Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

RELACIONAMENTOS ABUSIVOS

De Guilherme a Marcos Harter: Como o BBB mostra a violência física e psicológica

REPRODUÇÃO/TV GLOBO

Montagem dos participantes do Big Brother Brasil: o modelo Guilherme Napolitano (à esquerda) e o cirurgião plástico Marcos Harter (à direita)

Guilherme Napolitano, do BBB20 (à esq.), e Marcos Harter, da 17ª edição: brothers com atitudes controversas

KELLY MIYASHIRO

Publicado em 4/3/2020 - 4h34

No BBB20, o relacionamento de Guilherme Napolitano, eliminado no paredão desta semana, e Gabi Martins chamou a atenção nas redes sociais devido o comportamento controverso do brother. Acusado pelo público de abusar psicologicamente da namorada, que passou os últimos dias chorando pelos cantos, o modelo deixou a casa em uma disputa contra Pyong Lee e Gizelly Bicalho.

A saída de Guilherme prova que os milhões de telespectadores do Big Brother Brasil estão atentos para o tema de violência contra a mulher, que não é nenhuma novidade para o reality. Em 2017, a Globo transmitiu em rede nacional uma suposta agressão física do participante Marcos Harter à Emily Araújo na 17ª edição. 

Até o momento em que foi eliminado, Guilherme não gritou com Gabi. Pelo contrário, ele falou baixo com a namorada, e na maioria das vezes de forma isolada para que ninguém conseguisse escutar suas conversas. O modelo chegou a trocar carícias dentro da casa com Bianca Andrade, a Boca Rosa, que já foi eliminada da edição, mas nunca engatou um romance de fato com a blogueira. Apesar disso, a cantora sentia ciúme da colega.

Com o bordão de "somos apenas amigos", Guilherme tentou convencer a namorada de que ela via coisas demais, que ele nunca se interessou pela influenciadora. Muitas vezes, o modelo tentou confundir as lembranças de Gabi, além de diminuir os sentimentos dela, e a chamou de "louca" por demonstrar o que sente.

Esse comportamento de manipulação é chamado de gaslighting, uma forma de abuso psicológico presente em relacionamentos abusivos. O paulista nunca tocou a companheira de forma agressiva, então, como é possível identificar que é uma violência? 

De acordo com a psicóloga Laís Nicolodi, os indícios de abuso ficam mais claros quando se percebe uma relação de poder entre as partes de um relacionamento, alguém que gosta de ter o poder sobre a outra.

"Essa pessoa nunca assume a culpa de nada, tá sempre jogando a responsabilidade para o outro. Como geralmente as vítimas são as mulheres, é o caso de homens soltarem frases como: 'ah, eu gritei com ela porque ela não fez o que eu queria', então o parceiro transfere toda a responsabilidade de um erro para a mulher", explica a especialista ao Notícias da TV.

Em um momento marcado pelo público, Gabi estava chorando copiosamente enquanto Guilherme dizia que iria se afastar dela, já que a fazia mal. A loira, então, implorava para ele ficar. "Todo mundo tá vendo, olha o jeito que você tá, e todo mundo vai achar que eu sou um monstro. As pessoas me olham e acham que eu só te machuco", declarou o modelo, dando a entender que a culpa da imagem ruim dele era da namorada.

Com a saída do namorado, resta saber se Gabi Martins perceberá a problemática de seu relacionamento ou se estará disposta a deixar a casa e reencontrá-lo após o fim de seu próprio confinamento. 

Violência física 

Semelhante a Guilherme, Marcos Harter também demonstrou uma postura tranquila em um relacionamento dentro do reality. No BBB17, o cirurgião plástico se envolveu com Emily Araújo, mas com o tempo, o brother começou a discordar da namorada, a criticá-la intensamente, até que um dia ela decidiu terminar tudo na frente das câmeras, e ele explodiu. 

"Presta atenção, Emily, você tem que ficar comigo independente de quem eu acho que tem que ganhar [o prêmio]", berrou o médico repetidamente, enquanto apontava o dedo na cara da participante. Em outro momento da edição, a sister pediu para ele soltá-la porque ele estava machucando seu braço. 

Harter acabou expulso do BBB17 por "indícios de agressão física". Atualmente, ele processa a Globo por danos morais e pede uma indenização de R$ 750 mil. A ação foi distribuída à 28ª Vara Cível de São Paulo no último dia 20. Nela, Harter argumenta que sua imagem foi prejudicada pela emissora por causa da expulsão. O médico foi absolvido durante a investigação da suposta agressão contra Emilly Araújo.

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você achou do Disney+?