Nostalgia

Série de maior audiência da TV dos Estados Unidos, MASH completa 45 anos

Imagens: Divulgação/CBS

O ator Alan Alda em MASH; público do episódio final exibido em 1983 é recorde até hoje - Imagens: Divulgação/CBS

O ator Alan Alda em MASH; público do episódio final exibido em 1983 é recorde até hoje

JOÃO DA PAZ - Publicado em 15/09/2017, às 05h33

Única série da história da TV norte-americana a ultrapassar a marca de 100 milhões de telespectadores, MASH completa 45 anos neste domingo (17). A comédia sobre um hospital militar durante a Guerra da Coreia (1950-1953) atingiu o topo no último episódio, sintonizado em 77% das casas com televisores nos Estados Unidos.

MASH teve 11 temporadas e 251 episódios no total, cada um com 30 minutos, menos o último. O desfecho foi em formato de telefilme e ficou duas horas e meia no ar. Exibido em 28 de fevereiro de 1983, pela rede CBS, Goodbye, Farewell and Amen (Adeus, Despedida e Amém) foi visto por 106 milhões de pessoas.

Na época, o episódio superou o emblemático A House Divided, de Dallas, exibido em 1980, sobre o mistério envolvendo a morte do personagem J.R. Ewing (Larry Hagman). O capítulo provocou os telespectadores a responderem a pergunta "Quem Matou J.R.?" e a questão entrou para o folclore da TV.

O adeus de MASH segurou durante 27 anos o recorde de maior audiência nos EUA, sem importar qual tipo de atração (esporte, jornalístico, série). Só foi superado em 2010 pela final da NFL, chamada de Super Bowl.

Desde então, a cada ano a decisão da liga profissional de futebol americano consegue atrair mais de 100 milhões de telespectadores, o que deixa MASH atualmente com a nona maior audiência da história. Porém, segue sendo a número um entre as atrações não esportivas.

A CBS fez uma produção especial para finalizar MASH. Nada menos do que 200 jornalistas cobriram as últimas cenas da série. Tratado como um superevento, cada comercial de 30 segundos foi vendido por US$ 450 mil, valor maior até do que o dos intervalos do Super Bowl, a coqueluche do mercado publicitário. Só com propagandas, a CBS arrecadou US$ 25 milhões. O episódio custou US$ 1 milhão.

Bastidores da série MASH: Guerra da Coreia encenada no quentíssimo Estado da Califórnia

Venceu o cancelamento
Em 1972, os canais pagos se preparavam para dar os primeiros passos (a HBO entrou no ar em novembro) e as três redes de TV aberta dos Estados Unidos (ABC, CBS e NBC) eram as grandes produtoras de séries. O pouco espaço aumentava a concorrência, e MASH sofreu com isso.

A primeira temporada foi um fracasso de audiência, sequer conseguiu um espaço no top 30 da televisão. A comédia correu o risco de ser cancelada, mas uma mudança estratégica alterou o rumo. A CBS escalou o segundo ano de MASH para ser exibido após All in the Family (1971-1979), então líder de público. O pulo do gato surtiu efeito, e MASH terminou a temporada 1973-1974 na quarta colocação.

MASH nunca chegou ao topo da lista de audiência, dominada nos 11 anos de exibição por séries como Dallas (1978-1991), Happy Days (1974-1984) e Laverne & Shirley (1976-1983), além de All in The Family. Contudo, MASH melhorou seu desempenho após a segunda temporada e virou sucesso.

A série correu outro risco de sair do ar após a oitava temporada, de acordo com uma reportagem do jornal Chicago Tribune, publicada em 1979. MASH estava próximo de atingir a marca emblemática de 200 episódios, e o ator Alan Alda confessou que havia um receio de que a repetição de histórias cansasse o público.

A sigla MASH significa Mobile Army Surgical Hospital (Hospital Cirúrgico Móvel do Exército). A série se baseou no filme homônimo (1970) indicado ao Oscar, que por sua vez se inspirou no livro de mesmo nome lançado em 1968.

No Brasil, a atração era exibida no horário nobre pela extinta TV Tupi e pela Bandeirantes, às 21h. Por aqui, só foram ao ar as cinco primeiras temporadas.

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

 

Notícias da TV Recomenda

This Is Us

This Is Us

Ficha técnica: Drama, EUA, 2016. Criação: Dan Fogelman. Elenco: Milo Ventimiglia, Mandy Moore, Sterling K. Brown, Chrissy Metz e Justin Hartley. Disponível no Fox Life e no Now.

Sinopse: This Is Us apresenta a história de três pessoas nascidas no mesmo dia, dois homens e uma mulher. A trama navega entre os anos 1980 e os dias atuais, mostrando a infância de cada uma delas em contraste com a vida adulta. No Now, o primeiro episódio está disponível gratuitamente.

Por que assistir: Com um roteiro surpreendente, ótimos diálogos e intepretações de alto nível, o drama familiar carrega na emoção e pode levar o telespectador às lágrimas. Discute temas como adoção, racismo e obesidade. É uma das maiores audiências dos Estados Unidos e grande sucesso de 2016. O drama reafirmou as carreiras de Sterlin K. Brown (vencedor do Emmy), Milo Ventimiglia e Justin Hartley, além de revelar Chrissy Metz.

Assista agora no NOW

+ Lidas

Bloco de Notas

Direto em streaming

Cress Williams interpreta Raio Negro na nova série: estreia direto na Netflix - Divulgação/The CW Black Lightning, a próxima série de super-heróis da TV de Greg Berlanti, mesmo produtor de Flash e Supergirl, vai chegar ao Brasil direto na Netflix. Os episódios serão lançados semanalmente, a partir de 23 de ... Leia +

Leia todas as notas

Enquete

Quem você quer que ganhe a Dança dos Famosos?

Redes sociais

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook