Bastidores

Pânico sofre debandada de anunciantes e deixa rombo de R$ 15 milhões na Band

Reprodução/Band

Emílio Surita, apresentador do Pânico, no último domingo; programa sai da Band em dezembro - Reprodução/Band

Emílio Surita, apresentador do Pânico, no último domingo; programa sai da Band em dezembro

DANIEL CASTRO - Publicado em 25/10/2017, às 05h31

Ao contrário do que possa parecer, o fim do Pânico na Band é uma boa notícia para a emissora, dizem seus executivos. O programa, que sai do ar em dezembro, perdeu 35% dos anunciantes ao longo de 2017 e vai fechar o ano com um rombo de R$ 15 milhões. Para a cúpula da Band, o humorístico perdeu relevância artística e comercial.

O Pânico é um programa caro. Tem equipe de produção e elenco grandes até mesmo para os padrões da Globo. Gasta R$ 3 milhões por mês apenas com os salários dos seus principais talentos. Dá cinco pontos no Ibope, uma das maiores audiências da Band, mas não atrai anunciantes suficientes para pagar seus custos.

Originalmente um programa de rádio, o Pânico foi lançado em 2003 pela RedeTV! e migrou para a Band em 2012. O formato e a marca pertencem a Antônio Augusto Amaral de Carvalho Filho, o Tutinha, dono da rádio Jovem Pan. Band e Jovem Pan são sócias nos custos e nas receitas. 

A iniciativa de não seguir com o humorístico partiu da Band, que notificou a Jovem Pan na sexta-feira (20) passada. Como o contrato vai até o ano que vem, as duas partes negociam atualmente um acordo rescisório. Por isso, até agora, nem Band nem Jovem Pan se posicionaram oficialmente sobre o fim da parceria.

O humorístico já tinha dado prejuízo em 2016. Na avaliação da cúpula da Band, não seria prudente mantê-lo na grade em 2018, apesar de a atração ser um dos carros-chefe de sua programação. A tendência é perder ainda mais anunciantes. Não adianta nada ter um programa com audiência boa se ele é caro demais e dá prejuízo.

O Pânico viu seus anunciantes sumirem não somente por causa da crise econômica, acreditam fontes ouvidas pelo Notícias da TV. Nos últimos anos, perdeu membros importantes de seu elenco, como Sabrina Sato e Wellington Muniz, e deixou de ser assunto nas redes sociais e rodas de conversas. Resumindo, o Pânico não é mais o Pânico.

Um exemplo da perda de relevância do humorístico foi um episódio ocorrido em junho deste ano. Ao vivo, um humorista foi flagrado por uma câmera exibindo seu pênis, pelo zíper da calça, a poucos centímetros das nádegas de uma panicat. Não fosse por uma advertência da Band à direção do programa, a repercussão teria sido praticamente nula. Em outros tempos, teria virado um escândalo. 

Pânico tem futuro?
Sem a Band, o futuro do Pânico é uma incógnita. O programa, como pertence à Jovem Pan, pode migrar para outra emissora. O problema é que não há emissora interessada nele.

Os executivos da RedeTV! não querem nem ouvir falar de Pânico. Até hoje, não superaram o fora que levaram no final de 2011, quando Tutinha, argumentando que não recebia pagamentos em dia, trocou a emissora pela Band.

Também não há espaço para o programa na Globo e na Record. No SBT, a alternativa poderia ser as noites de sábado. Executivos da rede de Silvio Santos, no entanto, acham essa hiptótese muito pouco provável. Sábado é um dia ruim de faturamento. E o Pânico é caro, eles também sabem.

Restaria a Tutinha comprar espaço numa emissora menor ou se limitar à internet. Ou, a exemplo do que aconteceu com Casseta & Planeta no início da década, reconhecer que o tempo do Pânico já passou, que não adianta tentar reinventar o programa.

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

 

Notícias da TV Recomenda

Em Ritmo de Fuga

Em Ritmo de Fuga

Ficha técnica: Baby Driver. EUA/Reino Unido, 2017, 112 min. Direção: Edgar Wright. Elenco: Ansel Elgort, Jon Bernthal, Jon Hamm, Eisa González, Lily James, Kevin Spacey. Disponível no Now.

Sinopse: Baby (Elgort) é um jovem com problemas auditivos que se revela um ás no volante _desde que esteja ouvindo a música correta. Sua habilidade atrai a atenção do criminoso Doc (Spacey), que o chama para ser seu motorista de fuga. Pronto para seguir em frente com sua vida, Baby aceita participar de um último roubo.

Por que assistir: Com a direção do inglês Edgar Wright (de Todo Mundo Quase Morto e Scott Pilgrim Contra o Mundo), Em Ritmo de Fuga respira cultura pop na trilha sonora e no visual. Indicado ao Globo de Ouro de melhor ator, Ansel Elgort consegue provar que tem talento para ser o novo astro de Hollywood, mesmo cercado de grandes nomes. O longa também foi nomeado a três Oscars: edição, mixagem de som e edição de som.

Assista agora no NOW

+ Lidas

Bloco de Notas

Novo The Voice

As cantoras Hailee Steinfeld e Kelly Clarkson estão na 14ª temporada do The Voice - Divulgação/Sony A partir do dia 28, o canal Sony transmitirá a 14ª temporada do The Voice, em sua versão norte-americana. Os episódios inéditos contam com uma nova técnica: a cantora Kelly Clarkson. Vencedora primeira temporada do ... Leia +

Leia todas as notas

Enquete

Com quem Maria Vitória deve ficar em Tempo de Amar?

Redes sociais

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook