Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

TEM CURA

Câncer de útero como de Fátima Bernardes pode ser causado por HPV; entenda

REPRODUÇÃO/TV GLOBO

A apresentadora Fátima Bernardes no programa Encontro, da Globo, do dia 2 de dezembro

Fátima Bernardes no Encontro de 2 de dezembro; apresentadora está tratando doença no útero

KELLY MIYASHIRO

kelly@noticiasdatv.com

Publicado em 5/12/2020 - 7h10

Nesta semana, Fátima Bernardes anunciou ao público que está tratando um câncer de útero, e que por isso se afastaria da Globo por tempo indeterminado. A doença pode ser causada pelo vírus do HPV, uma infecção sexualmente transmissível, ou por distúrbios hormonais, mas tem altas taxas de cura se identificada em sua fase inicial --como aconteceu com a apresentadora do Encontro.

Fátima revelou que soube do câncer após passar por análises laboratoriais durante exames rotineiros. "Estou bem. Depois de uma série de exames de rotina, hoje recebi o diagnóstico de um câncer de útero em estágio inicial. Vou me afastar por uns dias do trabalho pra fazer a cirurgia", explicou a comunicadora de 58 anos em uma publicação feita no Instagram.

"Como sempre usei minhas redes com total franqueza e verdade, preferi eu mesma passar essa informação para todos que me acompanham. Enquanto isso, aproveito o aconchego dos meus pais, filhos, do meu amor e dos amigos próximos. E já agradeço pelo carinho, pelas boas energias de todos aqui. Logo, logo estarei de volta para nossos encontros", finalizou a apresentadora.


A titular do Encontro não chegou a revelar qual tipo de câncer de útero está tratando, já que a doença pode atingir duas partes do órgão: o corpo ou o colo, conforme explica a médica Daniela de Freitas, oncologista do Hospital Sírio-Libanês ao Notícias da TV.

Tipos de câncer

"Um é do endométrio, e o outro é do colo de útero. A idade do diagnóstico varia de acordo com cada tipo. O de colo de útero é o terceiro câncer mais comum entre as mulheres e pode ser encontrado na faixa etária entre 45 e 50 anos, geralmente mulheres mais jovens na pré-menopausa", começa Daniela.

"Já o câncer de endométrio é mais raro e geralmente descoberto após os 60 anos, ele é mais comum na pós-menopausa. Enquanto o de colo de útero é bastante atribuído ao HPV, uma predisposição genética é um fator de risco que pode causar o câncer de endométrio", completa a especialista. 

A médica também afirma que a infecção pelo vírus HPV geralmente não é recente, pois a maioria das pessoas está infectada, mas não demonstra nenhum sintoma. "Entre a mulher ter o contato com o vírus e desenvolver alguma doença, normalmente se passa um tempo médio de 15 anos. É uma doença mais lenta, o aparecimento é mais lento", ressalta. 

Sintomas e diagnóstico

Os sintomas mais comuns que podem dar indícios de câncer são sangramentos e cólicas fora do comum, muito intensos ou quando a mulher já não deveria mais menstruar (menopausa). Dores na região pélvica sem explicação ou durante relações sexuais também são indícios.

Karen Rocha De Pauw, médica ginecologista, obstetra e especialista em reprodução humana ressalta a importância da medicina preventiva, principalmente em casos de câncer de útero, pois os dois tipos podem ser identificados através dos exames papanicolau e ultrassom ginecológico.

"Pelo menos aqui no Brasil a gente fala para se fazer os exames anualmente. Já a Organização Mundial de Saúde recomenda a cada dois anos. O câncer de colo de útero não é muito agressivo mas, se não for detectado o quanto antes, pode se espalhar para os outros órgãos do trato digestivo", exemplifica Karen.

Causas

A especialista em reprodução humana ainda conta que cerca de 80% dos casos de câncer de útero têm origem na infecção por HPV, mas também deixa claro que muitas vezes o vírus fica adormecido no corpo da mulher e acaba se manifestando após alguns fatores específicos, como a queda da imunidade. A doença também pode ser causada por um distúrbio hormonal.

"O vírus do HPV aproveita um momento de fraqueza do organismo feminino, então ele pode levar dois, dez, 15 e até 20 anos para se manifestar no corpo. Por isso os exames de papanicolau e ultrassom ginecológico são importantes, porque eles já detectam qualquer aparição de células cancerígenas, por mais pequenas que ela seja", explica a obstetra. 

Tratamentos e recuperação

De acordo com Vivian Sartorelli, ginecologista oncológica do IBCC Oncologia (Instituto Brasileiro de Controle do Câncer), o câncer de colo uterino pode progredir para estruturas pélvicas, como bexiga, reto e linfonodo; em casos raros, se não tratado corretamente, ele ainda pode avançar em metástases para pulmão ou fígado.

"O tratamento é baseado no estágio de detecção da doença. Em casos iniciais, é feita uma traquelectomia, que é a retirada cirúrgica do colo uterino, ou uma histerectomia em estágios avançados, quando se requer um tratamento com radioterapia associado a quimioterapia", avisa a médica do IBCC Oncologia.

A expectativa de vida para a paciente com câncer de útero é otimista, segundo Vivian. "Há uma taxa de sobrevida de 90% em estágios iniciais e 67% em estágios localmente avançados", analisa a ginecologista.

Segundo uma estimativa do Inca (Instituto Nacional do Câncer), são identificados cerca 17 mil novos casos de câncer de útero por ano só no Brasil.

Prêmio NTV Melhores do ano


Leia também

Enquete

Quem foi o melhor ator ou atriz de novela do ano?

Web Stories

+
Mansão nova, presença VIP e publis: Saiba tudo sobre a carreira de Deolane BezerraÚltima temporada de La Casa de Papel: Após o fim, série já tem spin-off confirmadoFicção virou realidade: Casa de Esqueceram de Mim é aberta ao público; veja fotosDivórcio, tragédia e treta: 5 notícias que peões de A Fazenda 13 não sabemJuan Paiva rouba a cena em Um Lugar ao Sol; conheça a história do ator

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas