Afastado por racismo

Perito diz que William Waack falou 'preto' em vídeo que o derrubou na Globo

Reprodução/Globo

William Waack no Jornal da Globo de 8 de novembro de 2016, quando fez seus comentários - Reprodução/Globo

William Waack no Jornal da Globo de 8 de novembro de 2016, quando fez seus comentários

FERNANDA LOPES - Publicado em 10/11/2017, às 11h57

Uma observação técnica do vídeo que provocou o afastamento de William Waack da Globo indica que o jornalista de fato falou a palavra "preto" de forma pejorativa. Apesar da baixa qualidade do vídeo, o perito Maurício de Cunto, em análise feita para o Notícias da TV, diz que Waack usou o termo em sua fala para o comentarista Paulo Sotero.

"A má qualidade do áudio nos obriga a emitir pareceres sobre o que realmente é dito com ressalvas. Minhas observações quanto ao que é falado por William Waack a Paulo Sotero, neste momento, apontam para: 'Preto, (né)... Preto, né?', onde os parênteses indicam dificuldade maior de se identificar os fonemas", declara.

"É o que se percebe. Mas eu não posso afirmar categoricamente que é essa palavra. É o que parece, então por isso que eu coloco que o que ele fala aparentemente é isso", conclui.

Maurício de Cunto é engenheiro eletrônico, mestre em fonoengenharia, escreveu um livro sobre gravações de voz e atua como perito em todo o país. Ele participou, em meados deste ano, da perícia oficial do áudio da conversa gravada entre o presidente Michel Temer e o empresário Joesley Batista, ao lado do também perito Ricardo Molina. 

"A perícia é uma atividade baseada em ciências exatas, mas quando você tem muito ruído, tem uma informação que pode só aparentar uma coisa. Temos que deixar isso claro desde o início", ressalta.

Quando o vídeo foi divulgado nas redes sociais, na quarta-feira (8), o público em geral entendeu que Waack pronunciava as palavras "É preto... É coisa de preto, né?" antes de entrar ao vivo no Jornal da Globo, no dia das eleições presidenciais norte-americanas de 2016.

Diante da repercussão do caso, a Globo suspendeu o jornalista de suas funções no telejornal, sob a justificativa de que os comentários de Waak eram "ao que tudo indica, de cunho racista". O afastamento do âncora do Jornal da Globo é considerado irreversível na emissora.

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

 

+ Lidas

Bloco de Notas

Crimes na floresta

Ciro Guerra recebe Prêmio Fênix pela direção do filme Abraço da Serpente, de 2015 - Reprodução A Netflix anunciou que fará uma série ambientada na floresta amazônica. Ainda sem nome definido, a produção se passará na fronteira da Colômbia com o Brasil e mostrará um jovem detetive e seu parceiro durante ... Leia +

Leia todas as notas

Enquete

Você pretende assistir Apocalipse, nova novela da Record?

Redes sociais

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook