, como estão fazendo em estádios e lugares grandes; ter estrutura pra ajudar a resolver o problema", sugeriu. Ressaltou que tudo que disse foi embasado em opiniões de especialistas.

Confira a participação de Justus no Aqui na Band:

No Instagram, Justus também se posicionou em relação ao áudio para Mion. Ele disse que muita gente não entendeu o que disse e que não estava zombando dos mais pobres, muito pelo contrário. O apresentador reafirmou que o número de mortos é pouco em relação à população mundial e disse que "estamos dando um tiro de canhão pra matar um pássaro".

O empresário também afirmou que a economia precisa rodar e que os governantes e a mídia estão exagerando um pouco nas medidas e na cobertura sobre a doença.

"Querem fazer o politicamente correto. Às vezes não resolve o problema, só atrapalha. Tem médicos falando que esse lockdown mundial não vai resolver o problema, só criar outro muito maior. Tô tentando minimizar esse exagero, essa histeria, esse pânico que se criou quando o Mion e outras pessoas fazem esse tipo de vídeo. Com a melhor das intenções, são gente boníssima, mas às vezes não estão tão bem informados sobre dados", disse.

Confira:

 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por robertoljustus (@robertoljustus) em

Por meio de sua assessoria de imprensa, Marcos Mion também se posicionou sobre o áudio polêmico: "O áudio que está circulando é apenas uma parte de uma conversa de um grupo de amigos e se referia a um vídeo, não do Mion, mas de um pesquisador, o biólogo, especializado em virologia, Átila Iamarino. O vídeo, colocado no grupo pelo Mion, traz prospecções de diferentes cenários para diferentes variáveis.

Não se tratava de uma única afirmação determinista. Os integrantes do grupo discutiam livremente em cima das possibilidades colocadas pelo especialista, assim como discutem várias outras prospecções e cenários.

Desde o dia 12 de março, Mion usa, diariamente, seu alcance nas redes sociais e toda a sua credibilidade para alertar a população sobre a importância da prevenção diante do coronavirus. Seus vídeos, que somam milhões de acessos e são compartilhados nas mais diferentes plataformas, apresentam exclusivamente informações e  recomendações de fontes oficiais".

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Qual é seu programa favorito gravado na quarentena?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook