Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

Memória da TV

Um ano após estreia, SBT ameaçava Globo com programas popularescos

Reprodução

Silvio Santos em imagem dos anos 1980, quando lançou sua própria rede de TV a partir da TVS - Reprodução

Silvio Santos em imagem dos anos 1980, quando lançou sua própria rede de TV a partir da TVS

THELL DE CASTRO

Publicado em 16/11/2014 - 10h26

O SBT (ou TVS, como era mais conhecida na época), entrou no ar dia 19 de agosto de 1981 sob o olhar descrente de Globo, Band e Cultura, suas concorrentes, já que metade da Record pertencia a Silvio Santos. Pois bem: pouco mais de um ano depois da estreia, a emissora do dono do Baú da Felicidade havia abocanhado o segundo lugar e chegava cada vez mais perto da líder.

O canal focava no público das classes C e D e apresentava programas popularescos, como O Povo na TV. O carro-chefe da casa, como não poderia deixar de ser, era o Programa Silvio Santos, aos domingos, além do Show Sem Limite, de Jota Silvestre, nas noites de segunda, da Sessão Proibida, às quintas, e do tradicional Almoço com as Estrelas, nas tardes de sábado.

Reportagem especial de Cida Taiar na Folha de S.Paulo de 10 de outubro de 1982 escancarava o fato. "O que parecia impossível começa a acontecer: a TVS está chegando mais perto da Globo, na guerra da audiência. E não há segredos por trás disso: a TVS utiliza uma velha fórmula de sucesso, já suficientemente testada pelos camelôs que habitam as praças brasileiras: oferece ao seu público nada além do que ele deseja ou precisa para consumo imediato".

Por exemplo: enquanto a Globo normalmente alcançava 50 pontos no Ibope, as demais marcavam entre três e seis pontos, como eram os casos de Band e Record. O SBT já chegava a dois dígitos, o que era impensável até então. Em setembro de 1982, aos domingos, o Programa Silvio Santos marcava 26,1 pontos na TV e 6,4 na Record, que retransmitia a atração, contra 21,5 da Globo.

Christina Rocha, José Maria Marin e Wilton Franco em Povo Na TV, em 1982, um clássico do popularesco

"Temos uma filosofia simples: levar nossos programas para o maior número de pessoas. Popular é aquilo que todo mundo gosta, é o que dá audiência. E audiência interessa a todas as emissoras: a Bandeirantes se dizia qualificada e não tinha audiência", disse, na reportagem, Roberto Manzoni, o Magrão, que era diretor de programação do SBT na época e, atualmente, comanda o Domingo Legal.

Globo no contra-ataque

A Globo, quem diria, resolveu partir para o contra-ataque, popularizando alguns nichos de sua programação. Contratou novamente Chacrinha, afastado da casa desde 1972, e lhe deu as tardes de sábado. Estreou o Caso Verdade, que consistia em histórias enviadas pelos telespectadores e que eram dramatizadas em capítulos durante a semana, além de ressuscitar o humor engessado do Balança, Mas Não Cai, fora da grade desde o início dos anos 1970.

O então todo-poderoso da Globo, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, também falou na reportagem da Folha e contestou os números do SBT. "Desde que foi inaugurada, os índices de audiência da TVS na verdade não progrediram. Em 1982, nos horários em que a concorrência é mais competitiva, houve um crescimento do público da Globo com o Caso Verdade, Viva o Gordo, líderes nacionais de audiência, e Balança, Mas Não Cai, que, ganhando em todo o Brasil, perde apenas em São Paulo por pequena margem, quando perde", disse.

Lolita e Airton Rodrigues apresentavam no SBT o Almoço com as Estrelas, que estreou em 1956 na Tupi

Boni também negou que a emissora estivesse popularizando sua programação. "A Rede Globo sempre foi uma emissora dirigida ao grande público e a todas as classes sociais, econômicas e culturais. Acreditamos que os programas populares devem ser feitos. Não admitimos a ideia de que, para atingir o público de menor nível de cultura, seja necessário fazer programas ruins, de baixo nível. Por isso, somos a favor do popular e contra o popularesco", disparou.

A Band, que era reconhecida por alguns programas voltados às classes A e B e para intelectuais, como Canal Livre e Crítica e Autocrítica, não deixou por menos: contratou Flávio Cavalcanti e lhe deu um programa noturno diário, o Boa Noite Brasil. E estava de olho em Jota Silvestre, que realmente iria para o canal em 1983, após brigar publicamente com Silvio Santos.

Eduardo Lafon, então diretor de programação da emissora, disse que partiria em busca do público do SBT sem perder o seu. "Não podemos deixar que o público C e D fique só com o Silvio Santos. Ninguém vive apenas de prestígio, vamos também faturar".

Como é sabido, o SBT não ultrapassou a Globo, mas se consolidou durante mais de duas décadas como "líder absoluto do segundo lugar", como a própria emissora se intitulava. Atualmente, briga com a Record pela vice-liderança.

Na primeira metade dos anos 1980, a emissora tinha audiência, mas não faturava, pois a programação afugentava anunciantes de peso. Ainda na matéria da Folha, Boni definiu a situação: "Com uma programação dirigida às camadas mais inferiores, aquela emissora tem um público de baixíssimo poder aquisitivo, de pouco interesse para agências e anunciantes".

Isso até Silvio Santos mudar os rumos da programação a partir de 1988, com a contratação de nomes como Jô Soares e Boris Casoy, entre outros _história que já relembramos aqui no Notícias da TV.


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

Prêmio NTV Melhores do ano

Leia também

Enquete

Qual foi o melhor telejornal ou programa jornalístico do ano?

Web Stories

+
Gui Araujo deixa A Fazenda 13 após expor lado prepotente e preconceituoso; relembreDe série na Netflix a aposentadoria: Por onde anda o elenco de O Cravo e a Rosa?Vladimir Brichta contracena com a filha em Quanto Mais Vida, Melhor; veja outros casosConfinado em A Fazenda 13, Dynho não sabe que Mirella pediu divórcio; como fica o caso?Quanto Mais Vida, Melhor enfrentou perrengues mesmo antes de estrear; conheça a trama

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas