WILLIAM WAACK

Nos Estados Unidos, comentários racistas levam jornalistas à demissão

Reprodução/Facebook

A jornalista Wendy Bell ostenta 5 estatuetas do Emmy; âncora foi demitida após 18 anos no ar - Reprodução/Facebook

A jornalista Wendy Bell ostenta 5 estatuetas do Emmy; âncora foi demitida após 18 anos no ar

JOÃO DA PAZ - Publicado em 10/11/2017, às 06h33

O jornalista William Waack foi afastado do Jornal da Globo após o vazamento de um vídeo, gravado no dia da eleição presidencial norte-americana de 2016, em que supostamente faz uma declaração racista. Se Waack fosse âncora de uma TV dos Estados Unidos, provavelmente não seria só suspenso. Por lá, qualquer fala preconceituosa manda o profissional para o olho da rua.

De repórter em começo de carreira a jornalista veterana, ninguém é poupado de demissão após comentários racistas, feitos no ar ou nos bastidores, contra negros, mexicanos, asiáticos ou judeus. Confira cinco casos recentes:

reprodução/wtae

A âncora Wendy Bell à frente do telejornal de uma afiliada da rede ABC na cidade de Pittsburgh

Wendy Bell
Wendy Bell passou 18 anos cobrindo assuntos locais em Pittsburgh para a afiliada da rede ABC. Vencedora de 21 Emmys regionais, tudo foi para o ralo em março do ano passado, quando Wendy escreveu em sua página no Facebook: "Você não precisa ser profissional da polícia para descobrir quem são os assassinos de duas semanas atrás... Eles são jovens homens negros, adolescentes ou de 20 e pouco anos".

Wendy se referia à chacina de seis pessoas, incluindo uma mulher grávida e um bebê, durante um jantar de família no quintal de casa, em uma área residencial. Como pouca polêmica é bobagem, Wendy processou a emissora. Seu advogado afirmou que a cliente não seria demitida "se fosse negra". Hoje ela é colaborada de uma revista regional da Pensilvânia especializada em negócios.

divulgação/FSN

Emily Austen no campo do time Tampa Bay Rays; jovem repórter agora se dedica aos estudos

Emily Austen
A repórter esportiva Emily Austen, com experiência em coberturas da NBA (liga profissional de basquete) e da MLB (liga profissional de beisebol), foi demitida da divisão da Flórida do canal Fox Sports, em junho de 2016, após disparar comentários xenófobos em um programa esportivo transmitido ao vivo no Facebook.

Quando o assunto da atração foi um estudante ilegal nos Estados Unidos que se gabou no Twitter de ser um dos melhores alunos de sua universidade, Emily disse: "Eu não sabia que os mexicanos eram tão inteligentes".

Ela não parou por aí: "Vocês sabem que o carinha chinês é sempre o mais inteligente nas aulas de matemática". Para completar, também fez piadinhas antissemitas. Prontamente, a Fox Sports emitiu um comunicado anunciando a demissão de Emily. A jornalista atualmente aproveita o tempo livre para estudar.

reprodução/instagram

No Instagram, Scarlett Fakhar convocou seus seguidores para votar nas eleições de 2016

Scarlett Fakhar
A repórter Scarlett Fakhar, de uma afiliada da Fox em Houston, Estado do Texas, perdeu o emprego por exaltar a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais de 2016 e criticar seu antecessor, Barack Obama.

"[Nosso] país está mais violento e racista do que nunca sob a administração de [Barack] Obama", escreveu Scarlett no Facebook. "Eu trabalho com jornalismo e odeio ter de dizer isso, mas o número de afro-americanos que matam uns aos outros é bem maior do que o número deles mortos por brancos. Vocês queriam um governo igual a esse?", questionou.

Ela se arrependeu, pediu desculpas, mas não foi o bastante para manter o emprego. Scarlett virou âncora de um programa na internet sobre finanças.

reprodução/univision

O apresentador venezuelano Rodner Figueroa durante seu último programa na rede Univision

Rodner Figueroa
Dois anos e meio depois de ter sido demitido sumariatamente após comentário racista contra a ex-primeira-dama Michelle Obama, o apresentador Rodner Figeroa está de volta à TV. Ele entrou no ostracismo após comparar Michelle com uma figurante do filme O Planeta dos Macacos em programa ao vivo do canal norte-americano Univision, voltado ao público latino, exibido em março de 2015.

O comentário foi ao ar somente na Costa Leste do país. Figueiroa se desculpou diretamente para Michelle, mas não adiantou.

Ele voltou a trabalhar em TV no mês passado, na Telemundo, rival da Univision.

reprodução/wdvi

Lauren Podell pediu as contas de afilida da rede NBC em Detroit após comentário racista

Lauren Podell
Antes de ser demitida, a âncora Lauren Podell decidiu pedir as contas de uma afiliada da NBC em Detroit. Muito famosa na cidade, ela se viu no meio de uma enrascada em novembro do ano passado, após vazar em redes sociais um comentário que ela fez a um produtor: "Estou cansada de noticiar todos esses negros matando uns aos outros [aqui] em Detroit".

A conversa ocorrera seis meses antes. Após o vazamento, vereadores e líderes comunitários, como pastores evangélicos, organizaram protesto contra Lauren e a emissora. A jornalista está desempregada até hoje.

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

 

+ Lidas

Bloco de Notas

Crimes na floresta

Ciro Guerra recebe Prêmio Fênix pela direção do filme Abraço da Serpente, de 2015 - Reprodução A Netflix anunciou que fará uma série ambientada na floresta amazônica. Ainda sem nome definido, a produção se passará na fronteira da Colômbia com o Brasil e mostrará um jovem detetive e seu parceiro durante ... Leia +

Leia todas as notas

Enquete

Você pretende assistir Apocalipse, nova novela da Record?

Redes sociais

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook