Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

NA JUSTIÇA

Verdadeira Dona do Pedaço acusa Globo de roubar sua história e pede fortuna

REPRODUÇÃO/TV GLOBO

Na pele de Maria da Paz, protagonista de A Dona do Pedaço, Juliana Paes está batendo um bolo

Juliana Paes interpretou Maria da Paz, a protagonista da novela A Dona do Pedaço, em 2019

CARLA BITTENCOURT e LI LACERDA

carla@noticiasdatv.com

Publicado em 17/5/2022 - 7h00

A Globo é alvo de um processo milionário por causa da novela A Dona do Pedaço (2019). Sandra Rodrigues Campos alega que sua história foi copiada e que ela é a verdadeira Maria da Paz, criada por Walcyr Carrasco e interpretada por Juliana Paes. O caso foi apresentado em São José do Rio Preto, interior de São Paulo.

Segundo os autos, aos quais o Notícias da TV teve acesso, a vendedora pede R$ 5 milhões por danos materiais, R$ 5 milhões por danos morais e mais R$ 5 milhões de indenização por lucros cessantes. Sandra também quer proibir que a Globo use a marca A Dona do Pedaço, que afirma se referir a ela desde 2004.

No processo, a autora conta que nasceu em Rio Verde, no interior do Estado de Goiás, e que se mudou para São José do Rio Preto aos 30 anos. Para bancar as despesas da casa e criar sua filha, Sandra passou a confeccionar e vender bolos caseiros de receitas de família na rua. Assim como aconteceu com Maria da Paz, Sandra aprendeu a fazer bolos com a avó.

Em 2004, a boleira passou a apresentar um programa de televisão que se chamava A Dona do Pedaço, seu apelido na região. A atração ia ao ar na
TV Gente, emissora local, que foi ao ar pelo canal eventual 15 da NET Rio Preto. Na atração, a boleira preparava uma receitas e comandava entrevistas.

Por causa do programa, seu nome ganhou destaque na comunidade, sendo conhecida por todos como A Dona do Pedaço. Sandra foi personagem de algumas reportagens em veículos locais como, por exemplo, na revista Ala Vip Magazine (foto abaixo).

reprodução

reportagem A Dona do Pedaço

Reportagem sobre Sandra, a Dona do Pedaço

Sandra afirma que foi surpreendida quando a novela batizada com seu apelido entrou no ar no horário nobre da Globo. Na trama, a atriz Juliana Paes deu vida à protagonista, Maria da Paz, divorciada, com uma filha (Josiane, papel de Agatha Moreira), e de origem humilde. A personagem encontra nas receitas de família o segredo para se tornar uma famosa boleira.

"Nitidamente houve violação aos direitos autorais por parte da ré, porquanto a história de vida da personagem Maria da Paz é igual à da autora além de plágio ao nome A Dona do Pedaço, que vem sendo utilizado pela autora por mais de uma década e meia, e representa suas raízes", diz a inicial do processo.

A negociação da marca usada para novela, aliás, foi feita em São José do Rio Preto. Aderson Rozani, que dirigia a atração de Sandra, vendeu o termo A Dona do Pedaço para a Globo em 2019. Proprietário da empresa Rozanitalic Propaganda e Marketing Limitada, o ex-diretor negociou a marca --que era sua desde 2005-- para a emissora no ano em que a novela estreou.

"Resta claro e nítido que a empresa ré [Globo] tinha todo conhecimento da história da autora e que a mesma era conhecida como a Dona do Pedaço. Logo a empresa ré não comprou apenas a marca e sim toda história da autora", acusa no processo.

Reprodução

venda da marca Dona do Pedaço

Documento que mostra a venda da marca

Procurada, a Globo --que já foi citada pela justiça-- afirmou que "não comenta casos sub judice". Já o autor Walcyr Carrasco não respondeu às mensagens desta reportagem. Sandra aguarda a definição do segredo de Justiça que foi pedido e a liminar proibindo a Globo de usar a marca.


Leia também

Enquete

Pantanal perde audiência: novela está chata?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.