Memória da TV

Há 50 anos, Globo copiava Tupi e colocava no ar novela moderna de Janete Clair

Reprodução/TV Globo

Cláudio Marzo (Marcelo) e Regina Duarte (Andréa) eram os protagonistas de Véu de Noiva (1969) - Reprodução/TV Globo

Cláudio Marzo (Marcelo) e Regina Duarte (Andréa) eram os protagonistas de Véu de Noiva (1969)

THELL DE CASTRO - Publicado em 10/11/2019, às 05h49

Há 50 anos, em 14 de outubro de 1969, a Rede Globo iniciava uma nova era para suas novelas, que perdura até os dias atuais. Na ocasião, a emissora estreava Véu de Noiva, de Janete Clair (1925-1983), primeira trama do canal com história moderna, aposentando os dramalhões rocambolescos da cubana Glória Magadan (1920-2001).

Pioneira em diversas inovações na televisão brasileira nas décadas seguintes, a Globo, neste caso, seguia a estratégia da Tupi, que exibiu Beto Rockfeller com grande sucesso desde o ano anterior. A trama de Bráulio Pedroso (1931-1990), estrelada por Luis Gustavo, é considerada o divisor de águas do gênero no Brasil, com temas atuais e diálogos coloquiais.

Até então, o canal, que estreou em 1965, exibia tramas como O Sheik de Agadir, A Rainha Louca, A Sombra de Rebeca e A Última Valsa. Apesar de algumas fazerem relativo sucesso, suas tramas não eram contemporâneas.

O Sheik de Agadir se passava na Arábia Saudita e na França; A Rainha Louca se desenvolvia durante as batalhas de Napoleão III (1808-1873); A Gata de Vison retratava a Chicago dos anos 1920; e A Última Valsa, acreditem, era situada na Áustria do século XIX. Faltavam elementos para que o público brasileiro pudesse se identificar na tela.

reprodução/tv globo

Regina Duarte estreou na TV Globo em Véu de Noiva (1969) e virou a Namoradinha do Brasil

Em seu O Livro do Boni, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, então mandachuva da emissora, contou como a iniciativa surgiu. "Assim que Beto [Rockfeller] começou, o Daniel Filho me trouxe a proposta de fazer uma novela moderna escrita por Janete Clair, que havia sido recusada por Glória Magadan várias vezes", contou.

Logo de cara, o tema causou estranheza. O protagonista masculino seria um piloto de carros de corrida. Boni protestou: "Daniel, não dá. Pela primeira vez Magadan estava certa. Automobilismo é coisa para homem, e o grande público de novela são as mulheres", explicou. "Não se assuste. O automobilismo é só pano de fundo. É uma novela romântica, muito romântica", devolveu o diretor.

Desconfiado, Boni levou a sinopse para casa e se surpreendeu, aprovando sua produção. Quanto ao automobilismo, na época, Emerson Fittipaldi iniciava uma trajetória de sucesso que culminaria em dois títulos de Fórmula 1 nos anos seguintes. Cláudio Marzo (1940-2015) foi o escolhido para viver o piloto Marcelo Montserrat.

Outro fato histórico de Véu de Noiva, que originalmente se chamaria Vende-se um Véu de Noiva, título utilizado pelo SBT em nova produção do texto, em 2009, foi a estreia de Regina Duarte na Globo, vinda da TV Excelsior. Contratada para reforçar o elenco e atrair a simpatia dos paulistas, a partir dali, participando de grandes produções, ela se tornaria a Namoradinha do Brasil.

A Globo fez questão de avisar ao público que suas novelas estavam mudando. Em anúncios nos principais jornais e revistas, enfatizou: "Em Véu de Noiva, tudo acontece como na vida real. A novela verdade".

"Além da modernidade do tema, Véu de Noiva apresentava níveis de produção até então nunca vistos em telenovelas. E tinha a vantagem de ter diálogos coloquiais, mas muito bem elaborados e distantes dos diálogos improvisados do Beto", destacou Boni em seu livro.

Outras inovações foram a criação de um trilha sonora com músicas especialmente compostas para a novela, com o inédito lançamento de um disco específico, e o encontro de personagens de Véu de Noiva e Verão Vermelho, outra trama exibida pela emissora na época, escrita por Dias Gomes (1922-1999), marido de Janete Clair.

A partir daí, Magadan deixou a emissora e o caminho foi aberto para a produção de grandes sucessos que marcaram a história da televisão brasileira, como Irmãos Coragem, sucessora de Véu de Noiva, e muitas outras.


THELL DE CASTRO é jornalista, editor do site TV História e autor do livro Dicionário da Televisão Brasileira. Siga no Twitter: @thelldecastro

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Você vai acompanhar Salve-se Quem Puder?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook