Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

MEMÓRIA DA TV

Em 1988, Angélica recusou contrato em branco de Silvio Santos

Reprodução/SBT

A apresentadora Angélica no comando do programa Casa da Angélica, no SBT - Reprodução/SBT

A apresentadora Angélica no comando do programa Casa da Angélica, no SBT

THELL DE CASTRO

Publicado em 4/9/2016 - 7h54

Na televisão desde os quatro anos de idade, quando venceu concursos de beleza no programa de Chacrinha, Angélica nem tinha completado 15 e já era disputada por duas grandes emissoras. Em outubro de 1988, ela recusou uma proposta milionária de Silvio Santos para ingressar no SBT e permaneceu na Manchete, onde já era considerada a principal estrela. Segundo seu empresário, Silvio Santos ofereceu um contrato em branco.

O contrato original de Angélica com a Manchete, que começou em 1987, quando ela começou a apresentar programas infantis na emissora, iria até dezembro de 1989. O novo acordo garantiu a apresentadora na emissora até junho de 1990, e "uma boa melhoria de ganho", como disse o então diretor-geral da Manchete, Expedito Gross, ao jornal Folha de S.Paulo de 30 de outubro de 1988. "Não poderíamos abrir mão dela", justificou.

"Na segunda à noite, os diretores da rede carioca se tranquilizaram. Angélica disse o 'fico' e encerrou uma negociação que mobilizou o próprio Silvio Santos e o superintendente das Empresas Bloch, Pedro Jack Kapeller, o Jaquito", destacou a reportagem.

"Adorei o convite. Fiquei lisonjeada, mas tinha um contrato na Manchete, que foi a emissora que abriu as portas para mim. Dinheiro é bom, mas não é tudo", disse Angélica à Folha.

Crédito

Angélica na época em que trabalhava como apresentadora na TV Manchete

Além do aumento salarial, pesou o fato de Angélica ser uma estrela na Manchete, onde comandava o diário Clube da Criança e viria a ganhar o semanal musical Milk Shake. Pelo raciocínio de seu empresário, Paulo Ricardo Cunha, não seria um bom negócio trocar a emissora pelo SBT, que já tinha outra apresentadora infantil de destaque, Mara Maravilha. "Angélica sairia da Manchete para ir para a Globo", disse Cunha.

Segundo o empresário, Silvio Santos estava "maluco" para contratar Angélica e teria oferecido um contrato em branco para a jovem apresentadora, além de 50 milhões de cruzeiros de luvas.

Do outro lado, o então superintendente artístico-operacional do SBT, Luciano Callegari, disse que "o empresário exagerou um pouquinho a respeito da proposta". Segundo ele, o dono do SBT afirmou que não importava o valor que Angélica ganhasse, queria que ela fosse falar com ele. "Não ficamos frustrados com o resultado das negociações, mas realmente estaríamos mais alegres se ela estivesse aqui", concluiu.

Silvio Santos deu um tempo, mas não desistiu de Angélica. A apresentadora permaneceu na Manchete até 1993, quando, finalmente, foi para o SBT, onde comandou atrações de sucesso como Casa da Angélica, TV Animal e Passa ou Repassa.

Três anos depois, migrou para a Globo, onde está até hoje. Na casa, começou com o Angel Mix e já teve diversas atrações. Desde 2006 ela comanda o programa semanal Estrelas, exibido aos sábados.


THELL DE CASTRO é jornalista, editor do site TV História e autor do livro Dicionário da Televisão Brasileira (Editora InHouse). Siga no Twitter: @thelldecastro


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

Leia também

Enquete

Você gostou do primeiro mês de Um Lugar ao Sol?

Web Stories

+
Traída, enganada e desprezada: 7 vezes em que Bárbara quebrou a cara em Um Lugar ao SolMansão nova, presença VIP e publis: Saiba tudo sobre a carreira de Deolane BezerraÚltima temporada de La Casa de Papel: Após o fim, série já tem spin-off confirmadoFicção virou realidade: Casa de Esqueceram de Mim é aberta ao público; veja fotosDivórcio, tragédia e treta: 5 notícias que peões de A Fazenda 13 não sabem

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas